16/07/2015

Ativistas pedem fim da isenção tributária para igrejas que não realizarem casamentos de gays

Ativistas gays iniciaram um protesto pedindo o fim da isenção tributária para igrejas que se recusam a celebrar casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Quem discorda da iniciativa argumenta que essa sugestão vai no sentido contrário da separação entre Igreja e Estado.
A decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos em legalizar o casamento gay em todo o país motivou o editor da revista Fusion a pregar o fim da isenção tributária das igrejas que se recusam a aceitar as uniões homossexuais.
“Agora que o governo dos EUA reconhece formalmente a igualdade no casamento como um direito fundamental, ele realmente não deve distorcer o código fiscal de modo a dar milhões de dólares em incentivos fiscais para os grupos que permanecem firmemente intolerantes sobre o assunto”, escreveu Felix Salmon. “A sua igreja ignora o casamento entre homossexuais? Em seguida, ela deve começar a pagar impostos”, acrescentou.

Como argumento, Salmon usou o exemplo da revogação da isenção fiscal da Universidade Bob Jones por causa de sua postura a respeito de casais inter-raciais. “O mesmo argumento pode e deve ser aplicada ao casamento gay”, afirmou. “Se a sua organização não suportar o direito de homens e mulheres para casar gays, então o governo deve ser muito claro ao dizer que você está errado. E certamente não deve dar-lhe o privilégio de isenção fiscal”, afirmou.
Salmon acrescentou ainda que, apesar de entender o conceito da liberdade religiosa, ele não acredita que as igrejas devem ser “recompensadas” com isenção fiscal se suas crenças são contrárias às decisões da Suprema Corte: “Quando essas opiniões são fanáticas e dolorosas, elas entram em conflito com os pontos de vista de qualquer legislador honroso que acredita na liberdade e igualdade. E nesse ponto, faz todo o sentido para os nossos representantes eleitos registrar sua desaprovação ao abolir a isenção de impostos para as organizações que se agarram a visões tacanhas e anacrônicas”, opinou.
Aaron Goldstein, um articulista da American Spectator, discorda dessa visão e afirmou que, embora pessoalmente ele apoie a decisão favorável ao casamento gay, ele não acredita que o governo tem o direito de se intrometer nas crenças da Igreja e observou que a decisão de taxar a Universidade Bob Jones foi aplicada apenas para as escolas.
“Contrariamente às alegações de Salmon que o governo deve ser muito claro em dizer igrejas que estão na erradas por não apoiar o casamento do mesmo sexo, não há absolutamente nenhum interesse governamental, onde se trata dos assuntos de igrejas ou instituições puramente religiosas. Simplesmente, o governo não tem nenhum negócio dizendo a igrejas e instituições puramente religiosas que elas estão erradas sobre a oposição ao casamento gay ou qualquer outro assunto”, observou Goldstein.
Ele foi além ao dizer que a laicidade do Estado estaria em risco se essa ideia fosse levada adiante, pois faria o governo interferir nas crenças e lucrar com as religiões: “O governo federal deve deixar igrejas, sinagogas, mesquitas e outras assembleias religiosas sozinhas neste assunto. Se eles não entenderem que devem interferir, então o próprio conceito de separação entre Igreja e Estado terá perdido todo o significado. Seria acabar com a separação entre Igreja e Estado como nós a conhecemos”, concluiu.
Fonte Gospel Mais
Author Image

Anselmo Melo
Anselmo Melo, Carioca, casado e pai de três filhos (herança do Senhor). Pastor Evangélico e empresário. Moro atualmente no Estado de São Paulo onde pastoreio a Igreja de Nova Vida em Limeira. Sou fundador e presidente da Associação Projeto Resgate Vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante,
Você pode elogiar ou criticar, observe apenas:

1-Não publicamos criticas de ANÔNIMOS e nem comentários que não estejam relacionados com o assunto.

2-Baixarias e palavrões também não.

3-Nem todas as publicações são de minha autoria e o fato de estarem aqui não implica necessariamente em que eu concorde com todo o teor do post.

4- Quer ser respeitado? Mostre respeito!