Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Psicologia x Aconselhamento Bíblico (II)

Discutindo as afirmações e negações

Veja a 1ª parte aqui Psicologia X Aconselhamento Bíblico ( l )

Em face disto, a Escritura é sobre aconselhamento. É sobre diagnóstico e cura face a  condição humana. É sobre o amor confiável, que se faz conhecido pelos outros, um crescente conhecimento de si mesmo. Dando sentido às circunstâncias da vida, um processo interpessoal, específico de mudanças pessoais. É sobre como você entende ou não entende a vida, como se comportar ou não se comportar. É sobre o que você acredita, deseja, tem medo, confia e dá valor. É sobre como você deve agir, falar e sentir. É sobre o seu relacionamento com os outros e com aquEle que É. As Escrituras também são sobre coisas não confiáveis, imprecisas, enganosas e falsas mensagens e pessoas, sobre outros conselhos e outros conselheiros. Visto desta forma, a dinâmica e a matéria da Escritura é reconhecidamente a atividade que denominamos de “aconselhamento”, mas com um toque  mais dramático.
O que a maioria das pessoas pensam como “aconselhamento” é aquilo que é controlado pela elite do sistema de saúde mental moderno: Um  profissional com um grau avançado de estudo, e com especialização em idéias supostamente objetivas, não-religioso e  que usa as técnicas da psicologia ou da psiquiatria. E dá um diagnóstico para o paciente/ cliente, que sofre de uma síndrome com um rótulo medicamente aceitável, uma relação formal e consultiva que permeia as idéias e soluções da ciência e/ ou medicina; uma taxa para troca de serviços que ocorre em um tempo fora das relações reais da vida social, uma assimetria fundamental entre médico e paciente, profissional e cliente, saudáveis e doentes. Visto contra este pano de fundo, a Bíblia parece dizer pouco sobre as ideias, as soluções, métodos e estruturas institucionais necessárias para o aconselhamento eficaz.
A Bíblia é uma música estranha, tocando em um acorde diferente, com instrumentos diferentes, até mesmo numa escala diferente. Deus subverte as assimetrias e as vistas de todos nós basicamente para mais semelhantes do que diferentes. Todos nós somos “doentes” com a loucura em nossos corações, cada um de nós precisa do médico. “E cada um de nós, mesmo os mais fracos, os mais pobres e mais problemáticos é capaz de ajudar qualquer um de nós, de alguma forma, quando o dom da graça nos torna mestres. E a Bíblia é muito direta para se tornar esotérica nas suas “técnicas”, pois ela é sobre a vida real e interações diárias. Jesus e seus apóstolos não estão muito impressionados com as pretensões de conhecimento objetivo superior, ou com pretensões de autoridade especializada e prerrogativas profissionais. Quando o Senhor usa metáforas médicas para os problemas da vida, é apenas uma metáfora, não realidade. A Bíblia pinta toda a vida como inevitavelmente religiosa, e os tipos de problemas e de negócios que a  psicoterapia a cada dia, são exemplos particularmente evidentes. Do ponto de vista de Deus, mesmo as tentativas tolas de afirmar um Deus menos “científico” ou uma “objetividade” médica registram-se como atos abertamente religioso. Tentar explicar e curar a alma dos outros, enquanto no seu coração você diz: “Deus não existe”, é um tipo de ódio religioso. Se um cego conduz um homem cego, ambos caem em uma vala. Mas as pessoas que vêem … vêem a si mesmos, outras pessoas, e todos as circunstâncias da vida coram Deo (perante a face de Deus). E eles verão a Deus em Cristo.


A visão da Bíblia sobre tudo que o “aconselhamento” é está incrivelmente oposta aos hábitos atuais da cultura e da “sabedoria” que recebemos. É uma forma maior e melhor de pensar sobre o “aconselhamento”. E é verdade. A cultura diz, “Nós sempre fizemos isso dessa maneira” (embora a memória histórica tende a ser muito curta). Mas a Escritura muda drasticamente o paradigma, para dizer o mínimo. Aconselhamento não habita somente em ambientes clínicos, nem é propriedade de várias profissões em voga de países ricos. A visão de Deus sobre o aconselhamento corta mais profundamente, aplica-se mais amplamente, tem objetivos diferentes, dura mais e é mais importante. Você vive ou morre com base nos conselhos que você ouve e os conselhos que você dá. Aconselhamento não é apenas para aqueles que “precisam de aconselhamento”. Não é apenas algo que “os conselheiros profissionais” podem fazer com aconselhados. Você não pode escapar do processo de aconselhamento da Bíblia. Está acontecendo o tempo todo, quer você saiba disso ou não, se você quer ou não. Você está fazendo isso para os outros, outros fazem a você, hoje, a cada dia, informalmente, e (muito raramente) formalmente. Todas as pessoas influenciam os outros por aquilo que acreditam e querem; todas as pessoas são influenciadas pelos pensamentos e intenções dos outros. Toda a vida humana é, por definição aconselhamento. “A língua é um instrumento de aconselhamento. Cada interação humana, desde o trivial até o mais formal, surge o nexo de significados, valores e intenções que controla os corações dos participantes.
Aconselhamento nunca é sobre um conhecimento objetivamente neutro. É comprometido. E sempre “impõe valores”, secretamente, se não abertamente. Ninguém pode evitar isso. As perguntas que você faz (ou não faz), as emoções que sente (ou não sente), os pensamentos que você pensa (ou não pensa), as respostas que você dá (ou não) as ações que toma e o transbordar de seu coração. Os terapeutas não são apenas habilidosos ou desajeitados, cuidadosos ou insensíveis; seus conselhos (as categorias de diagnóstico, esquemas interpretativos, análises de causalidade, os ideais de saúde, conselhos especiais, de caráter pessoais) ou são verdadeiros ou falsos, e leva os outros para o bem ou mal. Deus avalia todas as palavras em cada boca, porque estas registram os pensamentos e intenções de cada coração, a favor ou contra ele. Aconselhamento não é uma questão de competência técnica neutra e um papel intrinsecamente legítimo profissional. Aconselhamento será sábio ou perverso, tal como todos os seres humanos são sábios ou tolos, ou confiáveis ou não confiáveis, independentemente do seu papel profissional. Qualquer aconselhamento verdadeiramente conduz ou desvia. Pós-graduação e o papel profissional não são critérios decisivos. Sabedoria é o fator decisivo, e o centro organizador da sabedoria é o temor de Cristo. Deus joga por um conjunto de regras diferentes, e Ele faz as regras. Teorias da natureza humana e das práticas de aconselhamento formal de qualquer tipo são um subconjunto de coisas muito maiores. Eles estão sujeitos, tanto para as condições em que essas coisas maiores existem, e a avaliação dEle, com quem temos de fazer todas as coisas.
Os conselheiros designados em uma cultura (ou igreja) podem fazer um mau trabalho ao comunicar sobre o que é a vida. Podem contar histórias enganosas, tirar o sentido da vida e incutir mitos para governar os corações daqueles que aconselham. Mas a história de Deus ainda é o que está tocando em tempo real, na vida real. Sua história não é sobre como lidar melhor. Ou você morre para si mesmo e vive para o outro, ou você vive para si mesmo e morre. Não se trata de satisfazer as suas necessidades, mas em transformar o que você acha que precisa de cabeça pra baixo. Não se trata de localizar causalidade na circunstância histórica ou no processo biológico, mas sim seu coração vis-à-vis de Deus em Cristo. Momento a momento, com o coração, você e todos os outros adoram, amam, desejam, temem, servem, crêem e confiam em Deus ou algo que não é Deus. A história de Deus não é sobre encontrar refúgio e recursos em si mesmo, ou em outras pessoas, ou em psicofarmacologia. Trata-se de encontrar a Cristo no tempo real e lugares reais, o único Salvador capaz de libertá-lo do que está realmente errado com você e seu mundo.

Por David Powlison  - Fonte IPródigo
Tradução: Rafael Bello | Original aqui

0 comentários:

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲