03/03/2012

O que te faz lembrar essa matéria:ONU insiste para que haja união de todas as religiões

Semana Mundial da Harmonia Interreligiosa gerou busca pela compreensão mútua

Nassir Abdulaziz Al-Nasser, presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas, destacou recentemente o potencial “de todas as religiões do mundo” para promoverem a paz e a estabilidade no mundo. “Reconhecemos e celebramos os valores que são partilhados pelas tradições religiosas”, disse. Ele afirmou também que as religiões têm princípios comuns que podem ser usados ​​para trazer unidade e harmonia entre as pessoas.
Seu discurso foi por ocasião da Semana Mundial da Harmonia Interreligiosa, realizada em Nova York, e reuniu representantes de diferentes credos religiosos.
Para Al-Nasser, as religiões e as Nações Unidas têm muito em comum: “Essas semelhanças incluem o respeito pelos direitos humanos – confrme está na Declaração Universal dos Direitos Humanos – a afirmação do valor igual de todos os seres humanos e a importância da compaixão e serviço ao próximo e as aspirações universais pela paz”.
Os estados-membros da ONU decidiram num assembleia em 2010 realizar o evento anualmente. O presidente da Assembleia Geral detacou que a ONU foi estabelecida para “permitir a procura de valores universais como a paz, liberdade, direitos humanos, dignidade e uma unicidade da humanidade, que também são adotados por muitas religiões no mundo”.
A Vice-Secretária-Geral Asha-Rose Migiro destacou que, embora a fé seja ”a ligação que muitas vezes une as comunidades e as culturas ao redor do mundo”, muitas vezes foi usada como uma desculpa para “enfatizar as diferenças e aprofundar as divisões”.
“Só ao encontrarmos uma causa comum, no respeito mútuo de valores espirituais e morais é que podemos esperar que haja verdadeira harmonia entre as nações e os povos”, disse ela.
Migiro enfatizou: “O evento de hoje é uma prova dos benefícios que podem derivar de caminharmos juntos e aprendermos uns com os outros”.
Ela pediu ainda que as comunidades religiosas se posicionem contra o extremismo e a intolerância, permanecendo firmes na luta pela justiça social, dignidade e compreensão mútua.
Foi anunciado ainda que em 22 de março haverá um dia temático na Assembleia, visando “promover a compreensão intercultural para a construção de sociedades pacíficas e inclusivas”, questões que já foram levantadas ano passado no 4 º Fórum da ONU - Aliança das Civilizações em Doha, no Catar.
Traduzido e adaptado de WN.com ViAquiGospelPrime
Author Image

Anselmo Melo
Anselmo Melo, Carioca, casado e pai de três filhos (herança do Senhor). Pastor Evangélico e empresário. Moro atualmente no Estado de São Paulo onde pastoreio a Igreja de Nova Vida em Limeira. Sou fundador e presidente da Associação Projeto Resgate Vida.

3 comentários:

  1. Cristo, a única cabeça da igreja universal; organizadas de forma local sob presbitérios (At 14:23).


    As mudanças no modelo estabelecido biblicamente se deram logo no segundo século:


    “... Mas, com o passar do tempo, tornou-se costume para todas as igrejas cristãs dentro da mesma província unirem-se e formarem uma espécie de sociedade ou comunidade mais ampla; e, à maneira das repúblicas confederadas, manterem suas convenções em tempos determinados, e ali deliberarem pela vantagem comum de toda a confederação.... Estes concílios -- dos quais não aparece nenhum vestígio antes da metade deste século -- mudaram quase toda a forma da Igreja." (História Eclesiástica, J.L. Mosheim, Vol. I, pág. 116).


    Como tem sido difícil, através dos séculos, para o modelo original (bíblico) de igreja, sobreviver. E neste último século, na tentativa de enterrá-lo de vez, ressurgiu a síndrome de Ninrode; reconstruindo a “Torre de Babel”. Sob a forma de movimento neo-denominacional ou supra-denominacional, o popular ecumenismo, que depois de mudar a “cara”, ou melhor, dar uma só “cara” às “denominações”, mostra para o que veio; destruir, também, as denominações.


    Como podemos lutar contra esse monstro? É simples! Devemos retornar ao modelo bíblico de igrejas locais. Não há outra saída. E, é assim que Deus reservará um remanescente que não dobrão seus joelhos a baal! "

    Essa será a "Arca de Noé" que devemos embarcar antes que seja tarde!

    ResponderExcluir
  2. Para mim, esse será o trono do capeta!

    Abraços sempre afetuosos, Pastor Anselmo.

    Fábio

    ResponderExcluir
  3. @"LABAREDAS DE FOGO" É verdade Labaredas.E o pior é que tem muita gente entrando de cara nessa onda.O discurso é bonito,exatamente por isso atrai e encanta. O princípio demoníaco que no entanto esta por traz do ecumenismo é visto por quem entende suas artimanhas.
    Um grande abraço meu irmão e obrigado por seu comentário.Paz!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante,
Você pode elogiar ou criticar, observe apenas:

1-Não publicamos criticas de ANÔNIMOS e nem comentários que não estejam relacionados com o assunto.

2-Baixarias e palavrões também não.

3-Nem todas as publicações são de minha autoria e o fato de estarem aqui não implica necessariamente em que eu concorde com todo o teor do post.

4- Quer ser respeitado? Mostre respeito!

Autor


Anselmo Melo, Carioca, casado e pai de três filhos (herança do Senhor). Pastor Evangélico e empresário. Presidente do COPEL, Conselho de Pastores Evangélicos de Limeira. Moro atualmente no Estado de São Paulo onde pastoreio a Igreja de Nova Vida em Limeira. Fundador e Presidente da Associação Projeto Resgate Vida.
Saiba mais →

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *