08/11/2016

Intolerância religiosa é tema de redação do Enem e alunos criticam evangélicos

Diversos alunos comentaram o tema nas redes sociais e ironizaram, dizendo que os evangélicos iriam falar sobre "cristofobia" na redação.


Os alunos que tiveram a oportunidade de fazer a redação do Enem 2016 no último domingo (6) se depararam com um tema já, de certa forma, "comum" a muitos cristãos: o combate à intolerância religiosa. Porém como o tema divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) não se focou na perseguição religiosa sofrida pelas minorias em locais como África, Oriente Médio e tantos outros lugares onde costumeiramente encontram-se notícias da violência contra os cristãos, os alunos tiveram que analisar o contexto de um ponto de vista "mais amplo".
Segundo professores que estiveram orientando alunos do ensino médio e cursinhos em diversas partes do Brasil, a escolha do tema pode ter surpreendido algumas pessoas, mas não aquelas que estavam de fato acompanhando as possibilidades de temas para esta edição do Exame Nacional do Ensino Médio.
Para a professora Carla Garcia, que também tem um canal no Youtube com dicas sobre o Enem, a temática da intolerância religiosa foi uma das possibilidades tratadas nas salas de aula e já era considerado como um tema bem provável para ser abordado na redação deste ano.
"A intolerância provavelmente foi trabalhada em vários cursos, seja de modo geral ou em suas várias facetas, como o racismo e a perseguição religiosa, por ser um aspecto alarmante na sociedade contemporânea", disse ela.
Segundo a professora, para conseguir uma boa nota, o aluno teria que compreender que os conflitos religiosos tem "interesses por trás deles".
“O aluno terá de mostrar que na verdade o conflito religioso não tem razão só na religião, há uma questão econômica por trás. É preciso avaliar o conflito de maneira mais ampla e entender os interesses”, afirmou.
Em informativo divulgado pelo Inep (MEC), o tema veio oficialmente como "Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil".

Evangélicos intolerantes?
Como já aconteceu em outros episódios que envolveram o debate sobre intolerância religiosa no Brasil, evangélicos voltaram a ser criticados por estudantes que comentaram o tema nas redes sociais.
Os pastores Silas Malafaia e Marco Feliciano foram citados em diversas postagens, como "representantes da intolerância religiosa".


Já em outra postagem, um usuário da mídia social ironizou o argumento dos que falam em cristofobia no Brasil.

Vazamento
Após a divulgação do tema para a redação deste ano de 2016, surgiram comentários que acusaram o MEC de deixar vazar a informação sobre a prova já no ano passado. 
Em outubro de 2015, uma página do Facebook afirmou que o tema da redação deste ano seria exatamente o Combate à Intolerância Religiosa no Brasil, mas foi posteriormente "desmentida" pelo próprio MEC.
Diante da confirmação do tema no último domingo, a polêmica voltou à tona.
A forte semelhança chamou a atenção de muitos alunos, que comentaram o fato curioso nas mídias sociais.
Em um dos posts é possível, inclusive, perceber que o gráfico com estatísticas sobre intolerância religiosa no Brasil, foi retirado do jornal Folha de S.Paulo e é o mesmo que foi usado para contextualizar a prova de 2016.
"Gente, o próprio MEC vazando o tema da redação", comentou um usuário nas redes.
"Vazou o tema da redação", comentou outro usuário.
Já o Inep assegurou que tudo não passou de uma "coincidência".

"Trata-se de uma coincidência de assuntos que não afeta o Enem 2016 por não se tratar de um vazamento", esclareceu o órgão.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO G1

Author Image

Anselmo Melo
Anselmo Melo, Carioca, casado e pai de três filhos (herança do Senhor). Pastor Evangélico e empresário. Moro atualmente no Estado de São Paulo onde pastoreio a Igreja de Nova Vida em Limeira. Sou fundador e presidente da Associação Projeto Resgate Vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante,
Você pode elogiar ou criticar, observe apenas:

1-Não publicamos criticas de ANÔNIMOS e nem comentários que não estejam relacionados com o assunto.

2-Baixarias e palavrões também não.

3-Nem todas as publicações são de minha autoria e o fato de estarem aqui não implica necessariamente em que eu concorde com todo o teor do post.

4- Quer ser respeitado? Mostre respeito!