Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

INTEGRAL OU DESNATADO?

No mundo das escolhas, em que tudo parece que está numa prateleira de supermercado, as pessoas se vêem como consumidoras de tudo. O campo de ofertas se estende a tal ponto que o consumidor se vê perdido em meio a tantas escolhas: diet, light, “com toque de limão”, integral, desnatado, instantâneo…
A verdade é que as nossas relações também viraram produto de prateleira. Parece que fomos industrializados e temos até data de vencimento! Quietude, espera, meditação, dentre outras disciplinas contemplativas, não são bem quistas entre nós. Um exemplo disso é a frase dos que se aventuram no amor: “A fila anda” – como se o coração fosse um produto na linha de montagem de um modelo fordista, feito para ser consumido como os demais bens de produção duráveis. Bem, na verdade, não tão duráveis assim, vamos combinar… Você sabe, né? É a lógica do sistema capitalista: os bens não podem durar tanto, pra economia girar. Daí, temos um outro modelo: toyotismo. Isto é, na explicação schumpeteriana, trata-se da “destruição criadora” que troca o velho pelo novo. Abre parêntesis. Acertei, economistas? Fecha parêntesis.
Outra coisa é perceber como a nossa espiritualidade tem sido alvo dessa correria desenfreada. São tantos eventos, congressos, vigílias, louvorzões… que me pergunto, sinceramente, qual é a motivação disso tudo. Acredito que nossa agenda precisa considerar que a missão é integral: “O Evangelho todo, para o homem todo, para todos os homens.” De um tempo pra cá, “missão integral” tem sido tema corrente em oficinas, palestras, boletins dominicais e outras formas de mídia evangélica. Mas, que fique claro o seguinte: missão integral não é uma invenção de missiólogos (e eles sabem disso). Ora, as Sagradas Escrituras nos apresentam ótimos exemplos de missão integral. Nada melhor que a parábola do bom samaritano!
“Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações…” (Mateus 28:19) A Grande Comissão é muito mais que um tema augusto, sublime, majestoso… Pra mim, Jesus Cristo não estalou os dedos e deu essa ordem aos seus discípulos. Não! Ele demonstrou isso, em seu ministério, através de seu relacionamento com o próximo: a mulher samaritana (era de Samaria!), a mulher cananéia (uma “cachorrinha”, para alguns), a escolha de Levi (um cobrador de impostos, minha gente!), dentre outros personagens que faziam qualquer judeu sentir coceira só em mencioná-los.
Gente não é andróide. Gente tem sentimentos, emoções, projetos, desejos, sonhos… E é justamente nessa rede de gente que a missão integral se apresenta. Não há espaço para estruturas, porque a vida é dinâmica e Deus se revela de forma dinâmica: impossível formatar Deus. Não sou o Richard Foster¹ mas não é difícil constatar que o ativismo é a praga que ronda a Igreja de Cristo. Isto é, quando consideramos as tarefas essenciais para o cumprimento da Grande Comissão. Chamo de praga porque elas aparentam ser boas para o “crescimento da igreja”. Dessa forma, é como se medíssemos a espiritualidade de alguém pelo número de cargos, títulos, liderança em ministério (s)… Em outras palavras, como Jesus nos alertou, estejamos atentos e tenhamos cuidado com o “fermento dos fariseus e dos saduceus.” (Mateus 16:5-12)
Quando desconsideramos que a missão é integral, fazemos do Evangelho uma grande indústria: onde os “fermentos” da igreja são dos mais variados. Admito que sinto uma mistura de tristeza e alegria, quando escrevo isso. Tristeza, porque já corri de um lado para o outro procurando “fazer algo pra Deus”. E sei que, se não vigiar, volto àquela correria outra vez, porque não estamos vacinados contra essas coisas. Sinto alegria pela consciência de que não preciso “entrar em crise”, por exemplo, porque não abri a boca pra falar do plano da salvação. Descobri que ser cristão é me relacionar com Deus, amando o meu próximo. Dias de evangelismo, portanto, são como um megafone pra me lembrar de minha responsabilidade de compartilhar o amor de Deus: algo que devo fazer diariamente. Afinal, evangelismo é meu estilo de vida. Ou não é? De acordo com a minha resposta, constatarei que tipo de Evangelho vivo: integral ou desnatado?
“Pregue o Evangelho em todo tempo. Se necessário, use palavras.”  (Francisco de Assis)
Alexandre de Sá.
¹Richard Foster é autor do clássico Celebração da Disciplina.

4 comentários:

Adriana disse...

Ei,pastor Anselmo!

O Caminho é comer e beber Cristo.

Que bom pra nós que vc publicou este texto.
Não podemos viver em leis ou velharias.Esse negócio de ser religioso e fazer tudo "como de costume" não dá certo,pois Cristo é novo todo dia.Ele quer que vivamos em novidade de vida todos os dias.
Temos Ele...Nossa fonte,Nossa Nascente Divinal e estando nEle tudo se renova dia após dia.

Abraços,pastor Anselmo!

Casal 20 disse...

Não leio mais Richard Foster. Já li muito no passado, mas não gosto mais. Não gosto dessa espiritualidade de disciplinas do Foster. Cansei dessa conversa mole dele, parece um monge budista. Não gosto dessa espiritualidade fundada em santos católicos e na contra-reforma. Uma espiritualidade cheia de teologia da libertação, uma espiritualidade meritória, uma espiritualidade forçada à receitinhas de bolo, uma espiritualidade encharcada de psicanálise.

Embora não goste do Foster, concordo com o cerne do texto dele: a nossa fé é vítima do consumismo. Mas isso não é culpa do capitalismo, aliás, essa ideia é tão tola e infantil como dizer que a culpa pela obesidade é o surgimento da televisão. Obesos sempre existiram, assim como também sempre existiram os consumistas e mercantilistas da fé antes mesmo do surgimento do capitalismo. Basta ver o romanismo medieval e o comércio da fé.

O comunismo mesmo comercializa a fé, é só ver o que fizeram com a Igreja Ortodoxa na antiga URSS. O socialismo também tem apresentado as suas propostas de neopanteísmo e de neocristianismo. O próprio Foster quer ressuscitar uma proposta de espiritualidade que é romana e medieval...

Em suma, o Foster mesmo está tentando vender sua proposta de espiritualidade no mercado que ele finge atacar. Mas não vejo que ele seja bíblico.

Abraços sempre afetuosos.

Fábio.

Pr. Anselmo Melo disse...

@Adriana Querida Adriana.Estava com saudade de "Ei". Precisamos mesmo nos renovar todos os dias em Cristo.Abandonar a frieza da religiosidade.Um grande abraço.Paz!

Pr. Anselmo Melo disse...

@Casal 20 Fábio.Vez por outra leio Foster apenas com o propósito de me manter informado.Não podemos negar que,para o bem,ou para o mal,seus escritos de influenciado a vida de milhares de pessoas ao redor do mundo.Li "Celebração da Disciplina" a muitos anos atras,e,devo afirmar, que o texto ali contido influenciou naquele momento positivamente a minha vida.Eu acabara de romper com uma vida de devassidão e drogas.Não me atreveria postar aqui outros textos dele, porém, assim como você, enxergo no centro do texto em questão uma critica atual e pertinente.
um grande abraço meu irmão, e obrigado por seus comentários, sempre lúcidos, deixados aqui no blog.
Paz!

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲