Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Paulo — O Homem dos Superlativos

Existe um homem de muitos superlativos, e é dele que queremos falar. Será que ele aparece no Livro dos Recordes Mundiais? Muita gente se empenha com todas as forças e usa todos os seus recursos apenas para ver seu nome no Guiness.
Nenhum desses recordistas é o nosso homem dos superlativos. Seu nome está inscrito em um livro muito mais importante que o Guiness; ele está na Bíblia. Este, sim, é um livro repleto de superlativos. Já em suas primeiras páginas, no relato da criação do mundo, o leitor é apresentado a um superlativo depois do outro. E isso continua até sua última página. O Apocalipse fala de um banco de dados que contém mais informação do que qualquer pessoa jamais poderia conhecer:
Então, se abriram livros. Ainda outro livro, o Livro da Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros” (Ap 20.12). Esse é o banco de dados de Deus. Esses livros registram cada ser humano, nome por nome, incluindo todos desde Adão e Eva até nós que vivemos hoje. O registro não contém apenas as informações constantes nos órgãos oficiais como data de nascimento, altura ou cor dos olhos, mas inclui o tamanho do sapato, cor do cabelo, quantidade de fios de cabelo e milhares de outros detalhes de cada um de nós. Só os dados de cada um dos cidadãos do mundo já ultrapassam a capacidade da imaginação humana.

Mais significativo ainda é que esses livros tenham o registro de todos os nossos pensamentos e de todos os nossos atos. Tudo está listado, as coisas que agradam a Deus juntamente com cada um dos nossos pecados. E nenhum desses dados jamais será perdido. A Bíblia conta que, um dia, cada um de nós será julgado segundo nossa biografia completa gravada nos livros de Deus. Tudo o que passou pela nossa cabeça em forma de pensamento e tudo o que moveu nossa língua está escrito ali. E tudo será revelado e exposto. Só podemos ficar assustados com essa contabilidade minuciosa. Mas, graças a Deus, também existe a ordem de “deletar”. E essa ordem apaga os pecados. Quando alguém chega à cruz de Cristo trazendo seus pecados, recebe perdão. Então, aos olhos de Deus, é como se eles jamais tivessem constado em Seu banco de dados. Mais ainda: depois que os pecados foram apagados a pessoa passa à condição de completamente justa diante de Deus – tão justa como se jamais tivesse cometido um único pecado. Esse pleno perdão também é um dos superlativos que a Bíblia nos apresenta.
Mas, a seguir vamos nos ocupar com nosso “homem de superlativos”, que tem muito a dizer dentro da Bíblia. Ao ler esse título, muitos personagens bíblicos podem ter vindo à nossa mente, por exemplo, Sansão ou Moisés ou Jó, mas hoje nos ocuparemos com alguém que não nos ocorre de imediato. Mesmo assim, esse homem pode ser enquadrado em pelo menos dez superlativos. É o apóstolo Paulo.

1. O mais zeloso em Israel

Saulo, como ele se chamava originalmente, queria servir a Deus e zelava pelos interesses do Senhor como nenhum outro em sua época. Quando Estêvão foi apedrejado, tornando-se o primeiro mártir cristão, Saulo “consentia na sua morte” (At 8.1). Saulo pensava que acabar com esse homem era prestar um serviço a Deus. E se alegrava com isso. Fez da perseguição aos cristãos sua grande causa. Ele achava que os cristãos tinham de sumir do mapa, e pensava estar servindo a Deus ao persegui-los.“Saulo, respirando ainda ameaças e morte contra os discípulos do Senhor, dirigiu-se ao sumo sacerdote e lhe pediu cartas para as sinagogas de Damasco, a fim de que, caso achasse alguns que eram do Caminho, assim homens como mulheres, os levasse presos para Jerusalém” (At 9.1-2). Isso era zelo por Deus e empenho máximo pela Sua causa!
Saulo foi um homem de grande força de vontade. Ele colocava suas idéias em prática sem poupar esforços, tempo ou dinheiro. O que planejava, ele realizava. Também possuía mais alguns pré-requisitos que o fizeram o maior missionário de todos os tempos: era judeu e cidadão romano ao mesmo tempo. Isso lhe dava livre acesso a todo o Império Romano daquela época. E ele tinha um conhecimento fora do comum das Sagradas Escrituras, pois foi “instruído aos pés de Gamaliel” (At 22.3), ou seja, estudou as Escrituras bíblicas com um renomado mestre judeu. Paulo tornou-se ele mesmo um grande erudito; além disso, era um profundo conhecedor do hebraico e do grego.
Apenas um único pré-requisito, o mais importante, ainda faltava para Paulo ser um missionário: ele não tinha Jesus Cristo. Ninguém pode ser missionário sem Jesus. Depois de uma palestra, um ouvinte me disse: “Se esse negócio de Evangelho é tão importante, então devo ir imediatamente à Índia ou a qualquer outro lugar para falar de Jesus às pessoas”. Eu respondi: “Meu jovem, não vá de jeito nenhum! Você vai fazer mais estrago do que ajudar”. – “Por quê?” – “Se você não se converter e for pregar o Evangelho do jeito que está, você vai causar mal ao invés de bem. O mais importante, que você ainda não tem, é Jesus”. Só quando Jesus torna-se nosso Senhor pessoal poderemos começar com a missão de pregar o Evangelho aos outros.
Saulo estava em viagem para perseguir a Igreja dos cristãos. Aí, no deserto, aconteceu o fato mais relevante de toda a sua vida: “Seguindo ele estrada afora, ao aproximar-se de Damasco, subitamente uma luz do céu brilhou ao seu redor, e, caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? Ele perguntou: Quem és tu, Senhor? E a resposta foi: Eu sou Jesus, a quem tu persegues” (At 9.3-5). Nesse encontro com Jesus, Saulo caiu literalmente do cavalo e se converteu. Deus tem muitos meios de interferir na vida de alguém. Ele não usa moldes, pois dispõe de muitos e variados métodos para tocar os corações, e nenhuma conversão é igual à outra. Dessa forma, cada um tem a sua história bem particular de encontro com Jesus.
A partir daí Saulo, mais tarde chamado de Paulo (At 13.9) passou a estar profundamente ligado a Jesus, o que pode ser visto na resposta que ele deu ao carcereiro de Filipos. Este clamou quando os muros da prisão tremeram: “que devo fazer para que seja salvo?”. Paulo não respondeu: “Creia em Deus e você estará salvo”, mas afirmou categoricamente: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa” (At 16.31). Essa resposta esclarece muitas coisas, mas acima de tudo mostra que Paulo era um homem que, acreditando no Deus dos patriarcas do Antigo Testamento, de repente exclama de forma espontânea: “Crê no Senhor Jesus !”. Jesus já havia ensinado um fato básico acerca da salvação e do acesso ao céu : “Ninguém vem ao Pai senão por mim” (Jo 14.6).Essa é uma declaração que exclui toda e qualquer exceção. Muitos dos nossos contemporâneos não gostam dessa exclusividade. Mas para Paulo não havia alternativa à frase: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo”. Desde que ele próprio havia experimentado a salvação por Cristo, tinha em mãos a preciosa bússola que indica o caminho certo para todos os homens. E agora ele se punha a caminho carregando essa preciosa mensagem do Evangelho da salvação em Jesus Cristo, o Filho de Deus.

2. Convertido diretamente pelo Senhor ressuscitado

Nenhuma pessoa se encontrou com Jesus Cristo depois de Sua ressurreição de forma tão direta como aconteceu com Paulo. Como a Escritura testemunha e como a História da Igreja documenta muito bem, é da vontade de Deus que pessoas proclamem a mensagem do Evangelho. Homens longe de Deus ouvem de outros homens a salvadora Palavra do Senhor e têm a liberdade de aceitar ou rejeitar a mensagem ouvida. A conversão de alguém sempre se dá com a cooperação de outras pessoas usadas por Deus. Paulo foi a única exceção – ele se converteu diretamente pelo Cristo ressuscitado, sem intermediação humana!
Deus estabeleceu que Sua mensagem não seria pregada por anjos, mas por pessoas. Jesus ordenou a Seus discípulos: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações...” (Mt 28.19). O campo missionário é tão vasto e tão cheio de gente precisando ouvir o Evangelho que, até Jesus voltar, não vai faltar serviço aos crentes. E esse trabalho todo, esse campo a ser arado, foi confiado por Deus a homens, não a anjos.
Certo homem ouviu a mensagem de Jesus em uma evangelização realizada numa tenda. Ficou irritado e começou a perturbar e blasfemar contra Deus. No final, ele alfinetou: “Ei, se o Deus de vocês existe mesmo, então Ele deveria mandar um anjo agora mesmo para me dar uma surra bem em frente de vocês todos. Felizmente não preciso ter medo disso, porque isso não vai acontecer!”. Aí, do outro lado do salão se levantou um ferreiro de dois metros de altura e ombros largos que lhe respondeu: “Para isso Deus nem precisa mandar anjo algum. Eu mesmo resolvo essa questão agora mesmo”. Sabemos que Deus tem os seus em todos os lugares.

3. Cristo acima de tudo

Na vida de Paulo, Jesus realmente estava em primeiro lugar. Ele descreveu sua posição:“Mas o que, para mim, era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo” (Fp 3.7-8). Paulo havia experimentado uma completa inversão de todos os seus valores. Comparadas com Cristo, todas as outras coisas preciosas de sua vida se tornaram “refugo”. Cristo estava em primeiríssimo lugar em sua lista de prioridades. Não era um enfeite qualquer, mas detinha a primazia em todas as áreas de sua existência.
Esse fato coloca o leitor diante da pergunta: que lugar Jesus Cristo ocupa na minha escala de valores? Não deveríamos nos esquivar dessa questão fundamental da vida espiritual. Deveríamos pensar nela seriamente quando nos recolhemos em silêncio. Onde me encontro realmente em relação ao Senhor? Existe alguma coisa na minha vida que vem antes de Jesus – talvez algum passatempo, minha profissão ou minha família? Nossa vida depende basicamente de nossa posição em relação a Cristo, de nosso relacionamento com Ele, e esse relacionamento influencia todas as áreas de nossa existência terrena.

4. Maior pregador para os judeus

A pregação do Evangelho que Paulo realizava acontecia através de uma estratégia bem definida: primeiro ele dirigia-se aos judeus. Quando chegava em algum lugar, ia sempre à sinagoga: “E logo pregava, nas sinagogas, a Jesus, afirmando que este é o Filho de Deus” (At 9.20). Esse texto breve nos mostra qual era o centro de sua pregação: que Jesus era o Filho de Deus. Se ele tivesse pregado que Jesus foi um homem bom, um benfeitor e amigo dos pobres ou até um revolucionário e tivesse acrescentado “Ele ama vocês!”, teria colhido gratidão e aplauso.

A salvação do mundo e do indivíduo não depende de qualquer outro parâmetro – não depende de boas obras, nem de um caráter nobre. Depende de uma única Pessoa, depende de Jesus Cristo.
Mas Paulo chegava ao ponto sem rodeios: “Jesus é o Filho de Deus”. E sempre enfatizava que a salvação do mundo dependia apenas e exclusivamente de Jesus. É exatamente o que nós também temos que testemunhar a todos: que a salvação do mundo e do indivíduo não depende de qualquer outro parâmetro – não depende de boas obras, nem de um caráter nobre. Depende de uma única Pessoa, depende de Jesus Cristo. Mas era isso que os ouvintes nas sinagogas geralmente rejeitavam, e então jogavam Paulo na rua. Esse era o resultado que ele conseguia com sua pregação “simplista”! Mas ele não pregava outra coisa, pois se não fosse tão exclusivista, não estaria lhes trazendo a salvação. Paulo amava seus patrícios, como gostava de chamá-los, e por isso dizia-lhes toda a verdade. Todo o seu amor por seus compatriotas fica evidente nesta sua declaração: “porque eu mesmo desejaria ser anátema, separado de Cristo, por amor de meus irmãos, meus compatriotas, segundo a carne” (Rm 9.3). Por amor, Paulo teria trocado a própria salvação pela salvação de seu povo judeu.
Esse é um amor humanamente inconcebível. Paulo, por estar tão cheio desse sentimento, pregava a verdade sem reservas e sem rodeios. O que ele transmitia tinha mais ou menos este sentido: “Pessoal, o que importa é que vocês acreditem em Jesus. Todo o resto, tudo o que vocês fazem ou deixam de fazer, não adianta nada para chegar ao céu”. Paulo reagia à rejeição dos judeus, e o que ele lhes disse me comoveu profundamente: “Cumpria que a vós outros, em primeiro lugar, fosse pregada a palavra de Deus; mas, posto que a rejeitais e a vós mesmos vos julgais indignos da vida eterna, eis aí que nos volvemos para os gentios” (At 13.46). Tão decisiva e importante é a mensagem de Jesus! Quem a rejeita perde a chance da vida eterna.
Essa é a conseqüência de se decidir contra Jesus, e Paulo somente conseguia colocar seu povo diante dessa alternativa porque o amava de verdade. Certamente ele pregou o Evangelho com muito carinho, e talvez tenha suplicado que aceitassem a Jesus: “Meus queridos, por favor, aceitem o Único que dá salvação! Com certeza, Jesus os levará ao céu! Todo o empenho de vocês até aqui não vale nada!”.
Certa vez assisti uma palestra do professor Pinchas Lapide (1922-1997), um reconhecido erudito e teólogo judeu. Ele fez uma longa explanação sobre Jesus. Citou diversos textos do Novo Testamento e comentou-os tão cientificamente que sua própria opinião acerca de Jesus nem chegou a transparecer. Apesar de sua postura positiva em relação aos Evangelhos, sua palestra foi tão neutra como se discorresse sobre alguma fórmula matemática. Mas Jesus Cristo é uma Pessoa, e se engana quem pensa que pode falar dEle de forma neutra. Falar de Jesus sempre exige um posicionamento. No final de sua palestra, Lapide deu oportunidade para perguntas. Eu me manifestei: “Estou interessado em saber quem é esse Jesus para você pessoalmente?” Ele respondeu: “Para nós judeus, Jesus é um profeta como Jeremias, por exemplo”. Senti que, com essa resposta genérica, “para nós judeus”, ele estava se esquivando de uma resposta franca. Mas ele continuou: “Para você...” – e isso ele também não precisaria ter dito – “...Jesus é o Messias que já veio”. Somente na minha terceira tentativa ele respondeu de fato à minha pergunta: “Agora eu quero dizer o que Ele é para mim. Ouça bem! Possivelmente – e essa palavra deve ser sublinhada em negrito três vezes – possivelmente o Messias, que já veio para você e pelo qual nós judeus ainda esperamos, seja a mesma Pessoa”. É admirável como alguém pode chegar tão perto de Jesus sem reconhecê-lO como Aquele quem Ele realmente é! Se esse nobre sábio judeu retirasse seu “possivelmente”, teria encontrado a Cristo como seu Salvador pessoal. O próprio Jesus elogiou um homem que deu uma resposta boa e bem fundamentada biblicamente: “Não estás longe do reino de Deus” (Mc 12.34). “Não estar longe” significa perto, mas não dentro. Ainda falta um pouco!
Muitas pessoas estão a quilômetros de distância do reino de Deus. Essas precisam ser buscadas metro a metro. Fico admirado como isso pode acontecer rapidamente. O marido de uma mulher crente, uma parente distante minha, aceitou o convite para assistir a uma de minhas palestras perto de onde mora. Ele veio me ouvir por razões puramente familiares. Logo no início, ao me cumprimentar, ele já foi dizendo: “Vim meio arrastado para essa reunião cristã. Para que tudo fique bem claro e você conheça minha opinião: eu sou ateu”. Meio sem pensar, respondi espontaneamente: “Isso não vai ficar assim por muito tempo”. Durante a palestra, ele ficou calmamente sentado, só ouvindo. No final do culto eu ofereci aconselhamento a quem estivesse interessado em saber mais acerca do caminho a Cristo. Para minha grande surpresa, Bernard também veio à frente. Quase não consegui acreditar no que meus olhos estavam vendo e achei que ele tinha vindo apenas por curiosidade, para ver o que acontecia nesse tipo de reunião de aconselhamento. Como costumo fazer, depois das explicações acerca da salvação, perguntei a cada um dos que estavam lá: “Você quer aceitar Jesus?”. Fiquei pasmo: meu parente ateu convicto aceitou a salvação! Seu propalado ateísmo não durou muito tempo! Naquela noite ele conheceu a Cristo. Ele parecia tão longe, e estava tão perto!
O que o levou a dizer “sim”? Devo ter falado alguma coisa que tocou seu coração. Todo o seu ateísmo ruiu naquela noite como se fosse um castelo de cartas. De repente, reconheceu que ele próprio precisava de Jesus. Deus dobra pessoas assim, que parecem tão longe da verdade. Ele reparte os despojos “com os poderosos” (Is 53.12).

Muitas pessoas estão a quilômetros de distância do reino de Deus. Essas precisam ser buscadas metro a metro.
O que os pregadores não podem fazer, o Espírito Santo faz. Ele fornece as palavras certas no tempo certo. Jesus prometeu a Seus discípulos: “Por minha causa sereis levados à presença de governadores e de reis... não cuideis em como ou o que haveis de falar, porque, naquela hora, vos será concedido o que haveis de dizer” (Mt 10.18-19). Esse deve ser o ponto de partida de cada pregador: contar com a ação do Espírito Santo.

5. O maior missionário para os gentios

Quando Paulo foi de navio da Ásia Menor para Neápolis (atual Kavala), pisou em solo europeu pela primeira vez. Ele nem imaginava a importância e as conseqüências desse passo. Talvez até duvidasse de que esse fosse o destino certo, pois logo foi açoitado e jogado na prisão por causa da mensagem que pregava. Mas seu trabalho produziu frutos. A primeira pessoa que se converteu na Europa é conhecida pelo nome. Foi uma mulher chamada Lídia. A mensagem tocou seu coração tão fortemente que ela se entregou espontaneamente a Jesus. Vemos Paulo pregando aos gentios e colhendo os frutos de seu trabalho.
Paulo escreveu aos gálatas: “...o evangelho da incircuncisão me fora confiado” (Gl 2.7).Depois de fundar igrejas em diversos lugares, escreveu cartas aos novos convertidos. Essas cartas continham as diretrizes para o viver cristão, de grande ajuda para as igrejas em suas situações particulares, formando hoje um terço do Novo Testamento. O que é feito em Nome de Deus permanece. As cartas de Paulo alcançaram significação mundial e foram traduzidas nas mais variadas línguas da terra. Hoje o Novo Testamento pode ser lido por quase todos os povos e tribos em sua própria língua – que fruto inimaginável do ministério de um só homem! Temos de lembrar que Paulo não escreveu suas cartas apenas na teoria, sentado diante da janela, admirando uma bela paisagem. Escreveu muitas delas em meio às maiores dificuldades pessoais, inclusive na prisão. Mas ficou firme em Nome de Jesus e cumpriu sua missão.
Isso ficou muito vivo para mim quando estive na Austrália. Lá preguei em diversos lugares, inclusive em uma igreja no extremo Leste do país. Olhando a partir de onde estamos agora, esse seria um dos lugares mais distantes do planeta. No domingo pela manhã, uma grande igreja se reuniu para ouvir a Palavra de Deus. “Incrível”, pensei comigo, “essa mensagem realmente chegou até aos confins da terra, bem como o Senhor Jesus predisse”. E lá também foi lido um trecho de uma das cartas do apóstolo Paulo. Sim, Paulo foi mesmo o maior dos missionários entre os gentios.

6. O desafio maior da pregação

Homem algum jamais desafiou tanto os seus ouvintes como Paulo – com exceção do próprio Jesus, mas este era o Filho de Deus. A pregação de Paulo tinha um efeito impressionante e um grande poder de convencimento sobre as platéias. Em Filipos, sua primeira base na Europa, Paulo foi açoitado e jogado na prisão por causa de suas palavras. Em Tessalônica ele foi acusado de “transtornar o mundo” (At 17 6). Em Éfeso toda a cidade ficou agitada porque ele anunciava um Deus “não feito por mãos humanas” (At 19.26). Isso colocou-o em conflito com todo o sindicato dos ourives e seu líder Demétrio. Os ourives confeccionavam e vendiam modelos do templo da deusa Artêmis, também chamada Diana. No final, todo o povo estava reunido no anfiteatro gritando por quase duas horas: “Grande é a Diana dos efésios!” (At 19.34).
Em todos os lugares por onde passava, Paulo fazia uma faxina nos deuses pagãos. No Areópago de Atenas (At 17.22-31) ele enfatizou: “O Deus que fez o mundo e tudo o que nele existe, sendo ele Senhor do céu e da terra, não habita em santuários feitos por mãos humanas. Nem é servido por mãos humanas, como se de alguma coisa precisasse; pois ele mesmo é quem dá vida, respiração e tudo mais. (...) Não devemos pensar que a divindade é semelhante ao ouro, à prata ou à pedra, trabalhados pela arte e imaginação do homem” (At 17.24-25,29). Todos os deuses e deusas que os antigos gregos veneravam e aqueles que as pessoas de hoje chamam de deuses não passam de deuses falsos e ídolos. E adorá-los é pecado.
Paulo tinha a coragem de referir-se a Adão como tendo sido o primeiro homem: “de um só fez toda a raça humana para habitar sobre toda a face da terra...” (At 17.26). Depois que me converti, quando me deparei com essa frase tive certeza de que a Teoria da Evolução é apenas uma construção do pensamento humano originado nas mentes de homens pecadores. Paulo também poderia ter falado em acaso e necessidade, como já ensinavam os filósofos gregos. Mas ele proclamava acerca de Deus: “pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos” (At 17.28). Isso já era tão inacreditável naquela época quanto é hoje. Mas cada pessoa, de ontem e de hoje, vive e se move nesse Deus invisível, já que Deus é onipresente. Onde quer que alguém se encontre, jamais estará fora do alcance de Deus. Paulo manteve sua mensagem clara e direta, sem fazer concessões de qualquer espécie.
Em Corinto, uma cidade cheia de paganismo e pecado, Paulo encontrou um enorme complexo de templos dedicados a Apolo. Provavelmente ele se arrepiou e ficou comovido ao ver tanta gente seguindo esse culto pagão. Ele, por sua vez, não tinha nada de visível para apresentar. Sua arma eram as palavras. Mas, talvez, ele tenha pregado assim: “Os fundamentos que vocês estabeleceram com seus templos não permanecerão. Um dia, todos eles desaparecerão”. Mais tarde, ele escreveu aos cristãos de Corinto: “Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto, o qual é Jesus Cristo” (1 Co 3.11). Hoje, quem faz uma visita à Corinto antiga pode entender muito bem essa declaração de Paulo, já que restaram apenas algumas ruínas dessa cidade idólatra. Os templos desapareceram há muito tempo. Mas o fundamento que é Jesus Cristo ficou e ficará por toda a eternidade. Quem fundamenta sua vida em Jesus Cristo tem uma base firme e duradoura, que permanecerá para todo o sempre.

7. A maior autoridade

O apóstolo Paulo não atribuiu a si mesmo sua autoridade para ensinar nem sua eficácia no ministério. Também não foram outros homens que o chamaram para sua nobre tarefa:“...o evangelho por mim anunciado não é segundo o homem, porque eu não o recebi, nem o aprendi de homem algum, mas mediante revelação de Jesus Cristo” (Gl 1.11-12).O apóstolo Paulo freqüentou o seminário do próprio Jesus Cristo. Foi Jesus quem lhe passou as informações que proclamava ao mundo, e esse era o segredo de sua eficiência e efetividade. A receita da legítima autoridade espiritual é a pregação baseada na Palavra de Deus e inspirada pelo Filho de Deus, Jesus Cristo. Nesse sentido Paulo se mantém fiel e irredutível: “Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema” (Gl 1.8).
Hoje em dia, muitas modificações no Evangelho estão em curso. Ele continua sendo pregado, mas com seu conteúdo alterado. Opiniões que nem se encontram na Bíblia são acrescentadas. Em contrapartida, passagens importantes são excluídas por não combinarem com a idéia sobre Deus que os pregadores fabricaram para si mesmos. Por exemplo, fala-se de um Deus de amor mas ignora-se o Dilúvio, já que esse juízo terrível não combinaria com a imagem de um Deus bonzinho.
Mas Deus realmente mandou vir uma enchente global sobre a terra, afogando literalmente milhares de pessoas. Isso aconteceu por causa de seu pecado. Arrisco dizer que “eles se afogaram em seus pecados”, pois viviam longe de Deus. O mundo de hoje, que vive segundo suas próprias leis e se mantém distante da Palavra de Deus, também experimentará o juízo divino, mesmo que não acredite nele.
Infelizmente, muitas publicações e programas cristãos de rádio e televisão deixam de tocar no centro da mensagem da Bíblia. Isso engana as pessoas a ponto de tornar inócuo tudo o que ouvem, assistem ou lêem. É trágico ver declarações bíblicas básicas sendo tratadas tão superficialmente. Nessas pregações genéricas, talvez em algum momento apareça a palavra “Deus”. Pessoas que estão longe do Evangelho e ouvem esse tipo diluído de pregação sentem-se bem pois foram fortalecidas e confirmadas em sua maneira de pensar. “Ah! Bom! Então posso continuar seguindo meu caminho!”. Dessa forma, muita gente dirá, com razão, quando estiver diante do juízo de Deus: “Eu não sabia disso! Os pregadores que eu escutava me faziam crer que tudo isso era ninharia”. Como será terrível esse dia!

Quem fundamenta sua vida em Jesus Cristo tem uma base firme e duradoura, que permanecerá para todo o sempre.
Publicações e pregações cristãs precisam conter a clara mensagem de Jesus Cristo. Paulo é um bom exemplo de pregador genuíno. Ele não deixou de lado nenhum tópico da Palavra de Deus, nem mesmo o juízo. Ainda assim, esse homem amava seus ouvintes, judeus ou gentios, e eles sentiam sua empatia. Ele queria a salvação daqueles a quem pregava, e por isso se empenhava ao máximo “a fim de ganhar o maior número possível” (1 Co 9.19). Seu anseio era estar junto com todos eles no céu! O caminho até lá era Jesus, e essa era sua mensagem. Era isso que lhe conferia autoridade espiritual.
Jesus deixou estabelecido a Seus discípulos: “quem vos der ouvidos ouve-me a mim...” (Lc 10.16). Para os cristãos de hoje, isso somente é válido sob a condição de dizer, sem tirar nem por, tudo aquilo que está nas Escrituras. Ao pregar todo o desígnio de Deus, cada um, individualmente, poderá tomar para si o que Jesus prometeu aos que pregam Sua Palavra. Depois de salvo, o cristão terá uma missão a cumprir onde quer que viva e onde quer que Deus o enviar.
Há anos minha esposa mantém amizade com uma vizinha nossa. Ela ainda está muito longe de um relacionamento com Jesus, e só podemos avançar com sensibilidade e muito tato. Recentemente seu cachorro ficou doente. Já que ela sabia que costumamos orar, pediu: “Será que vocês poderiam orar pelo meu cachorro?”. Minha esposa prometeu fazê-lo. Por que não orar pela saúde de um animal se isso contribuir para o bem do Evangelho? Há poucos dias minha esposa me disse: “Imagine só, a vizinha ligou. Sabe o que ela me disse? ‘Aquele lá de cima ouviu duplamente’.” Ela própria tinha orado a Deus, e Ele ouviu os pedidos – dela e nossos. Foi a primeira experiência com Deus dessa mulher. Talvez seu progresso em direção a uma fé genuína avance lentamente, mas ela deu um passo na direção certa. Que Deus conceda a ela a plena salvação!

8. O maioral dos pecadores e o maior trabalhador para Deus

Quando Paulo testemunha acerca de sua própria pessoa, muitas vezes ficamos estupefatos. Quase não podemos crer que passou e suportou tanta coisa. Mesmo assim, ele não exagera nem minimiza suas experiências: “Digo a verdade em Cristo, não minto...” (Rm 9.1). Paulo passou por incontáveis perigos, mas preferia ir preso a dizer alguma coisa errada. Preferia apanhar a proclamar a mensagem pela metade. É impressionante ver o quanto ele vivia aquilo que pregava! Diante desse pano de fundo deveríamos olhar para as seguintes declarações:
1. Paulo dizia que era “o principal dos pecadores” (1 Tm 1.15) e que era “nascido fora de tempo” entre os apóstolos (1 Co 15.8). Esse também é um superlativo: Paulo assumindo o primeiro lugar entre os pecadores. Esse é um grande consolo para quem duvida de si mesmo e costuma dizer: “Amontoei tantos pecados na minha vida, estraguei tudo! Será que ainda posso ser perdoado?”. Minha resposta é: “Fique tranqüilo. No máximo você vai tirar o segundo lugar entre os pecadores, porque o primeiro já está ocupado pelo apóstolo Paulo, e, se ele conseguiu perdão, você também conseguirá”.
2. Ele foi o maior trabalhador no Reino de Deus. “...trabalhei muito mais do que todos eles...” (1 Co 15.10). Isso soa como autoelogio, mas ele acrescentou: “todavia, não eu, mas a graça de Deus comigo” (v.10b). Paulo sabia qual era a fonte de seu vigor para o ministério, que era o próprio Senhor, e mesmo assim colocava a si mesmo como exemplo de obreiro: “Sede qual eu sou...” (Gl 4.12). Esse é o tipo de conselho que dificilmente alguém teria coragem de dar em público. Paulo podia fazer isso porque sua vida sublinhava e confirmava suas palavras. Por essa razão ele exortava: “O que também aprendestes, e recebestes e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus da paz será convosco” (Fp 4.9).
3. Paulo reconhecia crer “em todas as coisas que estejam de acordo com a Lei e nos escritos dos Profetas” (At 24.14). Ele acreditava em cada palavra da Escritura. Naquela época, o Antigo Testamento já estava completo e disponível. Portanto, Paulo também acreditava em cada palavra do relato da Criação. Ele aceitava todos os detalhes, inclusive aqueles que hoje são uma pedra no sapato de muita gente. A declaração de Paulo posicionando-se totalmente em favor das Escrituras tornou-se uma passagem-chave na minha vida de fé. Ainda hoje Paulo é um exemplo excelente quando está em jogo aceitar incondicionalmente ou não aceitar tudo aquilo que está registrado na Bíblia.
4. Paulo viajava sem conforto. Por ocasião de uma viagem sob o lema “Nas pegadas do apóstolo Paulo”, conscientizei-me de quantas fadigas Paulo deve ter sofrido em suas andanças pelo mundo. Nós estávamos bem instalados em nosso ônibus climatizado, viajando por regiões de Atenas, Corinto e pela Turquia. Quando o ônibus parava para pernoitar, íamos diretamente para um hotel confortável. Depois de acomodados nos quartos, éramos recepcionados com um jantar maravilhoso. Tudo estava muito bem organizado, só esperando por nós!
Paulo também passou por ali, mas suas experiências foram bem diferentes das nossas. Ninguém esperava por ele. No máximo havia algum grupo de pessoas que haviam jurado matá-lo: “Quando ele aparecer por aqui, a primeira coisa que vamos fazer é açoitá-lo para valer!”. Ninguém preparava um jantar saboroso para esperar por Paulo. Em 2 Coríntios 11.23-27 ele desfila o catálogo das dificuldades que costumava enfrentar: “Eu ainda mais: em trabalhos, muito mais; muito mais em prisões; em açoites, sem medida; em perigos de morte, muitas vezes. Cinco vezes recebi dos judeus uma quarentena de açoites menos um; fui três vezes fustigado com varas; uma vez, apedrejado; em naufrágio, três vezes; uma noite e um dia passei na voragem do mar; em jornadas, muitas vezes; em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos entre patrícios, em perigos entre gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre falsos irmãos; em trabalhos e fadigas, em vigílias, muitas vezes; em fome e sede, em jejuns, muitas vezes; em frio e nudez”.
Ele compartilhou com os cristãos de Filipos: “...aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. Tanto sei ser humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece” (Fp 4.11-13). E já que Cristo estava em primeiro lugar na sua vida, ele tinha condições de suportar tudo o que a pregação do Evangelho trazia consigo. Deveríamos parar e analisar o que significa a seguinte declaração: “como desconhecidos e, entretanto, bem conhecidos; como se estivéssemos morrendo e, contudo, eis que vivemos; como castigados, porém não mortos; entristecidos, porém sempre alegres; pobres, mas enriquecendo a muitos; nada tendo, mas possuindo tudo” (2 Co 6.9-10). Muitas coisas entristeciam a Paulo, mas em Cristo ele era feliz – apesar de tudo. Seus bolsos estavam vazios e muitas vezes ele não tinha o que comer. Dependia de que alguém lhe desse um pedaço de pão, mas assim mesmo esse homem tinha tudo, que é a vida eterna, que ele compartilhava com quem quer que fosse, e por ela ansiasse. Através de sua mensagem, cada ouvinte poderia tornar-se imensuravelmente rico.
Essa última verdade também se aplica a nós, cristãos de hoje. Como Paulo, também possuímos um grande tesouro. Somos imensamente ricos por podermos transmitir a outros a palavra da vida eterna, tornando ricos os nossos ouvintes.

9. Tudo voltado para a salvação

Cada pessoa desenvolve seu próprio conceito de vida. Às vezes, esse conceito precisa ser corrigido e revisado aqui e ali, mas geralmente o alvo supremo, uma vez estabelecido, norteia toda uma vida. Isso nos permite falar de um “programa de vida” que rege a nossa existência. Paulo programou sua vida única e exclusivamente para salvar outras pessoas: “Porque, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos, a fim de ganhar o maior número possível” (1 Co 9.19). Ganhar o maior número possível de pessoas para Cristo, essa era a estratégia de vida de Paulo. Para ele, nada mais tinha prioridade.

“Porque, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos, a fim de ganhar o maior número possível” (1 Co 9.19). Ganhar o maior número possível de pessoas para Cristo, essa era a estratégia de vida de Paulo. Para ele, nada mais tinha prioridade.
Justamente isso os crentes podem aprender com Paulo. Cada um deve se perguntar: “Até que ponto minha vida é orientada para a suprema missão de ganhar almas? Também tenho como único alvo de vida ganhar o maior número de pessoas para Jesus?”. Quanta coisa poderia ser alcançada se os cristãos pensassem intensamente em ganhar almas, planejando e imaginando como fazer isso lado a lado com seus afazeres diários!

10. Morrer por um só Nome

Os faraós egípcios construíam enormes pirâmides para serem sepultados quando morressem. Os reis micenos tinham ricos objetos de ouro em seus sepulcros. Os gregos mandavam colocar esculturas e bustos em mármore e bronze junto de seus corpos. Paulo não queria nada disso quando morresse. Não precisava de máscaras mortuárias de ouro, não precisava de um monumento, de um mausoléu ou de um enorme tapete de flores, como aquele que se viu estendido na rua quando morreu a princesa britânica Diana, avaliado em centenas de milhões de reais. Tudo o que Paulo precisava para morrer era uma pessoa, um nome:Jesus. Nesse Nome ele viveu e nesse Nome ele morreu: “Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. Quer, pois, vivamos ou morramos, somos do Senhor” (Rm 14.8).
Paulo resumiu seu alvo de vida: “para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro... tendo o desejo de partir e estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor” (Fp 1.21,23).Agora, depois de ter viajado tanto, depois de ter trabalhado e ganho muitas pessoas para o Reino de Deus, mas depois de ter sofrido e suportado muita coisa, um anseio se apossou de Paulo: “Tenho desejo de estar com Cristo”, ou seja, ele ansiava por ver a Jesus novamente. Montado em seu cavalo, ele tinha visto a Cristo, mas agora ele queria ver o Senhor face a face continuamente e desejava estar com Ele eternamente. “Para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro”. Ao morrer, Paulo recebeu toda a eternidade para estar com seu Senhor.
A Timóteo ele escreveu de dentro da prisão: “Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Já agora a coroa da justiça me está guardada...” (2 Tm 4.7-8). Toda a luta valera a pena. A coroa, porém, não será recebida apenas por Paulo, mas por todos aqueles que amam ao Senhor Jesus.
Tudo isso nos anima a focar nossa vida em Jesus, a alinhar com Ele como nossa bússola e a segui-lO como Paulo seguiu. Então teremos ganho o que existe de mais sublime e superlativo, o que de melhor se pode ganhar na vida. Quando vier a hora de morrer, cada um de nós poderá se entregar nas mãos de Jesus Cristo com a mesma certeza de Paulo: estaremos para sempre com Ele. Mas até lá continuaremos seguros como Paulo estava quando disse: “Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm 8.38-39). 
Por: (Werner Gitt — Fonte: Chamada.com.br)

0 comentários:

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲