Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

10 princípios para guiar sua oferta

No Antigo Testamento, ensinar o povo sobre ofertas financeiras à obra do Senhor era algo simples – havia ordens expressas ditando quando e quanto ofertar, e todos os fundos eram destinados à manutenção do templo e o sustento dos levitas. Porém, aquele sistema se foi juntamente com o véu do templo e, em seu lugar, surgiu uma igreja que é suportada pela generosa e sacrificial oferta dos membros.
O que significa que é uma parte básica do culto dar dízimos e ofertas à igreja que você frequenta. Isso é evidente em Atos, onde o culto corporativo tinha a oferta como um dos atributos centrais, e isso é confirmado em todas as epístolas também. Assim, ofertar é uma prática básica de piedade e o Novo Testamento ensina princípios fundamentais que deveriam guiar o modo como ofertamos. Aqui estão dez desses princípios:
1. Tudo que você tem pertence a Deus (Salmo 24.1): A sua visão acerca de suas finanças é baseada na sua visão da sua própria posição em Cristo, ou seja, cristãos são servos (Mateus 18.21-35, Marcos 10.43-45, Lucas 12.43, João 13.16, etc). Nós éramos escravos do pecado, mas fomos comprados por Jesus, e então adquiridos pelo Espírito Santo. Nós, juntamente com todas as coisas que temos, pertencemos a Deus. Somos Seus servos, e tudo o que temos é dEle. Portanto, quando você oferta a uma igreja ou a uma organização, você não está “devolvendo a Deus”. Tudo que você tem já é dEle!

2. Deus está usando suas posses para o avanço do evangelho (Lucas 16.1-12): Enquanto somos servos de Jesus, nosso senhor não está ocioso. Ao invés disso, ele está usando seus servos para duas coisas primárias: edificar sua igreja, e evangelizar os perdidos. Nós deveríamos enxergar todos os nossos recursos sob essa perspectiva.
3. Nesse sentido, nós somos mordomos dos recursos do nosso mestre. Não somos escravos anônimos à mercê dos planos de nosso mestre; somos, sim, todos administradores a quem muito foi dado (Lucas 12.48; 1 Coríntios 4.1-2, 9.17; 1 Pedro 4.10). Temos liberdade limitada (limitada pelas proibições expressas na escritura – em outras palavras, não devemos pecar com o nosso dinheiro),  e podemos usar nossa liberdade para investir os recursos do nosso mestre da maneira que vemos que será apropriada. Mas sabemos que o dinheiro que gastamos não é realmente nosso, e está chegando o dia em que seremos chamados para prestar contas de como o gastamos. Lembre-se, o que temos é de Deus, e eles está trabalhando por meio de nós e de como usamos os recursos.
4. Portanto, nossa oferta deve ser vista como investimento (Lucas 16.1-12, Romanos 14.10, 2 Coríntios 5.10). Sabendo que seremos chamados para prestar contas de como gastamos nosso dinheiro, nós deveríamos ofertar aos ministérios que mostram um retorno a esse investimento. Não deveríamos financiar ministérios com missões vagas e resultados nebulosos. Ao invés disso, deveríamos usar nosso dinheiro para fazermos amigos no céu por meio do avanço do evangelho na Terra.
5. Nossa prioridade deve ser ofertar para nossa igreja local. Deus está avançando Seu evangelho por meio do trabalho de igrejas locais. Cristãos são chamados para fazer parte de congregações, para usar seus dons nessas congregações, e para ministrar um para o outro na igreja local. Com isso em mente, a prioridade ministerial de um crente é na (e por meio da) sua igreja local.
6. Ofertar à igreja financia o trabalho da igreja. Pastores, especialmente aqueles que pregam e ensinam, devem ser pagos pela congregação pelo seu ministério (1 Timóteo 5.17-18). Além do mais, as necessidades dos que são mais pobres na comunidade (a comunidade da igreja! – 1 Timóteo 5.3-16) são supridas pelas ofertas da igreja. Nesse sentido, a congregação compartilha com a igreja na pregação da palavra e no ministério àqueles em necessidade.
7. Ofertar à igreja é o modelo bíblico para o ministério de misericórdia e para missões. As viagens missionárias de Paulo foram bancadas por indivíduos por meio de suas igrejas (1 Coríntios 9.6-11, Filipenses 4.16). De fato, Paulo diz que nunca foi financiado por nenhum indivíduo (2 Coríntios 11.9). O mesmo é verdade para ministérios de misericórdia. Paulo exorta as igrejas a ofertarem no primeiro dia da semana (Domingo) com o propósito de doação aos pobres em outras igrejas (1 Coríntios 16.2-3, 2 Coríntios 9.5). Como um comentário complementar, muitas igrejas abdicam de suas responsabilidades para com as missões, o que, é claro, leva os cristãos a começarem a financiar todos os tipos de missionários diretamente – assim, há proliferação das redes de ministério de misericórdia e de missionários que estão fazendo todo o tipo de coisa, exceto estar sob a autoridade de uma igreja local).
8. Ofertar é parte do culto corporativo semanal da igreja. Desde a primeira semana de sua existência, a igreja de Atos se reuniu para o culto orando, cantando, estudando as escrituras, cumprindo as ordenanças e ofertando (Atos 2.45, 4.32, 5.2). Isso nos ajuda a entender como Paulo via os princípios de 1 Coríntios 9 e 1 Timóteo 5 sendo aplicados. Em ambas passagens, Paulo argumenta sobre quanto e como a igreja deve suportar os pobres que são membros fiéis da congregação, e como a igreja deve suportar financeiramente os pastores. Mas como? Ele não indica de quem as ofertas devem ser recolhidas ou de onde os recursos provém. Mas o livro de Atos descreve a oferta semanal da igreja, e isso explica o mandamento de 1 Coríntios 16.2-3 de que as ofertas devem ser recolhidas toda semana quando a igreja se reúne.
9. A oferta precisa ser sacrificial e generosa. Se uma pessoa está apaixonada pelo dinheiro, está arriscando causar danos à sua alma (1 Timóteo 3.3, 6.10). Uma pessoa não pode servir Deus e o dinheiro (Mateus 6.24, Lucas 16.13). Se uma pessoa pensa que dinheiro pode comprar felicidade, então essa pessoa não entende o que é dinheiro nem o que é felicidade e, certamente, não entende o que é o evangelho. Então, ser egoísta em relação ao seu dinheiro mostra que você não se enxerga como um servo ou um mordomo, e você inflama a ira de Deus sobre você (Mateus 18.22-35).  Assim, uma marca simples da fé cristã é a generosidade acerca do seu dinheiro em direção à igreja. Esse é o motivo de Deus amar aquele que oferta com alegria, sacrifício e generosidade (2 Coríntios 9.7).
10. Ofertar à igreja deveria ser seu melhor investimento. Se você entendeu os princípios 1-9, então espero que você esteja num patamar a ponto de ver a si mesmo como um administrador das possessões de Deus, e que você queira usar essas possessões para o avanço do evangelho por meio de evangelismo, missões, ajuda aos necessitados e pregação da Palavra. Você entende que a maneira como você usa seu dinheiro nessa vida será julgada por Deus, e você deseja acumular tesouros no céu mais do que na terra. Você sabe que a melhor maneira de fazer isso é por meio de apoiar financeiramente a pregação do evangelho e as missões. Então, o que falta agora?
Bem, a sua igreja deve ser seu melhor investimento. A igreja não apenas é o lugar ao qual Deus te chamou para ofertar apenas por uma questão de princípios, mas muitos mais que isso, sua igreja deveria cumprir seus afazeres melhor e mais eficientemente do que qualquer outro lugar. Sua igreja deveria estar vendo cada real gasto como um investimento das pessoas que ofertaram, e eles deveriam estar usando os fundos para o avanço do evangelho pelo mundo, bem como para encher o púlpito com ensinamento sólido. Nesse sentido, ofertar à sua igreja é a maneira mais simples e mais eficiente de ser um administrador do dinheiro. Você não pode gastar tempo pesquisando sobre cada missionário ou sobre cada agência missionária que pede dinheiro – mas os oficiais de sua igreja podem. Você não pode sair pelo mundo pregando o evangelho – mas seus oficiais podem pegar o seu dinheiro e enviar àqueles que irão. Você não pode passar a semana toda preparando o sermão para o domingo porque você já tem seu trabalho para realizar – mas seus oficiais podem pegar o seu dinheiro e usá-lo para pagar alguém que possa. E se sua igreja não está usando o dinheiro de forma sábia (e com sábia eu quero dizer investir o seu dinheiro em coisas que tragam recompensa eterna), então é provavelmente a hora de encontrar uma igreja que entenda esse chamado. Se você não pode confiar suas finanças a eles, você, certamente, não deveria confiar sua alma.
Ofertar no Novo Testamento era para ser, obviamente, algo sistemático (por meio da igreja) e sacrificial. E quando é ambos, isso te prepara bem para o julgamento de Cristo, onde você será recompensado pela maneira como usou seu dinheiro nesta vida (2 Coríntios 5.10, Lucas 19.12-26).
Por Jesse Johnson - Traduzido por Fernanda Vilela | iPródigo.com | Original aqui
Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

2 comentários:

Pb Fernando disse...

Pastor Anselmo, a paz do Senhor Jesus!!!

Excelente postagem meu amigo! Concordo plenamente com tudo o que foi exposto no texto, parabéns!!

Pr. Anselmo Melo disse...

A paz meu irmão Pb Fernando.
Apesar de tantas polemicas em torno do assunto ele de fato é simples e de fácil aceitação por aqueles que compreendem os princípios bíblicos envolvidos nessa questão.

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲