27/10/2016

Amor ou vício? Quando o amor e carência excessivos não passam de dependência emocional

Abrir mão da própria vida para satisfazer e não contrariar o parceiro é uma prova de amor? Veja quando aquilo que pensamos ser amor, nada mais é do que um vício.
  • Toda forma de vício – vício em comida, álcool, drogas, cigarro, entre outros – traz prejuízos para o organismo e, de uma forma ou de outra, para a mente. Mas há um vício esmagador para a autoestima, a dependência emocional.
    Sobre esse vício, o psicólogo Marcos Bersam diz: "A dependência emocional é o pior dos vícios; escraviza patrocinada pelo amor, impede o crescimento e, por último, mata a pessoa ainda em vida, transforma o indivíduo em uma sombra existencial e sequestra a subjetividade característica do indivíduo."
    Veja alguns sinais de que não se trata de verdadeiro amor, mas de dependência emocional:
  • Baixa autoestima

    A pessoa acha que não é boa o bastante, que não merece nada de mais, por isso acaba se contentando com qualquer tipo de relacionamento.
  • Carência excessiva

    Ela precisa de alguém ao seu lado para se sentir bem e feliz. Não encontra felicidade e segurança enquanto não tiver alguém ao seu lado.
  • Medo constante de ficar sozinha

    Tende a se sentir perdida, aterrorizada pela possibilidade de permanecer sozinha.
  • Receio de discordar

    Ela evita bater de frente com o parceiro, evita posicionar-se contra seu ponto de vista ou questionar suas decisões por medo de perder sua aprovação e por medo de que surjam conflitos que podem acabar destruindo seu relacionamento.
  • Perda da identidade e submissão

    A necessidade de agradar é tanta, que ela se anula para satisfazer a vontade do outro, apaga-se na relação.
  • Dificuldade para tomar decisões

    Ela não toma decisões sem ter o aval do parceiro. Precisa de alguém que assuma responsabilidades importantes que ela mesma deveria assumir.
  • Falta de autoconfiança

    Ela tem dificuldade para iniciar um novo projeto sozinha por se considerar totalmente incapaz.
  • Tendência de permanecer em relacionamentos abusivos

    Ainda que, inicialmente, o parceiro não tenha deixado sua tendência a práticas abusivas transparecer, é bem provável que ela permaneça no relacionamento quando os abusos começarem.
  • Tendência de se envolver com pessoas problemáticas

    Pela necessidade de se sentir valorizada e útil (ao lado de alguém que precise dela de alguma forma), é comum que ela se envolva com pessoas viciadas, ou com problemas comportamentais ou psicológicos. E quando o relacionamento acaba, o ciclo continua, pois ela possivelmente voltará a se relacionar com um parceiro problemático.
    No entanto, está nas mãos dela a decisão de interromper o ciclo e mudar sua forma de se relacionar. Ela só precisa reconhecer que não é natural esse tipo de comportamento em uma relação. Aliás, é uma forma doentia de se relacionar. Se ela acordar para essa realidade e buscar ajuda, é possível mudar de vida e descobrir o que realmente significa amar alguém. A dependência emocional ou afetiva pode ter raízes profundas, como traumas e conflitos, que podem ser descobertos e tratados através da psicoterapia.
    Para uma pessoa conseguir se relacionar sadiamente com alguém, ela precisa, primeiramente, amar-se e aceitar-se. Só assim conseguirá amar o outro verdadeiramente. Se ela não consegue se amar, dificilmente conseguirá amar quem quer que seja da maneira como deve ser. Talvez por isso Jesus Cristo tenha determinado: "Amarás o teu próximo como a ti mesmo." (Marcos 12:31)
  • Por Erika Strassburger
Author Image

Anselmo Melo
Anselmo Melo, Carioca, casado e pai de três filhos (herança do Senhor). Pastor Evangélico e empresário. Moro atualmente no Estado de São Paulo onde pastoreio a Igreja de Nova Vida em Limeira. Sou fundador e presidente da Associação Projeto Resgate Vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante,
Você pode elogiar ou criticar, observe apenas:

1-Não publicamos criticas de ANÔNIMOS e nem comentários que não estejam relacionados com o assunto.

2-Baixarias e palavrões também não.

3-Nem todas as publicações são de minha autoria e o fato de estarem aqui não implica necessariamente em que eu concorde com todo o teor do post.

4- Quer ser respeitado? Mostre respeito!

Autor


Anselmo Melo, Carioca, casado e pai de três filhos (herança do Senhor). Pastor Evangélico e empresário. Presidente do COPEL, Conselho de Pastores Evangélicos de Limeira. Moro atualmente no Estado de São Paulo onde pastoreio a Igreja de Nova Vida em Limeira. Fundador e Presidente da Associação Projeto Resgate Vida.
Saiba mais →

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *