Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Psicologia x Aconselhamento Bíblico (I)

Cerca de 1500 anos atrás, o guerreiro-chefe de uma tribo primitiva germânica, sem rodeios questionou o visitante missionário: “Por que eu deveria acreditar nesse Jesus que você me fala?” O homem de Deus respondeu: “Porque em Jesus Cristo você encontrará maravilhas e maravilhas e toda a verdade.”
Aquele conselheiro ainda é cheio dessas maravilhas. Como qualquer um de nós pode servi-lO bem? Como todos nós podemos servi-lO bem? Temos de nos perguntar algumas coisas.
Devemos saber a gravidade da nossa condição como seres humanos. Tendemos ao defeito. Somos idólatras. Nós somos traidores, compulsivamente e cegamente. Nós queremos as coisas erradas. Estamos condenados. Precisamos salvação de nós mesmos e daquilo que trazemos em nós mesmos. Isto não é um problema geral, um problema teórico, ou o problema da outra pessoa. É o meu problema específico, e os seus, e da outra pessoa, também: “tudo o que é feito sob o sol, em que há um destino para todos. Além disso, os corações dos filhos dos homens está cheio de maldade e loucura está em seu coração enquanto vivem, e depois morrer” (Eclesiastes 9:3).
Temos de conhecer a glória e a mais pura bondade que nosso Pai que nos deu em Jesus Cristo.Conhecer Jesus em verdade e amor é como encontrar a única coisa que vale a pena, a felicidade duradoura, o propósito da vida: ““Agora o tabernáculo de Deus está com os homens, com os quais ele viverá. Eles serão os seus povos; o próprio Deus estará com eles e será o seu Deus. Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima. Não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor, pois a antiga ordem já passou”. Aquele que estava assentado no trono disse: “Estou fazendo novas todas as coisas!” (Ap 21:3-5).
Devemos conhecer a sabedoria impressionante da Palavra de Deus. Deus fala profunda e abrangentemente das condições concretas de vida de cada pessoa. Ele fala com a intenção e poder para mudar-nos: “A lei do Senhor é perfeita, e revigora a alma. Os testemunhos do Senhor são dignos de confiança, e tornam sábios os inexperientes. Os preceitos do Senhor são justos, e dão alegria ao coração. Os mandamentos do Senhor são límpidos, e trazem luz aos olhos. O temor do Senhor é puro, e dura para sempre. As ordenanças do Senhor são verdadeiras, são todas elas justas… Que as palavras da minha boca e a meditação do meu coração sejam agradáveis a ti, Senhor, minha Rocha e meu Resgatador!” (Sl 19. 7-9,14)
Temos de estar cientes do nosso chamado de filhos desse Pai. Jesus anuncia o Seu reino com as palavras: “Arrependei-vos.” Isto significa “Mudança”. Sua graça e verdade são justamente sobre o nosso processo de mudança. Somos chamados a realizar a nova criação para o palco da história, nos detalhes de nossas vidas. Somos chamados a mudar, e mudar o mundo. Estamos numa corrida de arrependimento e renovação. Jesus tem a intenção de nos ensinar a viver como “discípulos” (convertidos, aprendizes, estudantes), de modo que nós nos tornamos Seus instrumentos de mudança na vida dos outros. O Conselheiro maravilhado faz do Christianoi, “povo-de-Cristo”, aprendizes e conselheiros também maravilhados: “Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo.”(Ef 4:15).


Devemos saber que o caminho de Deus é qualitativamente diferente de tudo disponível no bazar de opções, de outros conselhos, outros esquemas, outras práticas, outros sistemas. A única sanidade e a única vida são apenas para conhecê-Lo como quem Ele é. Qualquer outra coisa perpetua a nossa loucura: “Tenham cuidado para que ninguém os escravize a filosofias vãs e enganosas, que se fundamentam nas tradições humanas e nos princípios elementares deste mundo, e não em Cristo.” (Col. 2:8).
Psicologia tem a chave para o homem?
Nós deveríamos saber essas coisas, vivê-las, ministrar esse Cristo aos outros:
Tentativas de definir a fé cristã e a prática de formas mais precisas e úteis sempre surgem em um contexto de polêmica. As afirmações e negações abaixo não são exceções. São sobre “aconselhamento”. Mas um sistema de saúde mental que conhece o Senhorio de Cristo no aconselhamento, muda o panorama, mente e as práticas da cultura. Mesmo no campo do “aconselhamento cristão” tem se tomado grande parte das sugestões da psicologia secular, como se as Escrituras realmente não tenham muito a dizer além de religiosidade e moralidade. Mas quando olhamos mais de perto a vida, como nós aprendemos a olhar com olhos de Deus, como nós conhecemos a nós mesmos, na verdade, torna-se cada vez mais claro que as Escrituras são sobre aconselhamento: categorias, diagnósticos, as explicações causais do comportamento e da emoção, interpretações do exterior, sofrimentos e influências, as definições de soluções concretas e viáveis, caráter do conselheiro, as metas para o processo de aconselhamento, configurando as estruturas profissionais para fazer o aconselhamento e as críticas dos modelos concorrentes. Estas são todas as questões para as quais Deus fala diretamente, especificamente e com freqüência. Ele nos chama para ouvir atentamente, pensar bastante, para iniciar um trabalho digno e para desenvolver a nossa teologia prática face-a-face no ministério. Essas afirmações e negações são uma tentativa de afirmar o que o Senhor vê, diz e faz:
Seção I trata da suficiência das Escrituras. A menos que Deus minta, temos os “produtos” para desenvolver o aconselhamento bíblico sistemático, assim como temos os “produtos” para a pregação, ensino, adoração, misericórdia e missões. A fim de aconselhar os outros bem, precisamos de uma ampla e penetrante análise da condição humana: Seção II. Temos de buscar soluções eficazes, igualmente “grandes” e penetrantes. o Redentor envolve a variedade de pessoas e de problemas de forma adequada: Seções III e IV. Devemos incluir o aconselhamento nas estruturas sociais: Secção V. Devemos estabelecer um ponto de vista sobre a interação com outros sistemas de aconselhamento: Seções VI e VII. As Escrituras têm a intenção de nos ensinar a conhecer e fazer estas coisas, para que possamos curar e cuidar de almas da maneira Jesus Cristo.

1. Verdadeiro conhecimento das pessoas e do aconselhamento prático
Nós afirmamos que a Bíblia é a revelação do próprio Deus em relação com suas criaturas, e, como, verdadeira – ela explica as pessoas e situações.
Negamos que qualquer outra fonte de conhecimento tem autoridade para explicar as pessoas e situações.
Afirmamos que a Bíblia, como a revelação da atividade redentora de Jesus Cristo, tem a intenção de orientar e informar especificamente o ministério de aconselhamento.
Negamos que qualquer outra fonte de conhecimento tem autoridade para nos equipar para a tarefa de aconselhar pessoas.
Afirmamos que o aconselhamento sábio exige um trabalho prático teologicamente, a fim de compreender a Escritura, pessoas e situações. Temos de desenvolver continuamente o nosso caráter pessoal, para um entendimento sábio das pessoas, desenvolvimento de habilidades pastorais e estruturas institucionais.
Negamos que a Bíblia tem a intenção de servir como uma enciclopédia de textos como prova contendo todos os fatos sobre os povos e a diversidade de problemas na vida.
Afirmamos que as idéias, objetivos e práticas de aconselhamento devem coexistir em harmonia explicita com os credos históricos, confissões, hinos e outros escritos sábio que expressam a fé e a prática da Igreja de Jesus Cristo.
Negamos que a sabedoria do passado define suficientemente as questões de orientação do ministério para hoje, como se a sabedoria necessária fosse simplesmente uma questão de recuperar as realizações do passado.

2. As inclinações da condição humana e o escopo da verdade bíblica
Afirmamos que os seres humanos são criados fundamentalmente dependentes e também responsáveis diante de Deus. As pessoas só podem ser compreendidas quando estas realidades controlam o olhar do conselheiro.
Negamos que qualquer forma de autonomia separa as pessoas da dependência de
Negamos que qualquer forma de determinismo neutraliza a responsabilização diante de Deus.
Afirmamos que o ideal para o funcionamento humano é a fé que opera pelo amor. Tal amor a Deus e ao próximo é o padrão contra o qual especificamente entendemos o que tem de errado com as pessoas. É a meta que o aconselhamento deve especificamente aspirar.
Negamos que qualquer outro padrão ou objetivos são verdadeiros.
Afirmamos que o mal, feito por nós e o que nos acomete, é o problema mais fundamental e intenso da vida. O nosso próprio pecado, em todas as suas facetas e dimensões, é primário e auto-gerado. As circunstâncias que acontecem conosco fornecem um contexto provocativo (“provações e tentações”) e conseqüências (“colhe o que planta”) para a nossa resposta moral, mas não determinam a qualidade de nossa resposta moral.
Negamos que qualquer outro diagnóstico seja válido.
Negamos que a natureza ou estímulos determinem a qualidade de nossa resposta moral.
Afirmamos que as Escrituras definem a gama de problemas nas vidas de todos os povos em todas as situações.
Negamos que a verdade bíblica seja limitada a uma esfera “religiosa” ou  de crenças “espirituais”, atividades, pessoas, emoções, ou instituições desconexas com as esferas da vida no dia-a-dia.
Negamos que qualquer área particular da vida humana pode ser colocada como única/exclusivo das teorias, práticas e profissões das psicologias modernas.

3. A solução para o pecado e a condição da miséria humana
Afirmamos que a Bíblia ensina, convida, adverte, manda, canta, e fala qual a solução para os problemas da humanidade. No evangelho de Jesus Cristo, Deus age pessoalmente. Em palavras e atos, Ele nos redime do pecado e da miséria operando Sua graça no passado, presente e futuro. Deus usa vários meios de graça, incluindo as conversas pessoais do aconselhamento sábio.
Negamos que qualquer outra solução ou terapia realmente curem a alma, ou possam mudar-nos do profano ao sagrado, de pecadores à justiça, da sanidade à loucura, da cegueira à visão, de auto-destruição à uma fé que trabalha através do amor.
Afirmamos que a graça comum e providencial de Deus traz muitos presentes para as pessoas, tanto individuais como gentilezas e também bênçãos sociais: por exemplo, tratamento médico, ajuda econômica, a justiça política, a proteção aos fracos, oportunidade de educação. O aconselhamento sábio incentivará os ministérios de misericórdia, como parte do chamado ao amor.
Negamos que tais presentes podem curar males da alma. Quando eles pretendem curar a condição humana, são falsos e enganosos, competindo com Cristo.
Negamos que aconselhamento sem Cristo – seja psicoterápico, filosófico, quase religioso, ou abertamente religioso ou é verdadeiro ou é bom. Suas mensagens são essencialmente falsas e enganosas, competindo com Cristo.

4. Natureza e meios de mudanças
Afirmamos que o processo de crescimento que o aconselhamento deve procurar é a conversão seguida de um processo longo de santificação progressiva que toma toda a vida dentro de cada circunstância. Nossa motivação, processos de pensamentos, ações, palavras, emoções, atitudes, valores, coração, alma, mente, e devem se assemelhar cada vez mais Jesus Cristo no amor consciente e evidente para Deus e outras pessoas
Negamos que haja qualquer método para a perfeição instantânea ou completa para chegar a imagem de Jesus Cristo. O processo de mudança continua até que vê-Lo face a face.
Negamos que os processos e as metas estabelecidas como auto-realização, a cura das lembranças, satisfação de necessidades psicológicas, a adaptação social, a construção de auto-estima, a valorização, a individuação, etc. descrevem objetivos válidos no aconselhamento, embora até possam ter analogias com elementos da sabedoria bíblica.
Afirmamos que a Bíblia ensina explicitamente os fundamentos do método de aconselhamento por preceito e exemplo. Falando a verdade em amor, agimos como instrumentos tangíveis da graça de Deus na vida dos outros.
Negamos que a psicoterapia moderna entende corretamente a metodologia ou prática do aconselhamento sábio, embora até possam fazer analogias aos elementos da sabedoria bíblica.

5. Contexto social e o escopo do ministério de aconselhamento
Afirmamos que o Espírito e a Palavra criam a igreja de Jesus Cristo, e que o povo de Deus deve fornecer pessoal, social e institucionalmente os meios físicos para falar a verdade em amor.
Negamos que os profissionais de saúde mental e as suas instituições têm o direito de reivindicar qualquer setor de problemas na vida como prerrogativa especial. Até mesmo aqueles que sofrem problemas mentalmente incapacitantes medicamente precisam de aconselhamento divino.
Afirmamos que os objetivos, conteúdos e meios do ministério de aconselhamento são uma peça da realização ministério público (as disciplinas espirituais, misericórdia). Estes são aspectos diferentes do ministério redentivo de Cristo.
Negamos que as pessoas e os problemas abordados pela atividade denominada “psicoterapica” caiam fora do âmbito da aplicação do ministério de Cristo em palavras e atos.
Afirmamos que a principal e mais completa expressão do ministério de aconselhamento ocorre em comunidades da igreja local onde os pastores eficazmente pastoream almas, equipando e supervisionando as diversas formas do ministério de cada membro.
Negamos que as formas institucionais e as funções profissionais do sistema de saúde mental forneçam um quadro normativo e desejável para o ministério de aconselhamento.
Negamos que as formas atuais de vida da igreja e as concepções do papel pastoral são necessariamente adequados e normativos, como veículos para treinar, fornecer e supervisionar o ministério de aconselhamento eficaz. O corpo de Cristo precisa de reforma institucional, desenvolvimento e inovação.
Negamos que “para-igrejas” e outras formas cooperativas de aconselhamento no ministério do corpo de Cristo são inerentemente erradas.

6. A providência de Deus e a interação entre sua graça comum e práticas intelectuais nos efeitos do pecado.
Afirmamos que numerosas disciplinas e profissões podem contribuir para um aumento em nosso conhecimento das pessoas e como ajudá-los. A Escritura ensina um ponto de vista e um olhar pelo qual os crentes podem aprender muitas coisas de quem não é cristão.
Negamos que qualquer uma dessas disciplinas e profissões podem se alinhar e constituir um sistema de fé e prática para um aconselhamento sábio.
Afirmamos que o compromisso com o secularismo distorce disciplinas e profissões fundamental e universalmente. Pessoas que não pensam e nem vivem em submissão a mente de Cristo vão interpretar mal as coisas que vêem. E fracassarão nas matérias sobre as quais eles se importam mais profundamente e desenvolvem habilidade.
Negamos que as disciplinas e profissões seculares são completamente ignorantes pelos efeitos intelectuais, morais e estéticos do pecado. A operação da graça comum de Deus pode fazer dos incrédulos relativamente atentos, atenciosos, estimulantes e informativos.
Afirmamos que as teorias da personalidade são, essencialmente teologias falsas, e as psicoterapias são essencialmente falsas formas de cura de almas. Mesmo as mais descritivas e empíricas correntes psicológicas são muito enviesados por pressupostos seculares, e seus resultados precisam ser reinterpretadas pela cosmovisão bíblica.
Negamos que a investigação psicológica, as teorias de personalidade e psicoterapia devem ser vistas como “ciência objetiva”. Maneira como o termo é geralmente entendido. Também não devem ser vistos como extensões da medicina e da prática médica.

7. Boas notícias para pessoas psicologizadas e uma sociedade psicologizada.
Afirmamos que aconselhamento bíblico maduro, consistente, amoroso e eficazmente bíblico será uma força poderosa de evangelismo e apologética no mundo moderno.
Negamos que a interação mais importante da igreja com a psicologia moderna seja o que pode ser aprendido dela.

Tradução: Rafael Bello | ipródigo.com | original aqui

Por:  David Powlison  Font: IPródigo

0 comentários:

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲