Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Filme “Prometheus” questiona o amor de Deus

Filme “Prometheus” questiona o amor de Deus

Longa de Ridley Scott mistura ficção, horror e teologia
Em seu novo filme, Prometheus, o diretor Ridley Scott aborda a questão controversa da origem humana. O diretor britânico ficou famoso após os sucessos de “Blade Runner – O Caçador de Andróides” (1982) e “Alien, o Oitavo Passageiro” (1979).
Em seu novo filme, que estreia nesta sexta no Brasil, a protagonista Elizabeth Shaw (vivida por Noomi Rapace) usa um crucifixo no pescoço. Perturbada pela morte do pai e sofrendo por causa disso desde criança, em uma das cenas ela pergunta “Aonde as pessoas vão quando morrem?”
Essa não é a única indagação de cunho espiritual no longa-metragem. A nave espacial chamada Prometheus, que nomeia o filme, é uma referência ao titã  grego que roubou o poder de criar o fogo de Zeus (maior divindade grega) e deu-o aos mortais. Sua traição foi severamente punida por Zeus, que o condenou a passar toda a eternidade amarrado a uma rocha e a sofrer dores inimagináveis, enquanto uma  águia comia, todos os dias, o seu fígado que crescia novamente no final do dia.

Elizabeth é, nas telas, tanto crente quanto cientista (arqueóloga) e vai em busca de respostas sobre a origem da humanidade. Ela e seus companheiros irão procurar isso no espaço. Em última análise, o filme trata do desejo humano de procurar pelo significado de sua própria existência. Mas o diretor Ridley Scott faz uma reflexão bastante depreciativa sobre a natureza de Deus. O cerne do filme é a possibilidade de que o Criador odeie as suas criaturas, e que descobrir isso significaria nossa condenação eterna.
Durante uma entrevista para a revista Esquire, Scott comentou sobre as perspectivas   teológicas desse longa que mistura horror e ficção, prometendo ser um dos grandes lançamentos do ano.  Pelo menos é um dos mais  caros, ao custo de 200 milhões de dólares.
“Sempre fui muito intrigado com essas questões eternas sobre a criação, a crença e a fé… Isso está na cabeça de todo mundo”, afirma Scott.
Perguntado se em Prometheus os criadores da Humanidade, chamados de  ”engenheiros”, são uma analogia para um Deus hostil e mau, ele prefere não responder.   Mas ele  parece sugerir  que, se o Deus de Abraão existe, é um monstro sem moral.
A trama de ficção resiste à tentação de fazer uma acusação direta contra o cristianismo. Porém, em duas cenas os diálogos questionam as pessoas de fé.   Numa delas, depois de muita violência, Elizabeth recupera seu crucifixo, momentaneamente perdido, e o recoloca no pescoço.  Um dos seus companheiros a indaga: “Mesmo depois de tudo isso, você ainda acredita? “.
Michael Fassbender dá vida a um andróide. Em certo momento é indagado sobre o que aconteceria se não houvesse  ninguém para programá-lo. Ele supõe que  estaria livre, sugerindo que os seres humanos não podem ser totalmente livres enquanto crerem que há um Deus. .
Charlize Theron também participa do filme como a comandante da nave, Meredith Vickerse. Em entrevista recente ela comentou que “É muito ingênuo ou narcisístico pensar que somos as únicas coisas vivas no universo”. Para ela, a pergunta principal do filme é: “De onde nós viemos? Quem nós fez? Qual o sentido de tudo isto? E se você fosse conhecer seu criador ou Deus e descobrisse que trata-se de um engano total?”.
No final de sua entrevista, Ridley Scott afirmou que não gosta de nenhuma religião, mas que já está envolvido na pré-produção de um filme religioso sobre a vida de Moisés, que segundo ele, tem uma “história maravilhosa”.
Fonte: GospelPrimeTraduzido e adaptado de Christand Pop Culture e Esquire

0 comentários:

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲