Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sete marcas de um pecado PROFUNDAMENTE mortal

Nem todo pecado significa a mesma coisa. Apesar de todo pecado te colocar sob a ira de Deus, e enquanto qualquer pecado é suficiente para criar um eterno abismo entre Deus e o homem, nem todo pecado é idêntico. No capítulo 9 do seu livro Overcoming Sin and Temptation [Vencendo a Tentação e o Pecado], John Owen quer que você pense sobre aquele pecado presente em sua vida, para analisar se é um pecado “ordinário”, ou se é um daqueles que são particularmente mortais e que, portanto, requerem algo mais do que o padrão comum de mortificação. A letalidade de um pecado não está tão relacionada à categoria desse pecado, mas a quão profundamente enraizado ele está em sua vida, e a como você tem respondido a Deus à medida que Ele tem revelado-o para você.

Aqui estão sete marcas de um pecado profundamente mortal:

1. Seu pecado é profundamente enraizado e habitual. Talvez haja alguns pecados que estão na sua vida por tanto tempo e com tanta incidência que você nem o acha mais chocante ou particularmente incômodo. Sua mente e consciência se endureceram para esse pecado e agora ele está profundamente entranhado em seus pensamentos e hábitos. Você, meu amigo, está em um lugar perigoso quando você se torna indiferente em relação a esse pecado. “A não ser que algum curso de ação extraordinário seja tomado, tal pessoa não tem base para esperar que o seu fim tardio seja pacífico”.

2. Você proclama a aprovação de Deus, mas sem combater o pecado. Você sabe que um determinado pecado é prevalente em sua vida, e mesmo assim você continua dizendo que é aceito em Cristo. Mesmo que Deus tenha revelado aquele pecado à você, e mesmo que você não tenha feito nenhum esforço real para mortificá-lo, você continua proclamando a graça de Deus em relação a você e você continua se confortando na paz do evangelho. Owen deseja que você saiba que não se pode pregar a paz de Deus para você mesmo enquanto abraça aquele grande pecado. O evangelho não oferece conforto àqueles que dançam lentamente com seu pecado favorito.

3. Você aplica a graça e a misericórdia àqueles pecados que você não planeja mortificar. Você não pode afirmar que o evangelho cobriu o seu pecado se você não planeja lutar contra ele. “Aplicar a misericórdia a um pecado que não é vigorosamente mortificado é fazer prevalecer os desejos da carne em sobreposição ao evangelho”. Algumas vezes o coração deseja paz com Deus, mas ao mesmo tempo deseja a satisfação naquele pecado. Nesses casos, você pode até rapidamente olhar para o evangelho para aliviar sua consciência, mesmo que não tenha nenhuma intenção de parar de pecar. No entanto, o evangelho não nos permite a aplicar a misericórdia e graça de Deus a um pecado que você ama e ao qual pretende se prender.

4. O pecado é frequentemente bem sucedido em seduzir os seus desejos. Há momentos em que seu coração se deleita em um pecado, mesmo que, na verdade, você não cometa esse pecado externamente. Se um pecado começa a ser seu deleite e começa a ocupar uma posição importante em sua alma, é um perigoso sinal de que esse é um pecado particularmente mortal. Isso é verdade até mesmo se você não comete aquele pecado. Se seu deleite é no pecado, não em Deus, sua alma está sendo levada para longe do seu Salvador.

5. Você debate contra o pecado apenas por temor de receber a punição. Esse é um sinal de que o pecado apoderou-se significativamente da sua vontade, quando você debate contra o pecado ou não comete esse pecado apenas por temer a punição. Nesse caso, seu deleite não é fazer a vontade de Deus, mas você apenas teme as consequências da sua desobediência. Um verdadeiro cristão combate o pecado como um desejo de agradar a Deus e de encontrar deleite em nEle.

6. Você percebe que Deus está permitindo um pecado na sua vida apenas para alertá-lo de outro pecado. Há vezes em que Deus permite que você lute contra um pecado para expô-lo a um pecado mais profundo. “Um novo pecado deve ter sido permitido, bem como uma nova aflição enviada, para trazer um velho pecado à memória”. Nesse caso, Deus está exercendo sua disciplina paternal. Se Deus está te disciplinando por meio de permitir outro pecado ou trazendo a você algum tipo de aflição, Ele está mandando uma mensagem sobre a dureza do seu coração e a profundidade do seu pecado. Considere o aviso!

7. Você endureceu seu coração contra Deus enquanto Ele estava expondo seu pecado a você. Deus graciosamente revela seu pecado por meio de Sua Palavra, por meio da consciência, por meio de outros cristãos e por vários outros meios. Quando Ele revela o seu pecado, Ele também o instiga a agir contra esse pecado. Se você continuamente rejeita a ajuda dele e endurece seu coração em relação a esse pecado, você está em um estado muito, muito perigoso. “Indescritíveis são os males aos quais o coração nesse estado está sujeito. Cada aviso em particular para um homem em tal estado é inestimável misericórdia; como então ele despreza o Deus que o confronta com esses avisos? E que paciência infinita é essa de Deus, tal que não expulsa esse alguém e não jura em sua ira que ele nunca entrará em Seu descanso!”

Cristão, analise seu pecado, e lute fortemente contra ele. É a graça de Deus que revela seu pecado, e é a Graça de Deus que te fornece tudo que você precisa para mortificar o seu pecado.

Traduzido por Fernanda Vilela  - Traduzido por Fernanda Vilela  Fonte: Reforma 21

0 comentários:

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲