Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

O Purgatório Existe? [Parte 1 de 3]

A palavra "purgatório" é definida no Novo Dicionário Aurélio como "Lugar de purificação para as almas dos justos antes de admitidas na bem-aventurança; qualquer lugar onde se sofre por algum tempo." O que a Igreja Católica quer dizer quando usa a palavra "Purgatório"? Como o ensino dessa doutrina por Roma afeta a compreensão da Bíblia? Diante dessas questões, vamos considerar O Que Diz Roma: "Todos que morrem na graça e comunhão com Deus, mas ainda imperfeitamente purificados, têm a garantia da salvação eterna; mas após a morte passam por uma purificação, de forma a obter a santidade necessária para entrar no gozo dos céus. A Igreja dá o nome de Purgatório a essa purificação final..." [Catecismo pág. 268, parágrafo #1030, 1031]. A crença geral é que existem poucos católicos que não precisarão passar algum tempo em um lugar chamado Purgatório. O Purgatório é basicamente um estado intermediário em que um indivíduo precisa ser "purificado" dos pecados que não foram resolvidos durante sua peregrinação na Terra. Não é um lugar agradável. O Catecismo de Baltimore na página 85, pergunta 173, descreve o Purgatório como um lugar de "sofrimento". A crença é que o Purgatório é um local temporário. Isto é, quem for ao Purgatório, depois de certo tempo, será recebido nos céus, mas precisará pagar por alguns de seus pecados. Na teologia católica romana, a maioria das pessoas acabará entrando nos céus, isto é, será salva.
O Catecismo descreve aqueles que estão no Purgatório como sendo "... imperfeitamente purificados..." Também são descritos como "... não alcançaram a santidade necessária para entrar na bem-aventurança no céu.".

Podemos ver que os ensinos sobre o Purgatório derivam da crença católica em uma salvação por meio das obras. Basicamente, a doutrina do Purgatório ensina que você precisa pagar pelos seus próprios pecados. Não todos os pecados, somente aqueles que Cristo não pagou. Em grande contraste, a Bíblia fala daqueles que são genuinamente salvos desta maneira: "Porque com uma só oblação aperfeiçoou para sempre os que são santificados." [Hebreus 10:14]. Aqui, a Palavra de Deus nos diz que por meio do sacrifício de Cristo, aqueles que crêem estão "aperfeiçoado para sempre". Se você deixar de aceitar o caminho de Deus para a salvação e seguir o ensino da Igreja Romana, ao tempo de sua morte ainda estará "... imperfeitamente purificado..." bem como deixando de "... alcançar a santidade necessária para entrar na bem-aventurança nos céus." Uma pessoa realmente salva está 'aperfeiçoada para sempre', não precisa de modo algum do "Purgatório".

Em um artigo que discute por que os fundamentalistas evangélicos não aceitam os ensinos do Purgatório, o autor católico diz: "A principal razão para a forte oposição ao Purgatório é que ele não pode coexistir com a noção dos fundamentalistas sobre a salvação. Para os fundamentalistas, a salvação vem por meio da 'aceitação de Cristo como Salvador pessoal'. Além desse ato de aceitação, nenhum outro — nem as boas obras nem os pecados — fazem qualquer diferença com relação à salvação da pessoa." (Catholic Answers, Purgatory, http://www.catholic.com/answers/tracts/purgator.htm)
Eu mesmo não poderia dizer de uma forma melhor. O Purgatório é rejeitado pois realmente "... as boas obras não contribuem para a salvação da pessoa." A Bíblia diz que a salvação é um "dom" ["Pela graça sois salvos, por meio da fé e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie." Efésios 2:8-9]. À luz do ensino bíblico, o Purgatório é como submeter as crianças às chicotadas antes de permitir que abram seus presentes de Natal. A salvação é um dom gratuito, quem realmente creu em Cristo não precisa do Purgatório. Considere novamente o triste estado em que se encontram os católicos na hora da morte: "... imperfeitamente purificados..." bem como deixando de "... atingir a santidade necessária para entrar nos céus." A doutrina do Purgatório não é bíblica. A Bíblia ensina que os não-salvos estarão em tormentos desde a hora em que morrerem até o dia do julgamento diante do Grande Trono Branco, após o que serão lançadas no lago de fogo por toda a eternidade. [Veja Apocalipse 20:11-15]. A cena descrita na passagem é o julgamento de todos os perdidos por Jesus Cristo, no Dia do Juízo Final, em que as pessoas que não receberam a Cristo da forma como ele quer ser recebido, serão julgados na única base possível, suas próprias obras, pensamentos e motivos.
Observe que o verso 13 diz que os perdidos vêm para serem julgadas. "... e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras.".
Esse é o lugar temporário em que os espíritos dos perdidos estão residindo desde o momento da morte até o dia em que Jesus Cristo os chamará para serem julgados. Esse é um lugar tormentos, mas é temporário no sentido que essas pessoas serão chamadas para serem julgadas e depois lançadas no lago de fogo permanentemente. Durante esse tempo de punição "temporária", as pessoas que crêem no ensino do Purgatório pensarão que estão nele. Em seus tormentos, pensarão que o tormento será temporário, e que logo sairão dali, verão a luz e serão recebidas nos céus. Jesus Cristo falou sobre esse tipo de pessoa, quando elas saírem do Inferno temporário e estiverem aguardando o julgamento final. É óbvio que essas pessoas esperarão ir aos céus após seu encontro com Cristo no Trono do Juízo:
"Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E em teu nome não expulsamos demônios? E em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade." (Mateus 7:22-23).
O Senhor Jesus identifica exatamente quando essa triste situação acontecerá. Ele disse: "Muitos me dirão naquele dia..." O dia que está sendo referenciado aqui é o Dia do Juízo. Após o Reino Milenar, haverá um julgamento diante do Grande Trono Branco (Apocalipse 20:12-15). Nesse dia, todos os mortos não-salvos comparecerão diante do Senhor Jesus Cristo para serem julgados por seus pecados. No entanto, como você vê, antes desse dia, nenhum homem perdido comparece diante da presença de Deus. Eles estarão sofrendo no Inferno há pelo menos mil anos.
É curioso observar as respostas dadas por essas pessoas, conforme descritas em Mateus 7. Elas dizem ao Senhor Jesus "Não profetizamos nós em teu nome e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?". São palavras interessantes, vindas de indivíduos que possivelmente já passaram mais de mil anos sofrendo em tormentos. Parece que elas estavam esperando serem libertas da condenação eterna. Acredito que nestas Escrituras estão as mesmas respostas que serão proferidas àqueles que foram enganados a pensar que estão em um "Purgatório" temporário. É bem possível que existam pessoas no Inferno que pensam estarem no Purgatório, aguardando serem libertas em breve. O próprio Jesus Cristo nos disse que não existe o Purgatório!! Quando ele estava pregado na cruz, um dos ladrões condenados confiou nele para sua salvação. Embora o ladrão não tenha enunciado todas as porções do Plano da Salvação, Jesus sabia que o coração daquele homem estava quebrantado pelos seus pecados, e sabia que ele o reconhecia como o único Salvador do mundo. O diálogo está em Lucas 23:39-43. Citaremos aqui as palavras finais, nos versos 42-43:
"E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino. E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso." 
Onde Jesus Cristo disse ao ladrão que ele acordaria no mesmo dia da sua morte? No Paraíso!! Não no Purgatório, mas no Paraíso. Se já houve alguém que precisasse "purificar" seus pecados após a morte, esse homem era aquele ladrão, que até aquele dia nunca tinha se arrependido de seus pecados. Na cultura romana, um ladrão só era crucificado após uma longa vida no crime, quando a Justiça o julgava como irrecuperável. Certamente, se o Purgatório realmente existisse, com o propósito expresso de "purificar" uma pessoa de seus pecados, aquele ladrão precisaria dele. No entanto, o próprio Jesus Cristo lhe prometeu que estaria imediatamente no Paraíso.
Na Parte 2, examinaremos outra passagem que mostra claramente que quem aceita o sacrifício de Jesus Cristo do modo como ele estipulou, não precisa de qualquer outra purificação para seus pecados. Amigo, o Purgatório não existe. Se você morrer e estiver "... imperfeitamente purificado..." e deixando de "... alcançar a santidade necessária para entrar na bem-aventurança dos céus", lamento dizer-lhe que estará eternamente condenado.
É terrível considerar que muitas pessoas que estão no Inferno acreditam que estão no Purgatório, sem saber que já é tarde demais para elas. As pessoas descritas em Mateus 7 conheciam Jesus. O texto registra que elas dirão, "Senhor, Senhor..." Observe, no entanto, que a triste resposta de Jesus Cristo a elas será: "Nunca vos conheci; apartai-vos de mim ...". Amigo, você pode dizer que conhece a Jesus, mas será se Jesus Cristo realmente o conhece?
Fonte:Espada do Espírito

3 comentários:

Anônimo disse...

explicação perfeita!

Anônimo disse...

Segundo a doutrina lá do Aldo Bertoni (Igreja Apostólica), existe!! E se chama "DESCANSO"...

Apologeta disse...

Excelente. Realmente o purgatório é uma mentira inventada pela ICAR para enganar as pessoas, e de acordo com o teólogo Loraine Boettner em seu livro "Catolicismo Romano" considerado pelos católicos como a "Bíblia Anti-Católica", o purgatório é a doutrina que mais enriquece a ICAR. Que seita terrível e que heresia destruidora, essa do purgatório. Só o Catolicismo para criar mais uma mentira como essa!

E ainda tem crentes que pensam haver salvação para católicos....

Isso é falta de Bíblia e, consequentemente, falta de Deus!!!

Apologeta

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲