Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Conheça o colombiano de olhos tatuados que é o DJ mais "demoníaco" do mundo

Com 42 anos, 11 dos quais passou modificando seu corpo, o colombiano Caim Mortis é uma figura que chama bastante atenção por onde passa. Conhecido como o “Homem Diabo da Colômbia”, ele pode parecer como alguém que acabou de sair de uma sessão pesada de maquiagem para algum filme de terror, mas é realmente o seu rosto que foi coberto de tatuagens, piercings e diversas intervenções cirúrgicas.

Caim precisou abandonar o local onde morava após ser rejeitado pela própria família – habitantes da capital Bogotá e católicos fervorosos –, e acabou se mudando para o México, onde diz que “as pessoas são mais receptivas”. Porém, para muitos, é preciso ser mais do que receptivo para não se assustar com a aparência do colombiano em um primeiro encontro. Não é por menos, afinal, ele tem modificações nas narinas, implantes de silicone simulando chifres e os globos oculares completamente tatuados de preto.
“Quando as pessoas me veem, a reação padrão é ficarem chocadas ou maravilhadas. ‘Isso machuca?’ ou ‘quem fez isso com você?’ são as primeiras coisas que me perguntam”, revela Caim. Ele explica, ainda, que o objetivo para realizar tantas modificações corporais é se tornar “único e diferente” em relação às outras pessoas, e conta que a cultura de fazer experimentos com o próprio corpo vem de longa data.

Aproveitando-se de sua aparência chamativa, o homem trabalhava como tatuador e fazia pinturas corporais, mas decidiu seguir um novo rumo e começar uma carreira de DJ. Com a proximidade do Dia das Bruxas, Caim saiu em um tour com Gisella, que também é DJ e faz o papel “angelical” das apresentações, contrastando com o aspecto demoníaco do colombiano. “Estou empolgado por trazer esse conceito e tema únicos, e as pessoas definitivamente vão curtir nosso show”, conta o excêntrico profissional.
Fonte(s)

    Daily Mail

Imagens

    Facebook/Caim Mortiis

0 comentários:

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲