Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Porque não guardamos o sábado?

A Sra. Ellen G. White escreve sobre a obrigatoriedade de guardar-se o Sábado como meio de salvação, vejamos:

“Santificar o Sábado ao Senhor importa em salvação eterna” . (EG White; Testemunhos Seletos, vol. III; Ed. Casa Publicadora; Tatuí – SP; 1956, pág.22). “O Pr. Bates, o apóstolo da verdade sobre o sábado, tomou a liderança em advogar a obrigatoriedade da guarda desse dia” (EG White, Primeiros Escritos, Editora Casa Publicadora, Tatuí – SP; 1995, Prefácio Histórico XXII).

“Foi-me mostrada então uma multidão que ululava em agonia. Em suas vestes estava escrito em grandes letras: Pesado foste na balança, e foste achado em falta. Perguntei (ao anjo) quem era aquela multidão. O Anjo disse: Estes são os que já guardaram o sábado e o abandonaram” (EG White, Primeiros Escritos, Editora Casa Publicadora, Tatuí – SP; 1995, pág.37) 

A posição que essa escritora goza no meio adventista é impar. Somente ela possui o “Espírito da Profecia”. Não só os adventistas reconhecem sua autoridade religiosa inquestionável, mas a própria escritora declara de si mesma: “Nos tempos antigos, Deus falou aos homens pela boca de seus profetas e apóstolos. Nestes dias Ele lhes fala por meio do testemunho do Seu Espírito. Não houve ainda um tempo em que mais seriamente falassem a Seu povo a respeito da sua vontade...” (Testemunhos Seletos – Vol.II, pág.276).(Ou seja, a autora se coloca acima dos próprios apóstolos de Cristo quando declara que no seu tempo, o tempo em que ela tinha as suas “revelações”, Deus falava mais seriamente.) Assim quando os Adventistas (daqui pra frente ADV) teimam que a guarda do Sábado é indispensável para nossa salvação, não é porque estejam estribados na verdade Bíblica, mas sim nas alucinações da Sra. E.G. White. Essa cidadã declara que a guarda do Sábado constitui o selo entre Deus e o seu povo nos dias atuais: “Que é, pois, a mudança do Sábado, senão o sinal da autoridade da igreja de Roma – “a marca da besta”; “O selo da lei de Deus se encontra no quarto mandamento... Os discípulos de Jesus são chamados a restabelecê-lo, exaltando o Sábado...”(Livro: O Grande Conflito, Ed. condensada, 1992, pag. 267 e 269)”.

Diante do exposto, fica claro que não é assim como alguns pastores afoitamente declaram que, entre nós e os ADV, só o que nos separam é a guarda do Sábado, como se fosse questão secundária. Parra nós sim, é questão secundária (Rm. 14:5-6). Para os ADV não: é questão de salvação ou perdição. Para os ADV a guarda do Sábado é o sinal que separa sua igreja, a verdadeira e única, das igrejas falsas, que são as denominações evangélicas, embora trabalhem nelas para distribuição das publicações da Casa Publicadora, vender discos, fitas K7 e todas suas mercadorias. Ingenuidade dos pastores que permitem seus púlpitos serem usados pelos obreiros adventistas, admitindo que somos todos iguais. Não sabem os pastores que além da guarda do Sábado como ponto central de suas conversações, os ADV têm outras doutrinas estranhas ensinadas pela Sr. White e abonadas pelos ADV, tais como: Juízo investigativo (a redenção incompleta de Cristo); o bode emissário ou Azazel como tipo da obra de Satanás de remover nossos pecados; o aniquilamento dos ímpios o sono da alma; a Igreja remanescente caracterizada pelo Dom de profecia de E.G. White e a guarda do Sábado; a natureza pecaminosa de Jesus; adoração a Deus no Domingo como sinal da Besta; proibição de vários alimentos; etc...


A DIVISÃO DA LEI

Os ADV, para imporem a obrigatoriedade da guarda do Sábado, se valem de argumentos infundados estabelecendo uma distinção entre a Lei Moral e Lei Cerimonial, Lei de Deus e Lei de Moisés, dizendo que a Lei Moral ou lei de Deus se restringe aos 10 mandamentos e continuará para sempre, e que a Lei de Moisés ou Lei cerimonial abrange o Pentateuco escrito por Moisés e foi abolida.

Essa distinção é imprópria e inescriturística, mas de grande valia para os ADV, pois, ao afirmarem que a Lei Moral consiste somente dos 10 mandamentos, e naturalmente isto implica na guarda do Sábado que é o quarto mandamento do decálogo. Não se pode negar que, na lei dada por Deus a Moisés (toda ela), existiam preceitos morais, cerimoniais e civis, mas, estão redondamente enganados os ADV quando afirmam que os preceitos morais da lei se restringem aos 10 mandamentos, porque, tanto dentro dele, como fora, se encontra preceitos morais e cerimoniais. Essa divisão feita pelos ADV é tão esdrúxula que eles próprios reconhecem essa falácia, ao dizerem: “Seria útil classificarmos as leis do Velho Testamento em várias categorias: 1) Moral; 2) Cerimonial; 3)Civil; 4) Estatutos e juízos; 5) Leis de Saúde”. Esta classificação é em parte artificial” (Lições da escola Sabatina, p.18 de 08/01/1980). Realmente é artificial essa divisão, sem qualquer apoio bíblico, mas fundamental para impor a guarda do Sábado na doutrina Adventista.


A LEI DE MOISÉS

A Bíblia declara que só há um legislador e este é Deus: “Porque o Senhor é o nosso Juiz; o Senhor é o nosso Legislador” (Is.33:22; Tg.4:12) Se há um só legislador afirmamos, com segurança, que essa suposta distinção entre lei de Deus(os 10 mandamentos) e Lei de Moisés (O Livro da lei) não resiste a uma pesquisa bíblica, porque indistintamente a mesma Lei é chamada de Lei de Deus e Lei de Moisés, porque Deus a deu por meio dele, e não que sejam duas leis distintas como ensinadas pelos ADV. Vamos a um teste:

- “E chegado o sétimo mês, e estando os filhos de Israel nas suas cidades, todo o povo se ajuntou como um só homem, na praça, diante da porta das águas; e disseram a Esdras, o escriba, que trouxesse o Livro da Lei de Moisés”(Ne.8:1). Observe a expressão “o livro da Lei de Moisés”. Este mesmo livro, denominado de “Lei de Moisés” é, a seguir, assim chamado: “E leram no livro, na Lei de Deus; e declarando e explicando o sentido, faziam que, lendo, se entendesse”; “E acharam escrito na Lei que o Senhor ordenará, pelo ministério de Moisés, ...”(Ne.8:8; 8:14). Como se vê, o livro da Lei é chamado indistintamente de “Lei Moisés” e de “Lei de Deus” sempre se tratando das mesmas leis e não de leis distintas. É falacioso o argumento dos ADV sobre a divisão da Lei. Essa farsa não resiste a uma análise séria sobre a palavra Lei na Bíblia, mas, que vulgarmente foi imposta a pelos ADV, para sustentar a obrigatoriedade da guarda do Sábado.

Vejam como os próprios ADV se contradizem sobre esse assunto:
“A lei cerimonial só descreve prescrição sobre holocausto, ofertas, formalidades sacerdotais, rituais do santuário, festas anuais, luas novas, circuncisão, abluções, manjares, etc.” (livro: “Sutilezas do Erro, p.70, 1Ed.1965). Mas se contradizendo, afirmam o seguinte:“Verdade é que em outras partes da Bíblia se encontram preceitos morais” (idem p.76). Encontramos preceitos morais nas seguintes referências bíblicas: “Não afligiras o forasteiro, nem o oprimirás”; “a nenhuma viúva nem órfão afligireis”(Êx.22:21,22); “Não seguirás a multidão para fazeres mal; nem deporás, numa demanda, inclinando-te para a maioria, para torcer o direito”(Êx.23:2); “...Santo sereis, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo”; “Não andarás como mexeriqueiro entre teu povo: não atentarás contra a vida do teu próximo...”; “Não te vingarás nem guardarás irá contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo...”( Lv.19:2,16,18). “Não torcerás a justiça, não farás acepção de pessoas, nem tomarás suborno; porquanto o suborno cego os olhos dos sábios e subverte a causa dos justos; “Perfeito serás para com o Senhor teu Deus” (Dt.16:19; 18:13)

Estes mandamentos devem ser considerados cerimoniais só porque Deus não os escreveu em pedras, dando-os a Moisés para que fossem escritos num livro?

Depois afirmam os ADV:“Os judeus usavam o termo “Lei” para referir-se a todo o corpo de revelações de Deus dadas por intermédio de Moisés. Denominavam os primeiros cinco livros do V.T. “A Lei” (A Torah)” (Lições da Escola Sabatina, p.56, 27/01/80). E acrescentam ainda: Note que a “Lei de Moisés”, nas Escrituras, refere-se a todas as leis dadas por meio de Moisés – cerimonial, moral e civil... “A Lei de Moisés” (Hb.10:28) incluía os Dez Mandamentos”(Lições da escola sabatina, lições de adultos/professor, p.11 de abril – junho de 1990).


OS DOIS CONCERTOS

A Bíblia fala do Concerto da Lei – conhecido como o Antigo Concerto, Antiga Aliança, Antigo Pacto ou Velho Testamento e o Novo Concerto, ou Nova Aliança, também conhecido como o tempo da Graça. Os 10 mandamentos são encontrados dentro do Antigo Concerto e assim quando os ADV nos interrogam por que não guardamos o Sábado – que é o quarto mandamento – respondemos que o Sábado está tão integrado dentro do decálogo, quanto o decálogo, por sua vez, está integrado no Antigo Testamento. Este, segundo a Bíblia, foi abolido e substituído pelo Novo Concerto – O concerto da graça.

Vejamos então as provas bíblicas segundo as quais os 10 mandamentos integravam o Antigo Concerto: “Então o Senhor vos falou do meio do fogo; e a voz das palavras ouviu, porém, além da voz, não viste semelhança nenhuma. Então, vos anunciou ele o seu concerto, que vos prescreveu, os dez mandamentos, e os escreveu em duas tábuas de pedra” (Dt.4:12-13). “Subindo eu ao monte a receber as tábuas de pedra, as tábuas do concerto que o Senhor fizera convosco, então fiquei no monte quarenta dias e quarenta noites; pão não comi, e água não bebi; e o Senhor me deu as duas tábuas de pedra, escritas com o dedo de Deus, aquelas palavras que o Senhor tinha falado convosco no monte, do meio do fogo, estando reunido todo povo” (Dt.9:9-10).
“Disse mais o Senhor a Moisés: Escreve estas palavras; porque conforme ao teor destas palavras tenho feito concerto contigo e com Israel. E esteve ali com o Senhor quarenta dias e quarenta noites; não comeu pão, nem bebeu água, e escreveu nas tábuas as palavras do concerto, os dez mandamentos.(Êx.34:27,28).
“Nela pus a arca em que estão as tábuas da aliança que o Senhor fez com Israel (IICr.6:11)
“...Nada havia na arca senão só as duas tábuas, que Moisés ali pusera junto a Horebe, quando o Senhor fez aliança com os filhos de Israel” (IICr.5:10)
“Então falou Deus todas estas palavras, dizendo...” (Êx.20:1).

Desde o vrs.2 até o vrs.17 de Êx., Deus falou audivelmente as palavras dos 10 mandamentos. Desde Êx.21 ao 24, por meio de Moisés, Deus deu ao povo leis civis, morais e cerimoniais (que é a Lei), as quais vieram também integrar o Antigo Concerto.

“Vindo, pois Moisés, e contando ao povo todas as palavras do Senhor e todos os estatutos, então o povo respondeu a uma voz, e disseram: todas as palavras que o Senhor tem falado faremos. E Moisés escreveu todas as palavras do Senhor, e levantou-se pela manhã de madrugada, e edificou um altar ao pé do monte, e doze monumentos, segundo as doze tribos de Israel” (Êx.24:1-3).

No vrs.3 diz que Moisés referiu ao povo todas as palavras do Senhor e todos estatutos comunicados a Israel por meio de Moisés. E o povo respondeu: “Tudo que o Senhor tem falado faremos, e obedeceremos”. Com certeza se a Lei fosse só o decálogo o povo não iriam querer obedecer a tantas ordenanças como bem se submeteram. Então, tomou Moisés aquele sangue, e espargiu-o sobre o povo (Êx.24:7-8). O escritor da epístola aos Hebreus se reporta ao primeiro concerto dizendo: “Pelo que também o primeiro não foi consagrado sem sangue; por que havendo Moisés anunciado a todo povo todos os mandamentos segundo a lei”(Hb.9:18); “Portanto, por um lado, se revoga a anterior ordenança(ou mandamentos), por causa de sua fraqueza e inutilidade”(Hb.7:18, parêntese nosso)


A ABOLIÇÃO DO ANTIGO CONCERTO PROFETIZADA

Por intermédio do profeta Jeremias Deus anunciou um Novo Concerto, desde que o povo de Israel, que havia prometido tão prontamente observar os mandamentos do Antigo Concerto não o fez, invalidando assim aquele concerto. Fizeram um bezerro de ouro e se prostraram diante dele, adorando-o, o que constituiu a quebra do concerto (Êx.32:21).

Vejamos também Jr.31:31-34: “Eis que vem, diz o Senhor, em que farei um concerto novo com a casa de Israel e com a casa de Judá. Não conforme o concerto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porquanto eles invalidaram o meu concerto, apesar de eu os haver desposado, diz o Senhor. Mas este é o concerto que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração( e não na pedra) e eu serei seu Deus e eles serão o meu povo. E não ensinará alguém mais o seu próximo, nem alguém a seu irmão, dizendo: Conhecei ao Senhor, porque todos me conhecerão, desde o mais pequeno deles até ao maior, diz o Senhor; porque perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados” (Jr. 31:31-34)

Vimos que o profeta Jeremias profetizou sobre o Antigo Concerto. Agora, vejamos o profeta Zacarias declarou sobre o mesmo: “E tomei a minha vara Suavidade, e a quebrei, para desfazer o meu concerto , que tinha estabelecido com todos estes povos” (Zc.11:10). Com essas palavras Zacarias figuradamente contempla a abolição do Antigo Concerto celebrando com as doze tribos de Israel (Dt.33:1-4; Êx.24:4-8). Zacarias continua: “E eu disse-lhes: Se parece aos vossos olhos, dai-me o que me é devido: e, se não, deixai-o. E passaram o meu salário, trinta moedas de prata” (Zc.11:12). Compare com Mt.27:3-10, Cl.2:14-17.


A ABOLIÇÃO DO ANTIGO CONCERTO CONFIRMADA

A abolição do Antigo Concerto é declarada pelo escritor do livro de Hebreus, nestas palavras: “Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente quanto é mediador dum melhor concerto, que está confirmado em melhores promessas. Porque, se aquele primeiro fora irrepreensível (o velho pacto contendo inclusive os 10 mandamentos), nunca se teria buscado lugar para o segundo. Porque, repreendendo-os, lhes diz: Eis que virão dias, diz o Senhor em que com a casa de Israel e com a casa de Judá estabelecerei um Novo Concerto. Não segundo o concerto que fiz com seus pais no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; como não permaneceram naquele meu concerto, eu para eles não atentei, diz o Senhor... Dizendo Novo Concerto, envelheceu o primeiro. Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar” (Hb.8:6-9,13 – parênteses meu). “Então disse: eis aqui venho, para fazer, ó Deus, a tua vontade. Tira o primeiro, para estabelecer o segundo” (Hb.10:9). “O qual nos fez também capazes de ser ministros dum novo testamento, não da letra (lei), mas do espírito; porque a letra (lei) mata, e o espírito vivifica. E se o ministério da morte, gravado com letras de pedras (os 10 mandamentos), veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podia, fitar os olhos na face de Moisés, por causa da glória do seu rosto(que representava o velho pacto), a qual era transitória. Como não será maior glória o ministério do Espírito? Porque, se o ministério da condenação (aqui referindo-se aos 10 mandamentos) foi glorioso, muito mais excederá em glória o ministério da justiça. Porque também o que foi glorificado nesta parte não foi glorificado, por causa desta excelente glória. Porque, se o que era transitório foi para glória(os 10 mandamentos), muito mais é em glória o que permanece”(IICor.3:6-11, o parêntese é nosso, pois aqui os ADV não tem como fugir da realidade, o apóstolo Paulo chama categoricamente os 10 mandamentos de “Ministério da morte” e o taxa como transitório). Este último vrs. Claramente declara que o que foi com glória haveria de acabar. Agora, para saber o que se acabou, perguntemos: O que foi para glória? O vrs.7 nos dá a resposta: “E, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, veio em glória..”. Que lei foi gravada em pedras pelo dedo de Deus? A resposta só pode ser uma: OS DEZ MANDAMENTOS. Leiamos: “O Senhor me deu as duas tábuas de pedra, escritas com o dedo de Deus; e nelas tinha escrito conforme todas aquelas palavras que o Senhor tinha falado convosco...” (Dt.9:10). “Então, disse o Senhor a Moisés: Sobe a mim, ao monte, e fica lá, e dar-te-ei tábuas de pedra, e a lei, e os mandamentos...” (Êx.24:12). “Então, vos anunciou ele o seu concerto, que vos prescreveu, os dez mandamentos, o os escreveu em duas tábuas de pedra”(Dt.4:13).


A ABOLIÇÃO DO SÁBADO

Encontramos em Os.2:11 uma profecia sobre a abolição do Sábado: “E farei cessar todo o seu gozo, as suas festas, as suas luas novas e os seus sábados; e todas as suas festividades”. Quando apontamos Cl.2:14-17 como se referindo ao cumprimento dessa profecias de Oséias, os ADV discordam arrazoando que a palavra “sábados” de Cl.2:16 se refere aos por eles denominados de “sábados cerimoniais ou anuais” que aparecem em Levítico 23, na relação dos feriados nacionais judaicos. Ocorre que os denominados “sábados cerimoniais ou anuais” já se encontram incluídos na expressão “dias de festas” de Cl.2:16: “Portanto ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festas, ou lua nova, ou dos sábados”. A prova está em Lv.23:37, que diz: “Estas são solenidade do Senhor...” Acerca do Sábado, indicado em Cl.2:16 se lê: “Além dos sábados do Senhor...”(Lv.23:38), isto é, os sábados semanais. Leiamos também: “E santificai os meus sábados(semanais), e servirão de sinal entre mim e vós, para que saibais que eu sou Senhor, vosso Deus”(Ez.20:20, parêntese nosso). Compare: “Guardarão, pois, o Sábado os filhos de Israel...Entre mim e os filhos de Israel será um sinal para sempre; porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, e, ao sétimo dia, descansou, e restaurou-se”(Êx.31:16-17).

Tornando mais clara a declaração bíblica da abolição do Sábado semanal com base em Cl.2:14-16, apontamos:

- a expressão de Paulo em Cl.2:16 “dias de festas” se relaciona com os feriados nacionais judaicos, denominados festas e pelos ADV como “sábados cerimoniais ou anuais”(denominação anti - bíblica e sem fundamento) . São sete as festas anuais:

1) Festa da Páscoa – 15o dia do 1o mês – (Lv.23:5-7).
2) Festa dos asmos – 21o dia do 1o mês – (Lv.23:8).
3) Festa de pentecostes – 50o dia desde a Páscoa – (Lv.23:15-16).
4) Festa das trombetas – 1o dia do 7o mês – (Lv.23:23-25).
5) Festa da Expiação – 10o dia do 7o mês – (Lv.23:26-32).
6) Festa dos Tabernáculos (1o dia) – 15o dia do 7o mês.
7) Festa dos Tabernáculos (último dia de festa) – (Lv.23:24-36)

b) – A fórmula “dia de festas, luas novas e sábados” é a fórmula consagrada para indicar os dias sagrados anuais, mensais e semanais ou semanais, mensais e anuais.

1o ) Exemplo “Porém no dia de Sábado(semanal) dois cordeiros de um ano... Holocausto é do Sábado (semanal) em cada Sábado....” (Num.28:9-10, parêntese nosso). “E as suas libações serão metade dum him de vinho para um bezerro... este é o holocausto da lua nova (cada mês) de cada mês, segundo os meses do ano” (Vrs.14). “Porém no mês primeiro, aos catorze dia do mês, é a páscoa do Senhor (cada ano) e aos quinze do mesmo mês haverá festa: sete dias se comerão pães asmos”(Vrs.16,17). Temos então a ordem dos holocausto: semanal, pela palavra “Sábado”; mensal, pela expressão “lua nova”; e anual, pela expressão “dias de festas”.

2o ) Exemplo: “E para cada oferecimento dos holocaustos do Senhor, nos sábados (cada semana), nas luas novas (cada mês), e nas solenidades (cada ano) por conta, segundo o seu costume, continuamente” (ICr.23:31, parêntese é nosso).

3º ) Exemplo: “Eis que estou para edificar uma casa ao nome do Senhor meu Deus, para lhe consagrar, para queimar perante ele incenso aromático, e para o pão contínuo da proposição, e para os holocaustos da manhã e da tarde (cada dia), nos sábados (cada semana), e nas luas novas (cada mês) e nas festividades (cada ano)” (IICr.2:4, parêntese é nosso). (leiam também: IICr.8:13; 31:3, Ez.45:17)

Último exemplo:
“E farei cessar todo seu gozo, as suas festas (cada ano), as suas luas novas (cada mês), e os seus sábados (cada semana), e todas as suas festividades”(Os.2:11, parêntese nosso). (Agora, retornemos a Colossenses 2:14-17: “Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós cravando-a na cruz. E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo. Portanto ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa (cada ano), ou da lua nova (cada mês), ou dos sábados (cada semana)), que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo”(parênteses nosso).

Usando o argumento citado pelos ADV, que dizem o seguinte: “os termos Sábado, sábados e dia de Sábado aparecem setenta vezes no NT e em cada caso, exceto um, refere-se ao sétimo dia”(livro ADV: Estudos Bíblicos, p.378, 4o Ed.79). E qual o caso que “seria” exceção? Justamente Cl.2:16. Então, se os termos “Sábado”(singular), “sábados”(plural) ou “dia de Sábado” aparecem sessenta vezes e sempre se refere ao sétimo dia, ou Sábado semanal, e dando a eles o sentido de Sábado , nessas sessenta vezes – interpretação essa também aceita por tos os Adventistas, com exceção de apenas uma referência – então a nossa interpretação é correta, pois temos o apoio dessa interpretação cinqüenta e nove casos e os ADV só tem um. Se for um princípio de interpretação bíblica de que a Bíblia com a Bíblia se interpreta, a nossa interpretação, de Cl.2:16 é o sétimo dia, é correta. Alguns exemplos onde ocorre a palavra Sábado reconhecidas pelos ADV como sendo semanal: Mt. 12:1,2,5,10,12; 28:1; Mc.15:42; Lc.4:16,31; Etc... Dentre outras referências.

Contestam os ADV que o Sábado de Cl.2:16 não pode ser o Sábado semanal porque tais sábados não podem ser tidos como sombra. Ora, tanto pode, que é sombra do descanso que Cristo viria trazer para os seus (Mt.11:28-30, Is.11:10. Hb.4). Além disso, temos a palavra de um eminente teólogo ADV que assim afirma: “Além mais, a interpretação teológica que o comentário adventista dá (The Seventh-day Adventist Bíble Comentary) ao Sábado é difícil de justificar, uma vez que temos visto que o Sábado pode legitimamente ser considerado como sombra ou símbolo adequado da bênção presente e futura da salvação. Além disso notamos que o termo sombra é usado não em um sentido pejorativo, como um rótulo para observâncias inúteis cuja função cessou, mas para qualificar o seu papel em relação ao corpo de Cristo. Outra indicação significativa que contraria o Sábado cerimonial anual é de que estes já estão incluídos na palavra “heortês” e se “sabbáton” significasse a mesma coisa haveria uma repetição desnecessária. Estas indicações mostram fortemente que a palavra “sabbáton” conforme usada em Cl.2:16 não pode referir-se a nenhum dos sábados cerimoniais anuais” (From Sabbath To Sunday, p.358,359,360-1977, de Samuel Bacchiocchi).


A DIFERENÇA ENTRE OS DOIS CONCERTOS

ANTIGO CONCERTO:
1) Dado por Moisés (Jo.1:17).
2) Jugo de servidão (Gl.5:1).
3) Findou em Cristo (Rm.10:4).
4) Produz Morte (IICor.3:7).
5) Produz Condenação (IICor.3:9).
6) Era sombra (Cl.2:14-17)
7) Exige Justiça (Lc.10:28).
8) Nada aperfeiçoou (Hb.7:19).
9) Veio em glória (IICor.3:7).
10) Pobre para salvar (Hb.9:9).
11) Relembra o pecado (Hb.10:3).
12) Glória encoberta (IICor.3:13).
13) Traz maldição (Gl.3:10).
14) Sob a lei (Rm.6:14,15).
15) Sem herança (Rm.4:13).
16) Ratificado c/ sangue de animais (Hb.9:16-22).
17) Produz ira (Rm.4:15).
18) Não pode remir (Hb.10:4).
Abolição predita (Os.2:11)

NOVO CONCERTO:
1) Dado por Cristo (Hb.8:6;9:15).
2) Lei da liberdade (Tg.1:25).
3) Estabelecido por Cristo (Hb.10:9).
4) Produz Vida (Rm.8:2).
5) Produz liberdade (Gl.5:1).
6) É realidade (Hb.10:1-18).
7) Oferece Justiça (Jo.1:17; 3:16)
8) Produz perfeição (Hb. 7:19).
9) Maior Glória (IICor.3:8-10).
10) Salva perfeitamente (Hb.7:25).
11) Apaga o pecado (Hb.8:12).
12) Refletindo glória (IICor.3:8).
13) Liberta da maldição (Gl.3:13).
14) Sob a graça (Gl.3:22-25).
15) Eterna Herança (Hb.9:15).
16) Ratificado com o sangue de Jesus Cristo (Mt.26:26-28).
17) Livra da ira (Rm.5:9).
18) Redime (Gl.3:13; Hb.9:25).
Estabelecimento predito (Hb.8:7)


O DOMINGO – O DIA DO SENHOR

Dizem os ADV no folheto “Por que se Guarda o Domingo?”: “O Domingo, segundo (dicionário de Inglês) Webster, chama-se assim (dia do Sol), por que era antigamente dedicado ao Sol ou ao seu culto”. Daí, os ADV referir-se ao vocábulo inglês “Sunday” (dia do sol), para nós, em português - o Domingo, para expor que a guarda de qualquer outro dia que não seja o Sábado tenha um caráter pagão. Esquecem-se os ADV de que o Sábado, em inglês, escreve-se “Saturday” e que significa dia dedicado ao deus Saturno. De Saturno surge às festas saturnais, dedicadas ao deus da agricultura. Logo, se é pagão o Domingo por designar o dia do sol em inglês o Sábado, pela mesma lógica e razão, seria o dia pagão por designar o dia dedicado a Saturno.

Os ADV, por certo, não ignoram que os dias da semana eram indicados por nome de planetas e astro Sol, como segue:

Domingo: Dia do Sol, segunda: dia da Lua, Terça: dia de Marte, Quarta: dia de Mercúrio, Quinta: dia de Júpiter, Sexta: dia de Vênus, SÁBADO: DIA DE SATURNO.
Os ADV gostam também muito de argumentar a história, alegando que a Igreja primitiva guardava o Sábado e que o protestantismo, no seu início, fazia o mesmo. Vamos citar apenas algumas fontes e mostrar que, se o fato é história, os Adventistas vão se dar mal, pois desde os pais da Igreja até Lutero – o Domingo sempre teve um patamar especial acima de todos os dias, embora não se vê imposição para a guarda do mesmo como acontece no caso do Sábado.


OS PAIS DA IGREJA

- Justino, o Mártir: 100-167d.C. Eis aqui como Justino, o Mártir, descreveu o culto primitivo dos cristãos: “No Domingo há uma reunião de todos que moram nas cidades e vilas, lê-se um trecho das memórias dos Apóstolos e dos escritos dos profetas, tanto quanto o tempo permita. Termina a leitura, o presidente, num discurso, admoesta e exorta à obediência dessas nobres palavras. Depois disso, todos nos levantamos e fazemos uma oração comum. Finda a oração, como descrevemos antes, pão e vinho (suco de uva) e ação de graças por eles de acordo com a sua capacidade, e a congregação responde, Amém. Depois os elementos consagrados são distribuídos a cada um e todos participam deles, e são levados pelos diáconos às casas dos ausentes. Os ricos e os de boa vontade contribuem conforme seu livre arbítrio; esta coleta é entregue ao presidente (pastor) que, com ela, atende a órfãos, viúvas, prisioneiros, estrangeiros e todos quantos estão em necessidade”(Manual Bíblico, Halley)

- Inácio, 100d.C., disse: “Aqueles que estavam presos às velhas coisas vieram a uma novidade de confiança, não mais guardando o Sábado, porém vivendo de acordo com o dia do Senhor”.

- Tertuliano: 160-220. No início do século III, Tertuliano chegou a afirmar que: “Nós (os cristãos) nada temos com o Sábado, nem com outras festas judaicas, e menos ainda com as celebrações dos pagãos. Temos nossas próprias solenidades: O Dia do Senhor... (On indolatry 14). Em “De oratione”(23). Tertuliano insiste na cessação do trabalho no Domingo como dia de culto para o povo de Deus.

- O ensino dos Apóstolos, obra siríaca: Encontramos um testemunho muito interessante na obra citada, que data da segunda metade do século III, segundo a qual os apóstolos de Cristo foram os primeiros a designar o primeiro dia da semana como dia do culto cristão: “Os apóstolos determinaram, ainda: no primeiro dia da semana deve haver culto, com leitura das Escrituras Sagradas, e a oblação. Isso porque mo primeiro dia da semana o Senhor nosso ressuscitou dentre os mortos, no primeiro dia da semana o Senhor subiu aos céus...” (Ante-necene fathers, 8668).(Enciclopédia Vida, autor judeu: Archer)

- Eusébio de Cesaréia: 264-340 d.C., bispo de Cesaréia, historiador da Igreja, viveu e foi preso durante a perseguição de Diocleciano contra os cristãos, a qual foi o último e desesperado esforço de Roma por varrer da terra o cristianismo. Um dos seus objetivos (objetivos de Roma) especiais foi destruir todas as escrituras cristãs... Eusébio viveu até o reinado de Constantino,... Um dos primeiros atos de Constantino, ao ascender ao trono, foi mandar preparar, sob a direção de Eusébio... Cinqüenta BÍBLIAS para as Igrejas de Constantinopla. (Halley). (os manuscritos que temos, provavelmente, saíram do trabalho de Eusébio). Agora vejamos o que Eusébio pensava a respeito da guarda do Sábado: “Eles, portanto, não consideravam a circuncisão, nem observavam o Sábado, como também nós; nem nos abstemos de certos alimentos, nem consideramos outras imposições que Moisés subseqüentemente entregou para serem observadas em tipos e símbolos, porque tais coisas não dizem respeito aos cristãos...”; “Também celebravam os dias do Senhor como nós, para comemorar a sua ressurreição” (Livro: História da Igreja, Eusébio, século III, P.27, 106, Ed. CPAD, ed.1999)


A INSTITUIÇÃO DO DIA DO SENHOR

Quem será o responsável pela instituição do Dia do Senhor? Quem fez o primeiro dia da semana o Dia do Senhor? (Ap.1:10):“Eu fui arrebatado em espírito no Dia do Senhor...”(O grifo é nosso). A própria Bíblia responde: “A pedra que os edificadores rejeitaram tornou-se cabeça da esquina. Foi o Senhor que fez isto, e é coisa maravilhosa aos nossos olhos. Este é o dia que fez o Senhor; regozijem-nos e alegremo-nos nele” (Sl.118:22-24, compare At.4:11; Mc.16:9). Esses versículos são bem claros e quase dispensam comentários. Entretanto, não é inoportuno comentá-los. Todos sabemos que a pedra rejeitada é Jesus. Quando começou o seu ministério declarou ser o filho de Deus, mas os judeus recusaram crer. No termino do seu ministério, diante da corte de Pilatos, declararam: “Seja crucificado” (Mt.27:22). Cumpriu-se assim a primeira parte da profecia; “a pedra que os edificadores rejeitaram...”. A outra parte, “tornou-se cabeça de esquina” cumpriu-se no dia da sua ressurreição, quando Jesus declarou: “é me dado todo o poder do céu e na terra”(Mt.28:18). Assim, cumpriu-se o resto dos salmos profético, quando Jesus ressuscitou no primeiro dia da semana – tornando-se o “dia que fez o Senhor”(vrs.24). Acerca dessa dia “que fez o Senhor” – disse o escritor profeticamente: “Regozijem-nos e alegremo-nos nele”. Esta parte final da profecia se cumpriu exatamente no primeiro dia da semana: “Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana (O Domingo), e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesus... De sorte que os discípulos se alegraram vendo o Senhor” (Jo.20:19-20).


A EXPRESSÃO DIA DO SENHOR

Os ADV querem, a toda força, provar que a expressão “dia do Senhor” se refere ao Sábado e não ao Domingo. Entretanto, várias traduções da Bíblia provam essa que essa expressão se refere ao Domingo e não ao Sábado. Se João quisesse se referir ao Sábado, bastaria indicar a forma convencional e o modo inequívoco usado em outras partes da Bíblia. Vejam algumas traduções o que dizem:
-“Um dia de Domingo, fui arrebatado em espírito...” (Tradução Matos Soares).
-“Eu fui arrebatado em espírito num dia de Domingo...” (Tradução Figueiredo).
-“Num Domingo, caindo em êxtase, ouvi atrás de mim... (Ed. paulinas).
-“Num Domingo, fui arrebatado em êxtase...”(Versão dos Monges de Maredsous – Bélgica).

Além dos textos acima, vejam o que é dito pelo Dr. Archer sobre essa passagem: “O Dia Do Senhor” (Ap.1:10). “Dia do Senhor” está expresso no caso dativo: “té kyriaké hémerà. Não existe base válida para que se questione se se trata de fato do Domingo. ATÉ HOJE ESSA É A EXPRESSÃO REGULAR PARA “DOMINGO” NO GREGO MODERNO. ” (Archer)

Afirmam os ADV: “a observância do primeiro dia da semana como dia de adoração a Deus implica em receber o “Sinal da Besta” de Ap.13:18”. Para sustentar essa posição, afirmam que o papa possui, na coroa papal, uns dizeres como seguem: “VIGARIUS FILII DEI”, cuja soma em algarismo romanos dá 666, mas não podemos nos esquecer que essa teoria é falha e pode não dar certo. Prova disso é que se quisermos transformar qualquer pessoa em “besta” é só usar um pouco e criatividade. Vejamos o cômputo dos Adventistas em relação ao Papa:

V I C A R I U S F I L I I D E I
5 + 1 + 100+1+5+ 1+50+1+1 + 500+ 1= 666


Vejamos agora o cômputo com o nome da Sra. White, “o espírito da profecia”:

E L L E N G O U L D W H I T E
50+50+ 5+50+500 5+5 + 1 = 666 – O NÚMERO DA BESTA
Onde é w é = v,v = 5,5


Como vemos fica difícil aos Adventistas quererem sustentar a pseudodoutrina sabática, que é desmoronada pelo argumento; Teológico e histórico. Quando os ADV apelam para a história para aclamar Constantino como inventor do “Dia do Senhor”, são penalizados pela mesma história que nos mostra que a Igreja de Cristo, a verdadeira e não a falsa Igreja Adventistas, sempre teve no Domingo o dia do culto principal para louvar e se lembrar do fato que mudou o universo - A RESSURREIÇÃO DE CRISTO NO DOMINGO.

Queremos deixar claro que, a Igreja de Cristo, nunca impôs a obrigatoriedade de se guardar um dia de forma legalista, pois o apóstolo Paulo deixou explícito que, quem fica guardando dias religiosos e fazendo dele seu baluarte, decaíram da Graça (Gl.4:10,11; 5:4).

Para confirmarmos tudo isso que dizemos e provarmos aos moldes adventistas, vamos citar o livro adventista “Sutilezas do Erro”, p.134 – 1o Ed. de 1965 que declara: “Que sucede com os homens citados que guardaram o Domingo no passado e a maioria dos que guardam hoje?”.

_________________________________________________________

Para saber mais sobre o Adventismo – O CACP disponibiliza para você, por um preço especial, os seguintes produtos:

DVDs
. A Abolição dó Sábado e a Guarda do Domingo – Pr. Natanael Rinaldi mostra biblicamente que o cristão não precisa guardar o sábado e que o Domingo é o dia do Senhor.

. Ellen White seria realmente o Espírito de Profecia? Nesse DVD o Prof. Dalton Gerth (Ex-Adventista) mostra documentalmente que a profetisa do adventismo falhou em seus ensinos e vaticinou várias falsas profecias.

. Juízo Investigativo: Justificativa para uma falsa profecia. Prof. Dalton Gerth desbarata a principal doutrina do adventismo – imperdível!

APOSTILAS
. A Questão do Sábado – Nessa apostila o Pr. Natanael Rinaldi mostra o porquê a retórica adventista sobre o sábado é equivocada.

. Como Responder aos Adventistas do Sétimo Dia – Todos os argumentos basilares do adventismo são respondidos nessa apostila.

CURSOS
. Curso de Apologética On-line - Aprenda a defender-se das seitas e de suas heresias.




Autor: Pastor Natanael Rinaldi Fonte:CACP

9 comentários:

Waldecy A. Simões disse...

AS SETE VERDADES BÍBLICAS SOBRE O SÉTIMO DIA.



A maioria cristã faz uma tremenda confusão a respeito de sábados e domingos. Os cristãos, em minoria, julgam corretamente que o Criador, que nunca muda, jamais aceitaria que uma só de suas leis fundidas nas Rochas Sagradas pudesse ser “lixada” pelos homens, portanto, creem firmemente que o Sábado é o Dia do Senhor. Outra parte considerável crê que Jesus teria revogado todas as dez leis a favor da religião da graça e da liberdade. Uma terceira parte, bem maior, prefere crer que pela ressurreição de Jesus ele teria revogado o Quarto Mandamento a favor do domingo, permanecendo, então, como válidos, os demais mandamentos (nove).

ONDE ESTÁ, ENTÃO, DE FATO E DE DIREITO, A VERDADE BÍBLICA? Ora, vamos colocá-la aqui, resumidamente, mas de modo tão legítimo, tão cristalino e conclusivo que não dará chance alguma a qualquer refutação, sem se ingressar no farisaísmo religioso (o que é pior do que não ser cristão).

Vamos às Sete Verdades que não têm como ser desmentidas, pois Está Escrito:

1) O Mandamento do Sétimo Dia foi instituído na Criação do mundo (Gênesis 2:3), não para o próprio Criador, pois em sua perfeição jamais criaria um Mandamento para si próprio, não tem como e, como Espírito Perfeito jamais se cansa, então o Mandamento do sábado foi criado para o homem, pois ele, sim, necessita de um dia de descanso na semana. O próprio Jesus legitimou isso no Evangelho ao reger:

“O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado; de sorte que o Filho do homem é, também, o Senhor do sábado”. Jesus Cristo, em Marcos 2:28. Se o Filho de Deus afirmou que o sábado foi criado para o homem, então o sábado foi criado para a Humanidade, assim como os castigos promulgados contra Adão e Eva foram, também, dirigidos à Humanidade.

Quanto a ser o Senhor do sábado, Jesus também afirmou que é maior que o Templo (Mateus 12:6, maior que Abraão (João 8:57), maior que Jonas (Lucas 11:32), maior que Salomão (Mateus 12:42) e mais importante que Jacó, sem desmerecer qualquer um deles, portanto, também não desmereceu o santo sábado, pois é o Senhor de Tudo, pois está Escrito que Deus lhe deu toda a autoridade sobre tudo o que existe:

“Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra”. Jesus, em Mateus 28:18,

2) A maioria evangélica, católicos e ortodoxos julgam, temerariamente, que a Ressurreição de Jesus teria anulado, teria riscado das Rochas de Deus o Mandamento do Sétimo Dia, dando lugar ao primeiro dia da semana, o tal domingo, mas isso é absolutamente impossível, pois não há uma só linha no Evangelho que autorize tal mudança, mesmo porque Está Escrito que Deus Nunca Muda em suas Promulgações à Humanidade:

“Seca-se a erva, e cai a flor, soprando nela o Espírito do Senhor. Na verdade o povo é erva. Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente”. Isaías 40:7. Continue a ler.

Waldecy A. Simões disse...

“Porque toda a carne é como a erva, e toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor, mas a palavra do Senhor permanece para sempre. E esta é a palavra que entre vós foi evangelizada”. I Pedro 1:24.

Então, segundo as Escrituras, o sábado é para sempre, e se teria havido mudança a respeito, essa foi criada pelo homem e nunca por Deus. Quanto a isso, num descuido, o clero católico confessa, por escrito, o seu gravíssimo erro ao atentar violentamente contra o Sétimo Dia.:

“A Igreja de Deus, porém, achou conveniente transferir para o domingo a solene celebração do sábado”. Catecismo católico, Edição2, Editora Vozes, Petrópolis, RJ. 1962.

1) Uma parte dos cristãos julga que Jesus acabou com as leis a favor da graça e da liberdade, mas Jesus fez tudo exatamente ao contrário, pois legitimou TODAS as leis do Decálogo em sua primeira pregação à Humanidade, no Sermão do Monte e ainda amentou o grau de observação em algumas das 10 leis (Mateus, 5:21 a 32.

“Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til jamais passará da lei sem que tudo seja cumprido”. Jesus, em Mateus 5:17 a 37. Está Escrito que tudo será cumprido na Consumação dos Séculos, no Grande Dia de Jesus, quando os Portais do Reino de Deus serão abertos aos mortais de Jesus, antes fechados desde Adão e Eva (João 14:1 a 3, como também em 1 Tessalonicenses 4:13 a 17).

Se Jesus Cristo afirmou que das leis de Deus Pai nem mesmo um simples til se poderá retirar, é absolutamente impossível atentar contra a lei do sábado, pois o Quarto Mandamento contém 80 palavras ou 433 caracteres. E assim, pelo menos até o Grande dia da Volta de Jesus, o sábado é para sempre!

2) A ampla maioria cristã alega que em sua vida pública Jesus teria violado os sábados ao trabalhar nesse dia, mas quem o acusou de violar os sábados foram os fariseus, os filhos do diabo, assim como Jesus Cristo os nomeou em João 8:44. A respeito dessa acusação dos filhos de Satanás, vamos ver que Jesus respondeu a eles que apenas APARENTAVA que ele desrespeitava os santos sábados:
“Se o homem recebe a circuncisão no sábado, para que a lei de Moisés não seja quebrantada, indignais-vos contra mim, porque no sábado curei de todo um homem? Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça”. Jesus, em João 7:23 a 24

“E, tomando a palavra o príncipe da sinagoga (filho do diabo acusador), indignado porque Jesus curava no sábado, disse à multidão: Seis dias há em que é mister trabalhar; nestes, pois, vinde para serdes curados, e não no dia de sábado. Respondeu-lhe, porém, o Senhor, e disse: Hipócrita, no sábado não desprende da manjedoura cada um de vós o seu boi, ou jumento, e não o leva a beber? E não convinha soltar desta prisão, no dia de sábado, esta filha de Abraão, a qual há dezoito anos Satanás tinha presa?”. Lucas 13:14-16, Jesus revela que o amor de caridade tem preponderância sobre qualquer lei (1 Coríntios 13:13)..

“E, estava ali um homem que tinha uma das mãos mirrada; e eles (os fariseus do diabo), para o acusarem, o interrogaram, dizendo: É lícito curar nos sábados? E ele lhes disse: Qual dentre vós será o homem que tendo uma ovelha, se num sábado ela
Continue a ler

Waldecy A. Simões disse...

cair numa cova, não lançará mão dela, e a levantará? Pois, quanto mais vale um homem do que uma ovelha? É, por consequência, lícito fazer bem nos sábados. Então disse àquele homem: Estende a tua mão. E ele a estendeu, e ficou sã como a outra. E os fariseus, tendo saído, formaram conselho contra ele, para o matarem”. Mateus 12:10-14.

“E os escribas e fariseus (filhos do diabo) observavam-no, se curaria no sábado, para acharem de que o acusar. Mas ele (Jesus) bem conhecia os seus pensamentos; e disse ao homem que tinha a mão mirrada: Levanta-te, e fica em pé no meio. E, levantando-se ele, ficou em pé. Então Jesus lhes disse: Uma coisa vos hei de perguntar: É lícito nos sábados fazer bem, ou fazer mal? salvar a vida, ou matar? E, olhando para todos em redor, disse ao homem: Estende a tua mão. E ele assim o fez, e a mão lhe foi restituída sã como a outra. E ficaram cheios de furor, e uns com os outros conferenciavam sobre o que fariam a Jesus”. Lucas 6:7-11.

“E dizia-lhes Jesus: Invalidais o Mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição”. Jesus, em Marcos 7:9

1) O sábado é o ÙNICO Mandamento chamado por Deus de Santo e Bendito e o Único estabelecido como UM SINAL entre ele e a Humanidade: “Santificai os meus sábados, pois servirão de sinal entre mim e vós, para que saibais que eu sou o SENHOR, vosso Deus”. Ezequiel 20:20.

Ora, se o sábado foi estabelecido por Deus como UM SINAL entre ele e a Humanidade, de modo algum jamais sairá dessa condição divina. Quanto aos que julgam que esse Sinal foi dado apenas aos israelitas, então, nesse caso, nós não podemos nos servir de nenhum livro do Velho Testamento, nem dos Salmos, etc. e nem mesmo de Malaquias, muito usado para legitimar os dízimos. É ou não é? Dois pesos e duas medidas não vale! Além disso, abaixo, no capítulo 7, Está Escrito que nós somos os legítimos herdeiros dos israelitas e que Jesus, de todos nós, fez UM SÓ POVO.

2) Dizem os sábios que um bom exemplo vale mais que mil palavras. É ou não é? É claro que é! então, vamos ver os vários exemplos de Jesus e de sua Igreja Primitiva santificando os sábados (que valem mais que milhões de palavras) até mesmo décadas após a Ressurreição? Essa parte ANULA completamente as pretensões dos que defendem erradamente o domingo “substituindo” o Sábado Santo, solene e Abençoado do Senhor:

“E, chegando a Nazaré, onde fora criado, (Jesus) entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler”. Lucas 4:16. Jesus, nos concedendo o exemplo, pois segundo o Mandamento e a Tradição israelita, guardou o sábado por toda a sua vida.

Antes da ressurreição de Jesus, os cristãos faziam do sábado um dia de louvor:

“O sábado ia começar. Ora, as mulheres que tinham ido da Galiléia com Jesus, indo, observaram o sepulcro onde fora colocado o corpo de Jesus. Voltando, prepararam aromas e bálsamos. No sábado, observaram o repouso, segundo a Lei”. Lucas 23:55 - 56. A Igreja de Jesus, nos concedendo o exemplo. Continue a ler

Waldecy A. Simões disse...

Então, Jesus ensinou a sua Igreja a ser também legalista! Vejamos a Igreja Cristã aos tempos de Paulo, décadas depois da ressurreição de Jesus os cristãos de Paulo fazendo do sábado um dia de culto e louvor:

“No dia de sábado, saímos fora da porta, junto ao rio, onde julgávamos haver um lugar de oração; e, assentando-nos, falamos às mulheres que para ali tinham concorrido”. Atos dos Apóstolos 16:13.
Esse preceito revela, com toda clareza, de modo irrefutável, um culto de louvor aos sábados pelos cristãos. As mulheres cristãs sempre trabalhavam, só não aos sábados. Então, segundo o preceito acima, estavam em dia de descanso, santificando os sábados assim como os homens! Mas fariseus de quase todas as denominações, também católicos e ortodoxos alegam que a Igreja de Jesus santificava o tal domingo. É possível uma tolice dessas, depois dessas revelações?

“No sábado seguinte, concorreu quase toda a cidade para ouvir a palavra de Deus, mas os judeus, vendo aquela concorrência, encheram-se de inveja...”. Atos 13:41 - 44.
Se os judeus encheram-se de inveja não se tratava de uma reunião judia aos sábados, mas sim um culto cristão que reuniu quase toda a cidade para louvar no sábado. Isso não poder ser negado!

“E todo o sábado, ensinava na sinagoga, persuadindo tanto judeus como gregos”. Atos 18:4.
Os defensores do domingo, inventado, argumentam, falsamente, que Paulo comparecia às sinagogas dos judeus aos sábados, porque era nesse dia que podia encontrá-los, mas não é o caso aqui, pois, pela sua tradição, os judeus jamais aceitariam que gentios pagãos - no caso presente os gregos - participassem de cerimônias em seus templos, em simples reuniões e nem mesmo jamais aceitariam permanecer com eles ou com outros pagãos no mesmo ambiente. Sabemos que o santo em vida Paulo não ensinava somente aos judeus, mas principalmente aos demais pagãos. Quanto a isso, se os primeiros cristãos guardavam o sábado mesmo após a ressurreição de Jesus, só isso prova a Grande Mentira do tal domingo, um feito gigantesco de Satanás, segundo o Apocalipse 13:7.

Em Atos dos Apóstolos, conforme a tradição dos apóstolos de santificarem os sábados, um preceito é usado como referência ao Quarto dos Mandamentos:

“Então voltaram para Jerusalém, do monte chamado Olival, que dista daquela cidade tanto como a uma jornada de sábado...”. Atos 1:12. Ora, ao se referirem a uma jornada de sábado como exemplo pelos apóstolos de Jesus, é certo que se tratava de um preceito em uso.

“Orai para que vossa fuga não se dê no inverno, nem no sábado”.
Jesus Cristo, em Mateus 24:20, ressalta, novamente, a grande importância do sábado (nem no inverno que é muito frio, o que dificultaria a fuga dos inimigos romanos (na terrível carnificina, no massacre contra os judeus nos anos 70, no episódio Masada), nem nos sábados porque é o Dia Santo de Deus, consagrado para descanso e louvor.

1) Os cristãos, em parte, alegam, altamente equivocados, que o Decálogo do Monte Sinai, no qual o sábado está intrínseco, teria sido dado apenas aos israelitas, e não a nós do Evangelho, por isso, alegam que “nós não temos obrigação de guardar”. Mas vejamos que a Verdade do Evangelho de Deus que nos faz herdeiros dos israelitas: Continue a ler

Waldecy A. Simões disse...

“E todos os profetas, a começar por Samuel, assim como todos os que depois falaram, também anunciaram estes dias. Vós sois os filhos dos profetas e da aliança que Deus estabeleceu com vossos pais, dizendo a Abraão: Na tua descendência serão abençoadas todas as nações da Terra”. Atos dos Apóstolos 3:24 - 25. Os herdeiros não herdam apenas as bênçãos, mas também as obrigações.

Novamente, a Verdade do Evangelho faz dos cristãos e de Israel um só povo:

“Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um e, derrubando a parede de separação que estava no meio, na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz, e pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades. E, vindo, ele evangelizou a paz, a vós que estáveis longe, e aos que estavam perto; porque por ele ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito. Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus”. Efésios 2:14 a 19.

“...na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos que consistia em ordenanças...”. Esse verso, retirado do preceito acima, nada tem a ver com a derrocada do Decálogo, pois sendo isso impossível, o apóstolo Paulo, sempre dirigido pelo Espírito Santo de Deus, se refere às ordenanças e leis antigas, provindas de Levítico, criadas numa época para regular as ações dos israelitas nos difíceis 40 anos de deserto, mas que de forma alguma tiveram lugar no Evangelho de Jesus. E isso Está Escrito em Lucas 16:16, que revela:

A lei e os profetas vigoraram até João; desde então é anunciado o reino de Deus, e todo o homem emprega força para entrar nele. E é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til da lei. Lucas 16:16 e 17 Esses dois preceitos nos mostram a derrocada (no Evangelho) das leis que escravizavam, que amaldiçoavam e até poderiam nos matar, se tivessem sido integradas no Evangelho. Em seguida a essas colocações, a Palavra de Deus novamente legitima o Decálogo de Deus (as 10 leis).

“O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado; de sorte que o Filho do homem é, também, o Senhor do sábado”. Jesus Cristo, em Marcos 2:28, respondendo à irritação dos judeus quando permitiu que seus amigos colhessem espigas (Mateus, 12:1), com o objetivo de mostrar que o amor de caridade tem de sobrepor-se a toda e qualquer lei, pois é maior que a fé (1Coríntios 13:13) e, por isso, tem de sobrepor-se até mesmo ao mandamento do Sábado, pois seus amigos estavam com fome pelas longas caminhadas. Da mesma forma, Jesus citou Davi que, com fome, ele e os seus amigos avançaram e comeram dos pães sagrados do templo, coisa proibida até para o rei, pois em ambos os casos não se poderia transferir a solução para o dia seguinte. Essa é a regra do sábado santo.
Nesse mesmo preceito, Jesus legitima o sábado mais uma vez: o sábado foi criado pelo Deus Imutável por causa do homem. Portanto, enquanto existir o homem na Terra os sábados terão de ser observados, pelo menos pelos cristãos. E inegavelmente é mais uma Verdade do Senhor Deus que não pode ser contestada por ninguém, e de modo algum!

Para aquele que julga que todos os dias são de Deus, isso é verdade, mas só um ele elegeu como Um SINAL entre ele e o homem e o único dia que nomeou como Santo e Bendito.

No arquivo anexado temos um escrito que completa perfeitamente esse presente, de nome O Tratado sobre as leis de Deus, onde nos mostra como o sábado de Deus foi corrompido e porquê.

Quem precisa de mais que isso para inteirar-se de que O SÁBADO É PARA SEMPRE??? PONTO FINAL!

www.segundoasscrituras.com.br, no qual existe um arquivo completo sobre as leis de Deus. O Tratado Sobre as Leis d Deus, número 119 da página 2 do site

Waldecy Antonio Simões. walasi@uol.com.br

Alexandre dias Mescoloto disse...

Recado curto sobre os sábados

O sábado será sempre o Dia do Senhor, primeiramente porque foi instituído na Criação, foi abençoado e santificado por Deus (quando ele abençoa é para sempre), Em Ezequiel 20:20 foi instituído como um Sinal entre ele e a humanidade (quanto a isso Está escrito que Deus não faz distinção de pessoas ou de raças (Atos 3:24 e 25) ; Está Escrito em I Carta de Pedro 1:24 que DEUS NÃO MUDA e que sua Palavra permanece eternamente. Como ele escreveu, pessoalmente, a Lei do Sétimo Dia nas Rochas Sagradas é para sempre; Jesus promulgou que O SÁBADO FOI CRIADO PARA O HOMEM (Marcos 2:28); Jesus bradou que podem passar os Céus e a Terra antes que das leis se consiga retirar um só caractere, e a leis do sábado tem 433 caracteres (Mateus 5:15 a 37) Sobretudo, Jesus santificou os sábados, sua Igreja, seus apóstolos e a Igreja de Paulo santificaram todos os sábados e jamais um só domingo (Lucas 4:16; Lucas 23:55; Atos 16:13; Atos 13:31 a 44) Outro dia, ouvi o pastor Malafaia afirmar que os evangélicos não guaram o sábado porque nove dos mandamentos estão repetidos no Evangelho, mas o do sábado não; Pura Utopia e desconhecimento bíblico, pois o sábado está repetido por 10 vezes: Marcos 2:28; Lucas 4:16; Lucas 23:55; Atos 16:13; Atos 13:41; Atos 18:4; Atos 1:12; Atos 24:20; Hebreus 4:4; Mateus 5:17 e seguintes. Continue lendo
Estudando-se o Novo Testamento com critério e atenção, concluímos que a palavra de Deus não atribui nenhum significado litúrgico ao dia da ressurreição, simplesmente porque esse acontecimento tem de ser visto apenas como uma realidade existencial experimentada pelo poder do Cristo vitorioso também sobre sua própria morte. De modo algum a ressurreição de Jesus pode ser vista como uma prática cristã associada ao culto aos domingos. Cristo, que havia ressuscitado a outros, não poderia ser vencido pela morte, o que anula totalmente a pretendida importância do tal domingo. Mas a Monumental Vitória de Jesus Cristo deu-se com a sua sofrida Morte na cruz! e não há uma só linha no Evangelho que aponte qualquer indício da troca maluca do sábado pelo domingo. Coisa do papado romano para que se cumprisse a profecia no Apocalipse 13:7: Satanás venceu os santos.
Então, apesar dos pastores famosos e não famosos, O SÁBADO É PARA SEMPRE, PERPETUAMENTE.
Waldecy Antonio Simões
walasi@uol.com.br

Alexandre dias Mescoloto disse...

AS SETE VERDADES BÍBLICAS SOBRE O SÉTIMO DIA.

Parte 1 de 6

A maioria cristã faz uma tremenda confusão a respeito de sábados e domingos. Os cristãos, em minoria, julgam corretamente que o Criador, que nunca muda, jamais aceitaria que uma só de suas leis fundidas nas Rochas Sagradas pudesse ser “lixada” pelos homens, portanto, creem firmemente que o Sábado é o Dia do Senhor. Outra parte considerável crê que Jesus teria revogado todas as dez leis a favor da religião da graça e da liberdade. Uma terceira parte, bem maior, prefere crer que pela ressurreição de Jesus ele teria revogado o Quarto Mandamento a favor do domingo, permanecendo, então, como válidos, os demais mandamentos (nove).

ONDE ESTÁ, ENTÃO, DE FATO E DE DIREITO, A VERDADE BÍBLICA? Ora, vamos colocá-la aqui, resumidamente, mas de modo tão legítimo, tão cristalino e conclusivo que não dará chance alguma a qualquer refutação, sem se ingressar no farisaísmo religioso (o que é pior do que não ser cristão).

Vamos às Sete Verdades que não têm como ser desmentidas, pois Está Escrito. Primeiramente é óbvio e muitíssimo fácil concluir que o Sábado é para sempre, apenas lembrando que a Palavra de Deus permanece eternamente. Quem fugir dessa Verdade, ingressa no farisaísmo:

“Seca-se a erva, e cai a flor, soprando nela o Espírito do Senhor. Na verdade o povo é erva. Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente”. Isaías 40:7.

“Porque toda a carne é como a erva, e toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor, mas a palavra do Senhor permanece para sempre. E esta é a palavra que entre vós foi evangelizada”. I Pedro 1:24.

Então, vamos às Dez provas só refutáveis para aqueles que tentam, de todas as maneiras, fugir da VERDADE BÍBLICA DO SÉTIMO DIA:

1) O Mandamento do Sétimo Dia foi instituído na Criação do mundo (Gênesis 2:3), não para o próprio Criador, pois em sua perfeição jamais criaria um Mandamento para si próprio, não tem como e, como Espírito Perfeito jamais se cansa, então o Mandamento do sábado foi criado para o homem, pois ele, sim, necessita de um dia de descanso na semana. O próprio Jesus legitimou isso no Evangelho ao reger:

“O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado; de sorte que o Filho do homem é, também, o Senhor do sábado”. Jesus Cristo, em Marcos 2:28. Se o Filho de Deus afirmou que o sábado foi criado para o homem, então o sábado foi criado para a Humanidade, assim como os castigos promulgados contra Adão e Eva foram, também, dirigidos à Humanidade.

Quanto a ser o Senhor do sábado, Jesus também afirmou que é maior que o Templo (Mateus 12:6, maior que Abraão (João 8:57), maior que Jonas (Lucas 11:32), maior que Salomão (Mateus 12:42) e mais importante que Jacó, sem desmerecer qualquer um deles, portanto, também não desmereceu o santo sábado, pois é o Senhor de Tudo, pois está Escrito que Deus lhe deu toda a autoridade sobre tudo o que existe:

“Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra”. Jesus, em Mateus 28:18,

2) A maioria evangélica, católicos e ortodoxos julgam, temerariamente, que a Ressurreição de Jesus teria anulado, teria riscado das Rochas de Continue...

Alexandre dias Mescoloto disse...

A Maioria dos pastores evangélicos interpretam errado a Carta aos Gálatas (Final)
Acima, não há possibilidade alguma de Paulo nomear as leis do Decálogo de Deus, fundidas nas Rochas das Leis, como fracas, pobres e de rudimentos inúteis, portanto, mais uma vez Paulo abomina as antigas leis que só vigoraram até João.
A seguir, Paulo novamente abomina as leis antigas que escravizavam, amaldiçoavam e até matavam:
“Eu bem quisera agora estar presente convosco, e mudar a minha voz; porque estou perplexo a vosso respeito. Dizei-me, os que quereis estar debaixo da lei, não ouvis vós a lei?” Gálatas 4:20,21.
A seguir, até o verso 31, Paulo compara as leis antigas aos dois filhos de Abraão: o primeiro filho de uma escrava e o segundo filho de Sarah, segundo a Promessa. Isaque tornou-se o filho da Promessa.
Provando, agora, que na Carta aos Gálatas Paulo reprendia um grupo de gálatas por querer a continuação das leis retrógradas no Evangelho, ele cita, diretamente, uma dessas leis e ordenanças da carne que escravizavam: a lei da circuncisão. Nesses versos Paulo deixa muito bem claro que um dos jugos da escravidão se tratava da lei da circuncisão:
“Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão. E de novo protesto a todo o homem, que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei. Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça tendes caído”. Gálatas 5: 1 a 3.

Somente pelo verso acima tomamos conhecimento de que Paulo nunca e jamais fez qualquer alusão nociva às 10 leis de Deus, instituídas para obediência da Humanidade.

“Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são pesados”. I João 5:3

“Todos os que querem mostrar boa aparência na carne, esses vos obrigam a circuncidar-vos, somente para não serem perseguidos por causa da cruz de Cristo. Porque nem ainda esses mesmos que se circuncidam guardam a lei, mas querem que vos circuncideis, para se gloriarem na vossa carne”. Gálatas 6:12 a13

Então, por todas as colocações bíblicas acima, não há Verdade alguma sobre aqueles que atentam conta as Dez Leis de Deus, essas instituídas, promulgadas e propagadas a bem da Humanidade.
Fiz-me acaso vosso inimigo, dizendo a verdade? Gálatas 4:16.
Waldecy Antonio Simões
walasi@uol.com.br

www.segundoasescrituras.com.br
O Tratado sobre as leis de Deus Elaborado cuidadosamente, e com todos os detalhes sobre as leis bíblicas, pois nada no Universo funciona sem leis.
http://www.segundoasescrituras.com.br/livrosword/122pastoresinterpretamerradoacartaaosgalatas.doc O livro de Gálatas é interpretado errado pela maioria evangélica, também pelos pastores e de maior prestígio. Waldecy Antonio Simões. walasi@uol.com.br

Anselmo Melo disse...

Engraçado. Apesar das sérias acusações os comentaristas sequer mencionaram a Ellen G. White. Porque? Tenho uma opinião. Talvez não encontraram nada para dar "Ctrl+C" e "Ctrl+V". Nenhuma refutação dos argumentos apresentados no artigo. Só a mesma ladainha que todos já conhecem. É sempre assim quando são confrontados, a resposta é sempre "mais do mesmo". Lamentável.

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲