Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

O Purgatório Existe? [Parte 2 de 3]

Neste artigo examinaremos o falso ensino do Purgatório sob dois aspectos diferentes: as últimas palavras de Jesus na cruz e várias Escrituras que falam sobre como Deus perdoa os pecados.
Quando Jesus Cristo estava pregado na cruz, preparando seu espírito para deixar seu corpo, estabelecendo assim sua Aliança, proferiu uma frase que deve refutar definitivamente o ensino sobre a existência do Purgatório. No artigo anterior, "O Purgatório Existe?"Parte 1 de 3, examinamos a razão porque os teólogos católicos insistem na existência de um lugar chamado Purgatório. Vamos examinar essa razão no início desta discussão.
"Todos que morrem na graça e comunhão com Deus, mas ainda imperfeitamente purificados, têm a garantia da salvação eterna; mas após a morte passam por uma purificação, de forma a obter a santidade necessária para entrar no gozo dos céus. A Igreja dá o nome de Purgatório a essa purificação final..." [Catecismo pág. 268, parágrafo #1030, 1031].
Assim, vemos que o catolicismo romano ensina que a morte de Jesus na cruz assegura salvação eterna às pessoas, mas não purifica perfeitamente suas almas para que possam entrar no céu imediatamente. Em outras palavras, as pessoas ainda têm uma carga de pecados que precisa ser purificada por meio do fogo do Purgatório. Os fiéis católicos romanos precisam continuar a trabalhar para alcançar a santificação!
Entretanto, Jesus nos disse de forma bem clara que esse ensino é tão falso quanto uma nota de 3 reais. Onde e quando Jesus nos disse que seu sangue pagou a dívida total acarretada pelos nossos pecados? Na cruz, pouco antes de entregar o espírito e morrer! Na verdade, são as últimas palavras que Jesus proferiu disse antes de morrer. Como a lei secular dá grande importância às últimas palavras e ao testamento de uma pessoa, precisamos também dar uma grande ênfase às últimas palavras de Jesus na cruz. Veja como ele disse que o sacrifício do seu sangue derramado pagou a dívida total do pecado:
"E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: 'Está consumado'. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito." [João 19:30].
Jesus disse: "Está consumado", imediatamente antes de entregar o espírito e morrer fisicamente. Essa frase "Está consumado", quando plenamente compreendida, deve convencê-lo que o Purgatório não pode existir, pois o significado mostra que o sacrifício de Jesus na cruz pagou toda a dívida do pecado!
Quando Jesus disse a palavra "consumado", o texto bíblico usa uma palavra grega que era utilizada nas transações comerciais e significava "a dívida está quitada"!!!
No antigo Império Romano, quando uma pessoa quitava uma dívida, a palavra Tetelestai era carimbada no documento, declarando que a dívida estava quitada, nada mais havendo a reclamar! Portanto, quando Jesus disse "Está consumado", usou a palavra comercial que declarava a todos, para sempre, que pagou totalmente a dívida do pecado! Essa palavra, "Tetelestai", está indelevelmente carimbada na conta de todo aquele que aceita o sacrifício de Jesus Cristo, e nasce de novo. Como não existe "resíduo do pecado" que precisa ser purificado, não há nenhuma razão para a existência do Purgatório! O sacrifício de Jesus na cruz pagou totalmente a dívida do pecado!
Vemos essa verdade em outras passagens das Escrituras.
"Porque com uma só oblação aperfeiçoou para sempre os que são santificados." [Hebreus 10:14].
Observe a palavra "aperfeiçoou" aqui. O sacrifício de Jesus foi uma oferta a Deus que "aperfeiçoa" aqueles que aceitam o sacrifício. Esse verso sozinho já deve convencê-lo que o ensino católico romano que o pecado não pode ser expiado exceto pelo "fogo purificador" do Purgatório, é totalmente falso e sem qualquer fundamento bíblico. Quando você entender isso, verá também que as penitências e as indulgências são totalmente desnecessárias.
"Quem é Deus semelhante a ti, que perdoa a iniqüidade, e que passa por cima da rebelião do restante da sua herança? Ele não retém a sua ira para sempre, porque tem prazer na sua benignidade. Tornará a apiedar-se de nós; sujeitará as nossas iniqüidades; e tu lançarás todos os seus pecados nas profundezas do mar." [Miquéias 7:18-19].


Observe que Deus promete lançar todos os nossos pecados nas profundezas do mar, onde eles nunca mais serão vistos. Ele não os lança nas águas rasas próximas à praia, de onde poderiam vir à superfície novamente, mas lança-os nas águas profundas do alto mar, onde nunca mais serão vistos ou lembrados.
"Assim como está longe o oriente do ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões. Assim como um pai se compadecee de seus filhos, assim o SENHOR se compadece daqueles que o temem." [Salmos 103:12-13].
Esta é outra promessa preciosa que Deus removerá todos os nossos pecados para sempre. Observe também que quando uma pessoa atende as condições de Deus e recebe o perdão dos pecados, Deus será tão compassivo com ela quanto um pai humano é para seus filhos. O catolicismo romano apresenta Deus como uma deidade irada e vingativa, de quem todos precisam se esconder, daí a necessidade da intercessão da Virgem Maria! Jesus Cristo também é apresentado como uma deidade vingadora.
"Vinde então, e argüi-me, diz o SENHOR; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã." [Isaías 1:18].
Que promessa mais maravilhosa podemos desejar? Quando atendemos as condições de Deus para o perdão dos pecados [que agora é por meio de Jesus Cristo], a mancha do pecado é lavada e ficamos mais alvos que a neve. Você vê qualquer "resíduo" de pecado que precise de purificação no fogo do Purgatório? Eu não vejo, e Deus também não vê.
"Eis que foi para a minha paz que tive grande amargura, mas a ti agradou livrar a minha alma da cova da corrupção; porque lançaste para trás das tuas costas todos os meus pecados." [Isaías 38:17].
Quão preciosas são essas promessas ao meu coração! Quando nossos pecados são perdoados por meio do sangue que Jesus Cristo derramou, Deus lança para trás de suas costas todosos nossos pecados. Quando Deus perdoa o pecado, decide esquecer que pecamos! Esse esquecimento proposital de Deus chama-se "justificação", pois "justifica-nos diante de Deus", colocando-nos em uma posição de aceitação diante dele. Também significa que, quando Deus nos justifica, é como se nunca tivéssemos pecado.
Você vê alguma punição para o pecado aqui que não possa ser expiada por qualquer outro modo a não ser pelo fogo do Purgatório? Eu não vejo, e você também não deve ver, pois o Purgatório não existe e nem pecado que não possa ser expiado pelo sacrifício de Jesus Cristo na cruz. Não existe "resíduo" de pecado que requeira que façamos penitências nesta vida e precisemos passar um período no Purgatório após a morte.
No próximo artigo, examinaremos a base para o falso ensino do Purgatório e depois veremos qual é a origem dessa doutrina, já que não podemos encontrá-la nas Escrituras. Amigo, nós o exortamos a considerar todas as evidências que o catolicismo romano é uma forma falsa de cristianismo e não merece que você lhe dedique sua preciosa alma eterna.
Que Deus o abençoe ricamente.
Fonte: Espada do Espírito

1 comentários:

comprar seguidores instagram disse...

Parabéns pelo o blog, adorei... muito bom mesmo!

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲