Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Caças às bruxas: Patrulhamento Ideológico LGBT

O movimento LGBT se diz democrático, mas porque eu não posso ser contra o casamento gay?
Como disse em meu texto sobre o tal do casamento igualitário, estamos numa situação de carnificina ideológica onde é necessário ter coragem para refletir e debater em termos razoáveis. Em certas ocasiões é difícil emitir uma opinião contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo sem sofrer com o patrulhamento de ideias, tanto da parte de militantes comprometidos com a causa quanto da parte de pessoas bem intencionadas porém influenciadas pela agressividade dos primeiros. É engraçado como alguns homossexuais gostam de desmentir a dita santidade do casamento ao mesmo tempo que defendem o casamento gay como este fosse santo, intocável. Qualquer um que se opor é taxado de “homofóbico”, título que está deixando de significar “aversão doentia a homossexuais” para servir de munição infinita para as patrulhas LGBT – munição que eles não usam somente contra aqueles que tomam partido contra o “casamento igualitário” mas contra a sociedade inteira. Alguns casos de violência viram desculpa para iniciar uma caça as bruxas, uma obsessão pelo expurgo como se com essa ou aquela lei fosse possível construir uma “sociedade perfeita” onde não existem psicopatas que atacam gays e onde toda a consciência está de acordo com a ideologia LGBT, esta que decide o que é o certo e o errado sem discussão (sim, sem discussão, porque depois que eles decidiram quem discordar é homofóbico – mesmo se o discordante for gay).

A ironia é que, apesar de quererem criminalizar não só aqueles que querem estudar a homossexualidade como patologia como também o mísero direito de um homem com egodistonia buscar um tratamento para não ser homossexual, eles se vêem no direito de atribuir uma patologia a toda uma cultura. O movimento LGBT e somente ele pode, impunemente, dizer que alguém que é contra o casamento homossexual é necessariamente homofóbico, ou seja, doente. Disse o sr. deputado Jean Wyllys (numa discussão sobre psico-patologia e não sobre casamento gay):
“É óbvio que alguém homossexual vai ter egodistonia, mas por viver numa cultura homofóbica que rechaça e subalterniza sua homossexualidade. O certo seria colocar o ego em sintonia com seu desejo, é sair da vergonha para o orgulho.”
Quer dizer, você não pode ir para o psicologo caso você sinta atração por homens e não o queira, você só pode se for para “colocar o ego em sintonia com o seu desejo” – se aparece um paciente desejando matar a mãe ou transar com o cachorro porém sem considerar essas coisas corretas, o psicólogo deveria tratar de “colocar o ego em sintonia com o desejo”. Quem discordar é doente. (leia mais sobre essa questão) Pois tudo deve passar pelo crivo do patrulhamento ideológico, seja a questão do casamento, seja a questão da psicologia, quem decide o “certo” e o “errado” são eles, mesmo que eles não forneçam justificativas para suas interpretações (suas interpretações sobre o que é casamento ou a interpretação de “saudável” do caro sr. deputado Jean Wyllys). E quando são os evangélicos que fazem o crivo segundo seus próprios dogmas, são “intolerantes”.
O pior é que não existe nenhum movimento organizado de contestação contra essa onda ou sequer contra o casamento gay em particular (mesmo que possamos imaginar que esses contra o “casamento igualitário” tem uma grande parte do povo ao seu lado, apesar de não ter artistas da Globo…). Sobram alguns franco-atiradores.

7 comentários:

**Sheise Madder** disse...

Bom dia, Pastor!

Creio que esse texto foi o que mais achei ponderado aqui no seu blog, ele diz extamente aquilo que sempre tento "passar" para as pessoas: LIBERDADE.

Do mesmo modo que os homossexuais tem a liberdade de fazer a passeata gay, o que considero deveras abusiva as vezes...assim como o carnaval...mas é um direito das pessoas se reunirem em prol de um ideal...também considero que vocês, da igreja, tem o DIREITO de se fazer ouvir.
O que me atemoriza é a possibilidade, palpável, de que isso se torne uma guerra física...enquanto estivermos falando de ideais, filosofias distintas tudo bem, creio se tratar da expressão da liberdade. O ruim é que muitas vezes essa postura se torna agressiva e ai muitos podem se ferir e morrer.

Sou absolutamente contra a possibilidade de que alguns tenham mais direitos que outros, se isso ocorre onde está a igualdade?

Todos podem se pronunciar, e até não gostar de alguns "tipos" de pessoas, esse é um direito de cada um de nós, e esse direito só acaba onde começam os direitos das outras pessoas.

Quando resolvi seguir o seu blog o fiz com intuito de conhecer mais a fundo o modo de pensar de vocês... e não acho que isto esteja errado, não devemos tomar idéias sem conhecer o assunto.

Fico feliz quando leio textos que expõem pensamentos, idéias, mas não incentivam a violência ou o ódio.

A postura de todos nós deve ser como seres que convivem em sociedade... e que tem os mesmos direitos e deveres, que precisam conviver.Por isso é sempre válido e justo que possamos nos expressar.

Há uma matéria muito interessante do Sr. Walter Williams que fala exatamente sobre as diferenças entre as pessoas... é uma incrivel expressão do bom senso sobre a liberdade de expressão. Vale a pena conhecer.

http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/politica-cia/walter-williams-as-quotas-raciais-nao-funcionam-e-reforcam-os-piores-estereotipos-contra-os-negros/


Um grande abraço a todos.

Orlando disse...

Querido Anselmo abraços,

a minha vassoura está a disposição - pena que eu não consigo ser um Julio Severo, eu seria uma bruxa ainda mais feia para eles!

Nunca deixem de combater o bom combate
Orlando
souteologico.blogspot.com

Pr. Anselmo Melo disse...

Querido irmão Orlando.
Estamos juntos, vassoura de um lado e Bíblia do outro.pela Igreja de Cristo e pelas famílias de nossa nação.
Um grande abraço.

Pr. Anselmo Melo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pr. Anselmo Melo disse...

Minha cara Sheise.
Acompanhei o recente debate seu com alguns leitores do blog.Existem muitos, milhares,posicionados radicalmente de um lado,esses certamente estariam dispostos a partir literalmente para a briga na defesa do que acreditam.E de um outro lado,e em maior numero, estão pessoas de boa vontade, assim como você,porém ainda inocentes quanto aos reais propósitos dos movimentos organizados de homossexuais.Toda essa conversa de direitos civis não passa de faxada.Existe Sheise por trás muito mais do que sua imaginação tenha como alcançar.Tenho em minhas mãos centenas de informações,vindas de todos os lados,iniciativas comprovadas de grupos organizados que trabalham e investem dezenas de milhões de dólares para transformar a partir dos adolescente em suas escolas o modo de vida das famílias.
Observei que você é uma pessoa lúcida e ponderada em suas argumentações,só acho que ainda lhe faltam algumas informações sobre o tema em questão.
Se você desejar ter uma visão mais ampla do que realmente esta por trás dos movimentos homossexuais quero lhe indicar dois livros:
1- O Deus do sexo do Dr. Peter Jones
2- A Estratégia do Rev.Louis P. Sheldon
Um grande abraço e obrigado mais uma vez por participar deixando seus comentários.

**Sheise Madder** disse...

Boa noite Pastor, assim que puder terei o maoir prazer em ler os livros que indicou.

Concordo que há sempre o que aprender...me considero uma aprendiz no mundo.

Obrigada pelo respeito de sempre.

Abraços.

Pr. Anselmo Melo disse...

SEja bem vinda sempre!
Boa noite.

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲