25/01/2017

4 meios de um casamento sobreviver à traição

Buscar ajuda na experiência de especialistas é um grande passo para superar o trauma da traição e manter o casamento.

  • Superar uma traição não é tarefa fácil, pois além das dificuldades emocionais de lidar com o fato em si, existe muita coisa envolvida. Mentiras e enganações passam a ser uma rotina na vida do cônjuge que trai, quando tudo é descoberto é inevitável que o abalo seja muito grande. "Afinal, quem é essa pessoa?" Costuma ser uma frase usual. A infidelidade tem ainda um lado social, envolvendo familiares e amigos, provocando preconceitos que podem impossibilitar a reconciliação.
    Essas são questões de grande complexidade que devem ser tratadas com muito cuidado, principalmente quando existe a disposição dos cônjuges em retomar a relação. Se o seu casamento está vivendo uma crise assim, observe o que dizem os especialistas:
  • 1. Evite intromissões

    conforme afirma Gisela Castanho, professora da Sociedade de Psicodrama de São Paulo: “Cada um sabe o quanto aguenta uma traição. Tem desde aqueles que não se importam tanto assim, até quem ache intolerável”. Muito palpite pode fazer você agir em desacordo com sua vontade e se arrepender depois. O drama é seu, você é que tem que conhecer os seus limites.
  • 2. Analise o seu grau de afetividade

    o impacto da traição é diferente em cada caso, assim você precisa analisar seus sentimentos e ter em mente que esse não precisa ser um fim. Se ainda existe amor de ambas as partes é possível refazer os laços, mas o casal terá que ter muita maturidade para lidar com a crise. A autora do livro “Resgate de um Casamento”, a terapeuta Anna Sharp, escreveu: "Dá para superar e crescer se o amor permanece. Do lado de quem é traído, ajuda muito tentar responder a perguntas como, o que é mais importante: ter razão ou ser feliz? Proteger seu ego ou apostar na sua felicidade? Se você tem a compreensão do que aconteceu por dentro do outro, por que vai jogar tudo fora?”
  • 3. Fuja do papel de vítima

    conforme afirmou a psicóloga Angélica Amigo: “O rancor vira um processo de vitimização em que o papel de sofredor, incompreendido e infeliz se torna cômodo, impedindo qualquer um de seguir em frente”. Importante observar que o papel de vítima é degradante e, consequentemente, não ajuda em nada. Bom mesmo é assumir responsabilidades e operar mudanças no próprio comportamento. Nada justifica uma traição, mas acusar o tempo todo só piora as coisas; melhor direcionar energias a favor de tornar o relacionamento mais harmonioso.
  • 4. Mude a ótica

    é importante tentar entender o cônjuge em seus defeitos e carências. A psicóloga Araceli Albino explica: "Não encare o ato como algo que foi feito contra você, mas, sim, uma falha do outro, uma fraqueza ou uma necessidade. E lembre-se de que o outro existe "além de você", e que ele tem defeitos, carências ...". Veja as coisas por outro prisma e saia da situação de alvo; a ideia não foi ofender ou magoar você, embora essa tenha sido a consequência.
    Por fim, não é humilhante ou entristecedor sobrepujar a traição e manter o casamento, muito pelo contrário, desde que seja uma atitude madura, é enobrecedor.
  • Por Suely Buriasco        Fonte: familia.com.br
Gostou? Compartilhe com seus amigos!
Author Image

Anselmo Melo
Anselmo Melo, Carioca, casado e pai de três filhos (herança do Senhor). Pastor Evangélico e empresário. Moro atualmente no Estado de São Paulo onde pastoreio a Igreja de Nova Vida em Limeira. Sou fundador e presidente da Associação Projeto Resgate Vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante,
Você pode elogiar ou criticar, observe apenas:

1-Não publicamos criticas de ANÔNIMOS e nem comentários que não estejam relacionados com o assunto.

2-Baixarias e palavrões também não.

3-Nem todas as publicações são de minha autoria e o fato de estarem aqui não implica necessariamente em que eu concorde com todo o teor do post.

4- Quer ser respeitado? Mostre respeito!