Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

A vida íntima do Opus Dei

Dissidentes brasileiros travam uma guerra contra a poderosa prelazia do papa e revelam segredos até então bem guardados
Quando era do Opus Dei, Antonio Carlos Brolezzi foi obrigado a usar um macacão antimasturbação. O equipamento se destinava a combater a 'doença' que seu confessor diagnosticou como 'erotismo mental'. Tratava-se de uma calça jeans e uma camisa de flanela costuradas uma na outra e vestidas de trás para a frente com o objetivo de impedir o jovem de 20 anos de alcançar a parte mais íntima de sua anatomia. Brolezzi, hoje um bem casado professor do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo, tem se dedicado a narrar em tom confessional as lembranças sexuais de uma década dentro da poderosa prelazia do papa.
O CORPO É O INIMIGO 
Os numerários têm de usar o cilício duas horas por dia, no alto da coxa (como mostra a imagem acima). A mortificação evoca o sofrimento de Cristo na cruz. Disse o fundador da Obra: 'Trata o teu corpo com caridade, mas não com mais caridade que a que se tem com um inimigo traidor'
Pela primeira vez no Brasil, dissidentes retiram o manto de silêncio que envolve a 'Obra de Deus' (em latim, Opus Dei)e dedicam-se hoje a exibi-la em praça pública - alguns deles com uma sanha digna daquelas ex-mulheres que, na recente crônica política do país, enlamearam a imagem de figurões da República. Nada podia ser pior para uma instituição que usa a discrição como estratégia. A vida íntima do Opus Dei está sendo devassada. Dividido em duas partes - 'Memórias sexuais de um Numerário' e 'Manual do Ex-Numerário Virgem' -, o livro de Brolezzi deverá ser o próximo míssil editorial lançado contra a ultraconservadora organização católica.
Os 'numerários' a que se refere o livro são a espinha dorsal da Obra: os leigos celibatários que vivem nos centros da instituição e cumprem um ritual diário de rezas e mortificações. Já os supernumerários podem casar, ter filhos e patrimônio próprio. Na Espanha, onde o movimento foi fundado em 1928, já existe uma espinhosa bibliografia com relatos de ex-membros. No Brasil, porém, onde o Opus Dei só aportou no fim dos anos 50, a organização havia conseguido manter seus adeptos e suas práticas em segredo, obediente ao figurino pregado pelo fundador, Josemaría Escrivá de Balaguer (1902-1975). Em Caminho, o guia do Opus Dei, Escrivá enfatiza: 'O desprezo e a perseguição são benditas provas de predileção divina, mas não há prova e sinal de predileção mais belo do que este: passar oculto'. Agora esse ideal tornou-se inalcançável também no maior país católico do mundo.

AFP
O FUNDADOR O espanhol Josemaría Escrivá de Balaguer criou o Opus Dei (Obra de Deus, na tradução do latim), em 1928. Foi canonizado pelo papa João Paulo II em 2002. Caminho é seu livro mais conhecido, com 999 ensinamentos
A declaração de guerra, no fim de outubro, foi o lançamento do livro Opus Dei - Os Bastidores (Verus Editora), escrito por três dissidentes da Obra. Um deles, Jean Lauand, professor da Faculdade de Educação da USP, havia vivido 35 anos como numerário. Lauand era uma das figuras mais populares da ordem até abandoná-la, há dois anos. Conhece como poucos sua atuação no Brasil. Ao deixá-la, tornou-se uma pedra no meio do caminho da obra de Escrivá.
O segundo ataque foi lançado pela mãe de um numerário, Elizabeth Silberstein. Usando o apelo de uma mãe em luta para resgatar o filho das 'garras da seita', ela escreveu e lançou em dezembro o livro Opus Dei - A Falsa Obra de Deus - Alerta às Famílias Católicas. A publicação, bancada por ela, copia a estrutura de um manual para pais que tiveram seus filhos seqüestrados pelas drogas. Ao Opus Dei é reservado o papel de traficante. O quinto capítulo, por exemplo, é intitulado 'Alerta: meu filho foi captado por eles! O que posso fazer?'.
As denúncias poderiam ser apenas uma daquelas constrangedoras brigas de família se o Opus Dei não fosse a única prelazia pessoal do papa - e a Igreja Católica a mais poderosa instituição religiosa do Ocidente. Desde o lançamento em 2003 do best-seller de Dan Brown O Código Da Vinci (mais de 40 milhões de exemplares vendidos), a Obra vive sob incômodos holofotes. No enredo, a organização é capaz de cometer assassinatos para impedir a revelação de verdades indesejáveis sobre Jesus. O fato de ser uma história de ficção não impediu arranhões profundos na imagem do Opus Dei. Para piorar, o filme baseado no livro estreará em maio, com Tom Hanks no papel principal e vocação de blockbuster. O momento, portanto, é propício para os membros da prelazia evocarem o ensinamento do fundador: 'Não pretendas que te compreendam. Essa incompreensão é providencial: para que o teu sacrifício passe despercebido'.
#Q:A vida íntima do Opus Dei - continuação:#
Maurilo Clareto/ÉPOCA
PASSADO EXORCIZADO Da esquerda para a direita, Gianni Rabboni, consultor de empresas; Antonio Carlos Brolezzi, professor da USP; Márcio Fernandes da Silva, juiz estadual; Dario Fortes Ferreira, cardiologista; Luís Henrique Quiroz, engenheiro; David Fernandes, professor do ITA; e José Geraldo Alckmin, fazendeiro
No Brasil, a reação dos dissidentes organizou-se a partir da criação de um site na internet, o www.opuslivre.org - quartel-general virtual em que ex-adeptos trocam confidências e dicas de 'sobrevivência'. Antonio Carlos Brolezzi conta que quando recebeu o primeiro e-mail do site teve uma tremedeira. 'Tive pesadelos e disse que não queria mais receber aquele tipo de correspondência', conta. 'Responderam-me que tudo bem, mas que havia chegado a hora de botar a boca no trombone e exorcizar os fantasmas. Antes, quem saía da Obra ficava isolado. Com a internet as pessoas passaram a conversar. Parei de tremer e decidi escrever o livro.'
Numerários influentes, como o jornalista Carlos Alberto Di Franco, enfrentam o fenômeno com o estoicismo pregado por Escrivá. 'A campanha difamatória é dolorosa, mas ao mesmo tempo será boa para a Obra no Brasil porque é o sinal da cruz de Cristo', afirma Di Franco. 'A contradição, a calúnia e a difamação sempre tiveram um papel na história da Igreja. Não há cristianismo sem cruz.'
Dom Geraldo Majella Agnelo, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, disse a ÉPOCA que, se algum membro da prelazia procurar a CNBB com denúncias de violação de direitos humanos, ele encaminhará o assunto à Santa Sé. 'Como instituição, o Opus Dei foi aprovado. Mas, se há erros, aí é diferente. Eles devem ser apontados e comprovados para ser julgados por autoridades competentes.' O escritório de informação do Opus Dei no Brasil, em resposta por escrito, afirma que a Obra já havia passado pela experiência de ser criticada por ex-membros em outros países. 'Ainda que a imensa maioria dos que se aproximam das atividades apostólicas e formativas do Opus Dei conserve sempre um enorme carinho e agradecimento, não é de estranhar que ocorram algumas exceções', diz João Gustavo Racca, do escritório brasileiro.
Domenico Stinellis/AP

SANTO DO COTIDIANOSão Josemaría Escrivá defendeu a santificação pelo trabalho no dia-a-dia: elevar o mundo e transformá-lo a partir de dentro
Erra quem vê o Opus Dei como um entre tantos movimentos católicos conservadores, como Arautos do Evangelho, TFP e Focolare. Desde que João Paulo II a ungiu com o status de prelazia pessoal, em 1982, a Obra tornou-se oficialmente corpo e sangue da Igreja. Prevista pelo Concílio Vaticano II (1962-1965) e incorporada pelo Código de Direito Canônico, essa nova figura jurídica garantiu ao Opus Dei um duplo privilégio. Por um lado, espalha-se pelo mundo sob o escudo da tradição milenar da Igreja de Roma. Por outro, é independente dos bispos e dioceses. A Obra só obedece ao prelado, cargo vitalício hoje ocupado por dom Javier Echevarría. E ele só presta contas ao papa.
Dentro do Vaticano, o Opus Dei incomoda os cardeais mais progressistas, que assistiram alarmados às demonstrações de entusiasmo de João Paulo II. A canonização do fundador da Obra aconteceu em tempo recorde para os padrões da Igreja, apenas 27 anos após sua morte. Bem diferente, por exemplo, do caso de José de Anchieta, cuja patente de santo é uma causa antiga dos brasileiros: o jesuíta morreu em 1597, mas só se tornou beato em 1980 e não há estimativa de quando possa virar santo. Antes da canonização, Escrivá era uma figura controversa. Jesuítas espanhóis o acusavam de criar uma 'maçonaria dentro da igreja' e até de promover 'uma nova heresia'.
Bento XVI é mais sóbrio na exposição de seus afetos que seu antecessor, mas a obediência dos membros do Opus faz da instituição um aliado valioso em um mundo onde a maioria dos fiéis prefere escolher as próprias opiniões. 'Obedecei, como nas mãos do artista obedece um instrumento - que não se detém a considerar por que faz isto ou aquilo - certo de que nunca vos mandarão coisa que não seja boa e para toda a Glória de Deus', aconselha Escrivá.
MUNIÇÃO EDITORIAL Os dois livros acima foram as primeiras publicações de dissidentes da Obra lançadas no Brasil, com grande repercussão
#Q:A vida íntima do Opus Dei - continuação:#
Em Opus Dei - Um Olhar Objetivo para Além dos Mitos e da Realidade da Mais Controversa Força da Igreja Católica, o jornalista especializado em Vaticano John Allen Jr. compara a Obra a uma Guiness Extra Stout. Como a tradicional cerveja irlandesa, em um mercado repleto de produtos diet, light e até sem álcool, o Opus Dei é um reduto de tradição em meio a um catolicismo que, desde o Concílio Vaticano II, tomou vários atalhos em sua vivência cotidiana. Seu livro, lançado no fim de 2005, ainda sem tradução no Brasil, é o representante mais recente de uma ampla bibliografia destinada a produzir um retrato do Opus Dei isento de paixões. Como a cerveja preta e extra-forte, a organização sempre terá, segundo o autor, um número fiel de seguidores para os quais representa uma âncora irremovível num mundo movediço.
Quem pertence ao Opus Dei não tem dúvidas nem relativismos numa sociedade povoada por ambos: pensa com a Igreja e vive como o papa manda. 'A Igreja Católica não é uma democracia', diz a numerária Maria Lúcia Alckmin. Para membros da Obra, parte significativa dos católicos não passa de 'católicos de censo' - que servem para expandir as estatísticas, mas seguem apenas as crenças pessoais. Em Caminho, Escrivá demonstra desprezo com relação a essa humanidade supostamente sem ideal: 'Que conversas! Que baixeza e que... nojo! - e tens de conviver com eles, no escritório, na universidade, no consultório... no mundo'.
Estima-se que a Obra tenhamilhões de cooperadores de doutrinas variadas e um patrimônio de US$ 2,8 bi
Com apenas 85 mil seguidores - 1.700 no Brasil -, o Opus Dei é irrelevante do ponto de vista quantitativo. Mas seus admiradores são estimados na casa dos milhões. Em 1950, num lance ousado, Escrivá conseguiu inédita autorização do Vaticano para aceitar cooperadores (leia-se financiadores) não-católicos e não-cristãos. Assim, a Obra tem apoiadores espalhados pelo mundo das mais variadas doutrinas - inclusive aqueles que nem sequer acreditam na existência de Deus. Além de aumentar o poder de penetração do movimento nas diversas instâncias da sociedade, os cooperadores representam uma boa fonte de recursos. O vaticanista Allen estima o patrimônio da organização em US$ 2,8 bilhões - pouco se comparado ao da Igreja nos Estados Unidos (US$ 102 bilhões), muito se o parâmetro for a quantidade de membros. Cada numerário é obrigado a deixar salário e patrimônio para o Opus Dei. 'Quando completei cinco anos na Obra, tive de lavrar um testamento deixando minha herança para a instituição', conta o ex-numerário David Fernandes, engenheiro do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). 'Quando saí, não me devolveram nada, mas acredito que não tentem me tomar as coisas. Se a Obra é tão boa, por que não há uma plaquinha na frente de cada centro dizendo o que são?'
A grande força do Opus Dei é sua proposta de 'santificação no meio do mundo'. Escrivá construiu a biografia para tornar-se 'o santo do cotidiano': 'elevar o mundo a Deus e transformá-lo a partir de dentro'. Em lugar de padres e freiras confinados em conventos ou dioceses, o exército de leigos da Obra vive em centros e cumpre o celibato, mas atua em postos estratégicos na sociedade como peças de uma engrenagem. Como diz Escrivá: 'Que preocupação há no mundo por mudar de lugar! Que aconteceria se cada osso, se cada músculo do corpo humano quisesse ocupar um posto diferente do que lhe compete? Não é outra a razão do mal-estar no mundo. Persevera no teu lugar, meu filho; daí, quanto poderás trabalhar pelo reinado efetivo do Senhor'.
A Obra tem 85 mil membros no mundo. Destes, 83 mil são leigos e 55% mulheres
O numerário começa por obedecer ao 'plano de vida espiritual' com uma lista de obrigações diárias: duas orações mentais de meia hora, cinco minutos de leitura do Evangelho e dez de leitura espiritual, reza do terço, missa, comunhão seguida por dez minutos de ação de graças, meditação dos mistérios do rosário, reza das preces da Obra, exames de consciência particular e geral, reza de três ave-marias com os braços em cruz pedindo a castidade antes de dormir, aspersão de água-benta na cama para afastar as tentações do demônio. Uma vez por semana encontra-se com o diretor espiritual para uma 'conversa fraterna'. Nela, nada pode ser escondido. A etiqueta manda iniciar pelas revelações mais vergonhosas, obedecendo ao princípio da 'sinceridade selvagem'. 'Além de tudo isso, eu ainda ensinava na universidade. Voltava tarde e tinha de preparar aulas. Comecei a apresentar sintomas psicológicos estranhos, entrava em pânico', conta um engenheiro que deixou a Obra em novembro, depois de 24 anos. 'Pensei que acabaria morrendo se continuasse ali. Apavorado, fiz minhas malas e fui para um hotel.'
Maurilo Clareto/ÉPOCA
FLAGELOS DE DEUS As disciplinas são usadas para chicotear as nádegas nuas uma vez por semana. Formam com o cilício o kit de mortificação corporal
A liberdade religiosa, o direito de fazer o que bem entende com seu corpo e a livre manifestação são valores indiscutíveis. Quem pertence ao Opus Dei acredita que beijar o chão ao acordar e bradar 'Serviam' ('Eu servirei', em latim), cumprir rotina rígida e obedecer sem duvidar são um conforto e uma fonte de felicidade. Para os dissidentes, é lavagem cerebral - uma estratégia que usa a fé e a Igreja Católica para controlar e influenciar o mundo. São Escrivá teve o cuidado de reservar um ensinamento para esse impasse: 'Isso - o teu ideal, a tua vocação - é... uma loucura. E os outros - os teus amigos, os teus irmãos - uns loucos... Não tens ouvido, por vezes, esse grito bem dentro de ti? Responde, com decisão, que agradeces a Deus a honra de pertencer ao 'manicômio''.
 #Q:Entrevista com Antonio Carlos Brolezzi, ex-numerário e autor de um livro com dicas para quem abandona a obra:#

Maurilo Clareto/ÉPOCA
REDENÇÃO Com a mulher, Viviane, e a filha, Alice, o professor Antonio Carlos Brolezzi conseguiu superar o trauma de dez anos de repressão e acreditar que poderia ter uma família e uma vida sexual sem culpas
Memórias sexuais
Ex-numerário escreve um livro com dicas para quem abandona a Obra e quer reabilitar o desejo
Dez anos depois de abandonar o Opus Dei, Antonio Carlos Brolezzi escreve um livro em tom confessional sobre a Obra e o sexo. Dividido em duas partes, a primeira vai se chamar 'Memórias Sexuais de um Numerário' e a segunda 'Manual do Ex-Numerário Virgem'. Com 40 anos hoje, Brolezzi só perdeu a virgindade aos 30. Professor do Instituto de Matemática e Estatística da USP, casado pela segunda vez e pai de uma filha, ele conta algumas de suas lembranças na seguinte entrevista.
ÉPOCA - Como entrou para o Opus Dei?
Antonio Carlos Brolezzi -
 Ninguém vai para o Opus conhecendo a proposta, eles disfarçam. Me convidaram para um curso de Astronomia com professores da USP. Achei estranho que não havia meninas, mas pensei que elas não se interessavam pelo tema. Eu era office-boy, não me vestia bem. Lá o pessoal se vestia bem, eu achava superchique. A gente tem vontade de se aproximar porque são pessoas que parecem os elfos do Senhor dos Anéis, seres meio distantes mas ao mesmo tempo admiráveis. Imagine que eu pensava que aqueles caras tinham namoradas sensacionais, superintelectuais também. Só depois, quando entramos, é que descobrimos que é tudo montado. Quando eu entrei na USP para cursar Matemática começaram a me ligar, não me deixavam em paz um segundo. Criaram uma crise artificial de vocação. Vendem que somos especiais, que temos uma luz na testa, e ficamos seduzidos. Passamos a ter acesso a uma porta secreta, mostram uma sala onde só eles se reúnem. Você passa a ter uma vida secreta, não pode contar a sua família. Dá um passo aos 20 anos que só você sabe. Fazendo uma analogia com Harry Potter, é como se o Opus fosse o mundo dos magos e fora de lá o dos trouxas, que desconhecem a magia.
ÉPOCA - Que memórias sexuais tem alguém que não podia nem sequer pensar em sexo?
Brolezzi -
 Eu acho muito interessante olhar para o Opus Dei sob o ponto de vista da sexualidade. Quando eu fui para o centro tinha 19 anos e nunca havia tido uma relação sexual. Foi chocante para mim quando decidiram que eu não podia mais dar beijo no rosto de colega na faculdade. Um dia uma colega veio me dar um beijo e eu virei a cara. Foi o que o Opus chama de 'ato heróico', mas eu passei a noite chorando. A idéia deles é que você ganha as batalhas fazendo pequenas coisas. Não é 'eu não vou transar', é 'eu não vou olhar'. Se tem uma revista de mulher pelada numa banca, você precisa atravessar a rua. Uma vez eu vi uma bunda numa revista e contei para o diretor. Ele falou: 'Essas revistas pintam as fotos. Porque não é rosa, é marrom, marrom!'. Ele gritava, acho que se referia ao ânus. Queria que eu visse sujeira nessas coisas. Em 1991, vi uma folha rasgada na rua, com uma loira, de quatro, que dava para ver a vagina por trás. Fiquei espantado. Esse negócio de não poder olhar tem efeito contrário, isso aconteceu em 1991 e eu nunca esqueci. No meu livro terá um capítulo chamado 'Como é a vagina'.
ÉPOCA - Como assim?
Brolezzi -
 Uma vez eu fiz um desenho de uma mulher nua num caderno e fui me confessar. O confessor queria saber como eu desenhei se nunca tinha visto. Eu disse que imaginei como se fosse uma boca, só que na vertical. Ele riu, deu a entender que eu era um ignorante.
'Disseram que Deus tinha me feito para ser solteiro, então eu podia não funcionar. Quando broxei na primeira vez, achei que era um cara estragado'
ÉPOCA - E como foi ver uma de verdade?
Brolezzi -
 Foi a primeira broxada. Tinha 30 anos, era virgem, tinha acabado de sair da Obra e arrumado uma namorada. Fomos a um motel e ela perguntou: 'Você tem camisinha?'. Eu disse que não, e ela falou para eu pedir pelo telefone. Eu nem sabia o que era camisinha, imaginava que se comprava numa casa escura, que precisava de uma senha. No centro, quando falavam de sexo, falavam contra a camisinha. Pedi cinco, todo constrangido. Ela ficou toda feliz, mas eu não usei nenhuma. O motel tinha uma luz meio apagada, meio vermelha, aquilo soava como o antro do demônio. Ela tirou a roupa, se deitou e eu imaginei que tinha de deitar em cima dela, só que meu pênis estava murcho. Me veio na mente a maldição que eles me lançaram quando eu saí. Disseram que Deus tinha me feito para ser solteiro, então eu podia não funcionar. Falaram que se eu tivesse um filho ele poderia nascer deformado. Quando broxei, pensei que eu era um cara estragado. Fiquei dez anos na Obra e passei dez anos fora dela tendo tremedeira e uma sensação de terror cada vez que ouvia ou lia o nome Opus Dei. Só quando conheci Viviane e nasceu minha filha, Alice, é que consegui superar.
ÉPOCA - Como conseguiu transar, afinal?
Brolezzi -
 Vou até dar umas dicas no livro para quem sai da Obra. Você precisa ter amizade com o sexo feminino, primeiro. Conversar, dançar, para quebrar o esquemão de numerário, de não poder olhar para mulher. Ir sentindo que a mulher não é um dragão.
ÉPOCA - Você chegou a vestir um macacão antimasturbação para que não se tocasse. Tinha muita culpa de se masturbar?
Brolezzi -
 Quem se masturba não pode nem comungar. Por isso, nos últimos minutos de oração, o padre se recolhe na sacristia. Se você se masturbou à noite, vai lá e se confessa. Nos centros grandes a fila era enorme nessa hora, afinal, um monte de moleques de 20 anos. Eu dormia rezando o terço para não ter tentação. Os devotos que me desculpem, mas muitas vezes acordava com ele enrolado no pênis.
ÉPOCA - Por que chegou a hora de exorcizar os fantasmas escrevendo um livro?
Brolezzi -
 Quero falar com naturalidade sobre tudo isso. Você mortifica os cinco sentidos, precisa combater cada um deles. Se você gosta de olhar para uma janela, decide que não vai olhar. Se gosta de sal, passa a comer sem sal. Faz coisas como não encostar na cadeira, não ouvir mais música. Somos treinados a imaginar que o cheiro do sexo é ruim. Por isso quero escrever, porque para mim foi problemático fazer essa desprogramação. Quero falar no livro sobre casamento, porque nós tínhamos palestras em que o padre nos falava que os supernumerários (membros casados do Opus Dei) reclamavam que a mulher cheirava a alho e a fritura, que tinham de tomar banho de novo, que era chato e desgastante. É como explicar a normalidade para uma pessoa que achou que a normalidade era anormal. Quem sai tem de entender que quando você casa às vezes você briga e sua mulher não precisa ser santa, que não dá para fazer a 'correção fraterna' (quando um numerário chama a atenção do outro por pequenos erros cometidos) na sua mulher. No começo do meu casamento eu fiquei superneurótico com esse negócio das toalhas, por exemplo. Achava que tinha de ter lugar certo, corrigia minha mulher. Eles também sempre ridicularizavam quem tinha filho, que filho chorava, tinha doença. Quando saí, disseram que eu só arrumaria uma bruxa para casar.
ÉPOCA - Qual vai ser o último capítulo?
Brolezzi -
 Sobre o sentido da vida. Quero dizer que ninguém sabe qual é o sentido e é preciso se acostumar com isso. O sentido da vida não está escondido com algumas pessoas, é você quem vai dar. Para mim, é ficar com a minha mulher, olhando revista e planejando a casa que a gente vai construir. O que importa é tomar sua história nas mãos e ter a memória apaziguada.
#Q:Pais versus filho numerário:#

Frederick Jean/ÉPOCA
SAUDADES Roberto e Elizabeth Silberstein denunciam que o Opus Dei usou métodos escusos para 'seqüestrar' o filho mais velho
'Roubaram meu filho'
Mãe de numerário, Elizabeth Silberstein lançou um manual de alerta às famílias católicas contra 'a falsa obra de Deus'
'Meu filho tinha 14 para 15 anos quando foi a um centro cultural do Opus Dei para fazer um curso de Redação. Foi convidado por um amigo do colégio. Apitou (tornou-se oficialmente numerário da Obra) aos 24 anos. Tinha acabado de levar o fora de uma namorada. O pessoal do Opus ligava 15 vezes por dia para a nossa casa. Pensei que eram amigos bacanas preocupados com o sofrimento dele. Quando falou que havia se tornado numerário, começou a chorar muito, e eu lhe perguntei por que não tinha nos contado antes. Ele disse que nós não entenderíamos. Essa é uma das frases-chave que eles põem na cabeça dos meninos. Para eles, os pais são os demônios que querem tirar a vocação. Em qualquer ordem da Igreja Católica, os seminaristas passam por vários testes para ter certeza da vocação. No Opus, ela é imposta. Eu propus ao diretor que meu filho passasse um ano de experiência, sem abandonar as atividades normais. Ele respondeu que eu tinha toda a razão e imediatamente o mandou para um retiro. Depois disse que lá não havia telefone. Eu e o pai dele fomos à polícia, descobrimos o telefone e chegamos ao retiro. Depois o diretor do centro ligou pedindo desculpas por ter mentido que não havia telefone onde meu filho estava. Quando entendi o que era ser numerário do Opus, chorei cinco anos sem parar. Tive o diagnóstico de depressão pós-traumática. Faz quatro meses que levantei. Aí disse: 'Chega'. E resolvi escrever o livro. Se eu evitar que uma única família passe pelo que passamos, já valeu a pena. A gente se prepara para não perder os filhos para as drogas e para a violência. Ninguém se preocupa em perder o filho para a religião.'


Maurilo Clareto/ÉPOCA
CONVICÇÃO Aos 29 anos e ainda virgem, Augusto Silberstein diz que é feliz vivendo o ideal da Obra de 'ser santo no meio do mundo'
'Meus pais precisam rezar'
O numerário Augusto Silberstein diz que a família tem ciúme da Obra e frustração porque ele entregou a vida a Deus
Aos 29 anos, no Opus Dei há cinco, Augusto Silberstein faz pós-graduação em Administração e é subdiretor de um centro no Rio. Deu a seguinte entrevista a ÉPOCA.
ÉPOCA - Você acha que seus pais estão errados ao criticar a Obra?
Augusto Silberstein -
 Meus pais têm uma apreciação errada da realidade por causa da paixão. É como usar óculos escuros. Se você põe um, tudo o que enxerga é escurecido. Eles têm de tirar os óculos para enxergar o lado bom da Obra, que é uma instituição maravilhosa. Me incomoda quando apresentam o Opus Dei assim porque parece que eu sou um fanático. Mas amo meus pais de coração. Acho que, como eu, meus pais têm de rezar.
ÉPOCA - Mas por que você acha que eles enxergam dessa maneira?
Silberstein
 - Ciúme é uma das paixões. Imagine que você gosta muito de uma pessoa e se casa com ela. Aí entra a sogra. Ela vê que o filho está apaixonado, que uma pessoa está roubando o filho dela. Mas não é verdade. Também há uma certa frustração por eu não ter seguido o script que eles queriam. No meu caso, resolvi entregar minha vida a Deus.
ÉPOCA - Como você lida com o cilício?
Silberstein -
 O cilício aparentemente choca, parece absurdo, medieval. Mas o Opus aproveita uma série de coisas antigas numa realidade nova. Acho que as pessoas não se escandalizam por causa da dor, porque hoje elas se submetem a coisas que provocam dor e que são desagradáveis só para ficar bonitas. O que escandaliza as pessoas é fazer algo desagradável por Deus.
ÉPOCA - Como é seu cotidiano? Com relação a livros e filmes, por exemplo?
Silberstein -
 Como qualquer pai de família preocupado com a formação, a Obra tem de se preocupar com que não entre bobagem na cabeça dos filhos. Um numerário não pode ir ao cinema, mas não quer dizer que cinema seja bobagem. A gente assiste a filmes nos centros.
ÉPOCA - Qual foi o último filme que viu?
Silberstein -
 Batman! É ótimo.
ÉPOCA - E livros?
Silberstein -
 Livro que fala mal da Igreja, que te deixa deprimido, não pode. Nos centros há bibliotecas com bons livros.
ÉPOCA - O que está fora não é aconselhável?
Silberstein
 - Exatamente.
ÉPOCA - Quais os autores que você sabe que não são bem vistos?
Silberstein -
 (José) Saramago, por exemplo. Por que você vai ler uma coisa que fala mal do que você ama?
#Q:A luta para de Thelma, depois de uma década na Obra:#
Maurilo Clareto/ÉPOCA
ENCURRALADANumerária dos 24 aos 37 anos, Thelma diz que foi manipulada para ingressar na Obra e não se conforma com as oportunidades perdidas, como carreira, casamento e filhos
Os anos sombrios
Depois de mais de uma década na Obra, Thelma Pavesi luta para amarrar os pedaços da vida que deixou para trás
'Eu era uma das melhores da turma no curso de Química, da Unicamp. Namorava há sete anos, pretendia me formar e casar. Fui convidada por uma colega para assistir aulas de doutrina católica. Fui apenas para ser simpática. E continuei frequentando por causa da insistência da moça que me 'tratava', é assim que eles dizem. Ela era responsável pela 'moça de São Rafael'', como chamam a garota que tem chances de 'apitar', entrar para a Obra. No caso, eu. Essa pessoa faz um levantamento sobre a sua vida, situação financeira, profissional, amorosa. Ela foi entrando na minha intimidade até perguntar se eu era virgem. Se não fosse, seria um critério para desistirem de mim. Para apitar, eles criam uma crise vocacional. Dizem: 'Deus te chama. E chama só uma vez''. Chegou a um ponto em que eu não conseguia mais trabalhar, comer, dormir porque Deus esperava a minha resposta. Fui instruída a desmanchar o namoro. Quando finalmente apitei senti alívio porque fiz o que esperavam de mim. No dia seguinte passei por um enorme arrependimento, mas já tinha dado a minha palavra a Deus. Se desistir você é uma traidora, uma Judas, é inferno certo. Exerci lá dentro diversos cargos, comandei casa de retiro, tive de deixar meu emprego de professora. Cuidei da parte financeira, embora não faça a menor idéia de para onde vai o dinheiro. A TV ficava chaveada. Fiz coisas como colar um vestido sobre as pernas da Ivete Sangalo, no jornal, que era sempre censurado. Fui ensinada a olhar para um homem como se fosse uma espiga de milho. Quando não suportei mais e disse que queria ir embora, me ofereceram remédio. Já estava em uma casa em que a maioria tomava medicamentos com tarja preta. Entrei em depressão. Fiz tratamento. Quando melhorei, comecei a pensar em como arranjar dinheiro para ir embora, já que meu cheque, cartão e passes ficavam retidos pela Obra. Consegui um jeito de fazer caixa dois e juntei um dinheirinho. Encontrei um quartinho para alugar e me mudei. Saí há três anos, no dia da missa em homenagem ao fundador. A primeira coisa que eu fiz foi ir ao cinema. Entrei num filme qualquer, nem me lembro qual, mas adorei a sensação de liberdade. Eu tinha pedido no meu aniversário para assistir ao filme 'Uma mente brilhante' (ganhador de quatro Oscars) e não permitiram. Hoje tenho 39 anos, estou sem namorado, sem emprego e lidando com o fato de talvez nunca ser mãe. Não vejo esses 13 anos no Opus como algo que eu precisava passar, mas como uma manipulação que não quero que se repita na minha vida.
#Q:Renato da Silva, expulso do Opus Dei:#



Invasão de privacidade
Renato da Silva foi expulso depois que o subdiretor violou seus arquivos e considerou um e-mail suspeito
'Entrei para a Obra em 1982, aos 17 anos. Estudava em uma escola católica e vi um panfleto sobre orientação profissional. Fui, sem saber que era do Opus Dei. Quando minha família soube, eu estava na Obra havia três anos. Em 1989, fui enviado para o sul e consegui emprego em uma universidade federal. Professor universitário é uma posição estratégica e eles não tinham ninguém lá. Sou doutor em Ciência da Computação pela USP e sempre valorizei a Internet, mas notei que havia uma atitude hostil a ela. Começaram a baixar normativas dizendo que só haveria um computador por casa, que deveria ser desligado à noite e que ficaria em local público. Fiz um dossiê de 82 páginas e encaminhei à comissão regional questionando as regras. Jamais pensara em sair da Obra. Como aprendi: ''Meu lugar é aqui, para o bem ou para o mal'. Mas em 2003 fui ao Rio a trabalho. Quando voltei, o subdiretor me disse: 'Na sua ausência, fiz uma coisa que não deveria ter feito, mexi nos seus arquivos e achei um negócio que levei ao diretor'. O diretor falou: 'Isso é tão sério que eu encaminhei à comissão regional e eles decidiram que é grave, você está confuso e não deve mais ficar aqui.' Perguntei o que poderia ser. Não me disseram. Não sabia para onde ir, depois de 21 anos vivendo em um centro do Opus. Lembrei do Jean (Lauand, hoje também dissidente), que era numerário mas morava sozinho. Passamos a noite em claro conversando. Entrei em depressão e tive que fazer tratamento. Hoje, aos 40 anos, concluí que você passa por um condicionamento muito forte, baseado na culpa. Segundo os psicólogos, é lavagem cerebral. Só depois descobri porque havia sido expulso. Era um e-mail, rascunho de um texto com perguntas incômodas para o diretor espiritual. Eu mal tinha lido, não tinha dado muita importância.'

#Q:Teste seus conhecimentos sobre o Opus Dei:#
Você conhece bem o Opus Dei?
1) São Josemaría Escrivá tinha simpatia por qual destes ditadores?
(a) Antonio Salazar
(b) Benito Mussolini
(c) Francisco Franco
(d) Getúlio Vargas
2) No livro O Código da Vinci quem é o assassino?
(a) Robert Langdon
(b) o monge Silas
(c) Dan Brown
(d) Jacques Sauniere
3) Como a mãe de Escrivá deve ser chamada na Obra?
(a) Avó Dolores
(b) Dona Dolores
(c) Lola
(d) Maria Dolores
4) O fundador dizia que, pela humildade, seria um:
(a)cachorro de rua
(b) burrinho sarnento
(c) cordeiro de Deus
(d) camelo do deserto
5) Em que ano Escrivá veio ao Brasil?
(a) 1965
(b) 1974
(c) 1979
(d) 1982
Confira mais testes no quiz Opus Dei. Clique aqui
Respostas: 1-c/ 2-b / 3-a / 4-b / 5-b
#Q: Entrevista com Carlos Alberto Di Franco, um dos numerários mais influentes e bem relacionados do Opus Dei:#


Thais Antunes/ÉPOCA
BEM RELACIONADO O jornalista Carlos Alberto Di Franco circula com desenvoltura nas esferas de poder, especialmente na imprensa e no círculo íntimo do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin
Ligações poderosas
Carlos Alberto Di Franco dá formação cristã ao governador Geraldo Alckmin e treinou mais de 200 editores da imprensa
Carlos Alberto Di Franco, 60 anos, é um dos numerários mais influentes e bem relacionados do Opus Dei. Representante no Brasil da Escola de Comunicação da Universidade de Navarra e diretor do Master em Jornalismo, um programa de capacitação de editores que já formou mais de 200 cargos de chefias dos principais jornais do País, é citado no livro Opus Dei - Os Bastidores como o executor da política da Obra para a mídia do Brasil e na América Latina. Nos últimos anos, tem feito periodicamente uma preleção sobre valores cristãos na ala residencial do Palácio dos Bandeirantes a convite do governador Geraldo Alckmin (confira matéria na página xx). O encontro, apelidado de 'Palestra do Morumbi', reúne um seleto grupo de empresários e profissionais do Direito, entre eles o vice-presidente da Fiesp, João Guilherme Ometo. Na sede do Master, em São Paulo, em cujos andares superiores funciona o centro da Obra onde vive, Di Franco deu a seguinte entrevista a Época.
ÉPOCA - A partir do final dos anos 80 a Universidade de Navarra, que é do Opus Dei, passou a dar cursos nas redações brasileiras. Como surgiu essa estratégia?
Carlos Alberto Di Franco
 - Vários professores de lá participaram de um seminário no Rio e chamaram atenção pela sua visão de Jornalismo. Esse foi o início de um trabalho não de universidade, mas de consultoria de alguns profissionais que também são professores em Navarra. Mais recentemente Navarra montou uma empresa de consultoria que atualmente está sendo reestruturada, e eu tenho uma empresa e contrato consultores de Navarra e também daqui.
ÉPOCA - O Master em Jornalismo é uma estratégia do Opus Dei para influenciar a imprensa brasileira e da América latina?
Di Franco -
 Absolutamente nada a ver. É um trabalho profissional meu. A única coincidência é que Carlos Alberto Di Franco é do Opus Dei. A imprensa tem suficiente discernimento e filtros próprios para se deixar submeter a qualquer coisa deste tipo.
ÉPOCA - O senhor é numerário do Opus Dei, é representante da Escola de Comunicação da Universidade de Navarra, que é do Opus Dei, o Master traz professores de Navarra que também são numerários, mas o senhor afirma que não há nenhuma estratégia do Opus Dei em influenciar a imprensa através de um curso de formação de editores?
Di Franco -
 Muitos professores de Navarra que vêm não são do Opus Dei. O Master é um programa técnico de capacitação de editores e não de Religião. O Master tem uma identidade cristã? Claro. Quando eu abro o Master, a primeira coisa que eu faço é dizer que o centro conta com serviço de capelania entregue à prelazia do Opus Dei. Isso implica numa série de serviços de atendimento espiritual para quem queira recebê-los. Deixo absolutamente claro o que acontece aqui. O prestígio do Master não depende do número de gotas de água benta, mas de sua qualificação profissional.
ÉPOCA - Quantos professores tem o Master e, destes, quantos são do Opus Dei?
Di Franco -
 Onze fixos, seis são da Obra.
ÉPOCA - São Escrivá disse que era preciso embrulhar o mundo em papel-jornal...
Di Franco -
 Qualquer pessoa que pense dois minutos percebe que os meios de comunicação são um poderoso facho para o bem e para o mal. Essa preocupação de evangelização tendo em conta os meios de comunicação social é legítima. Mas você poderá difundir a mensagem cristã não com água benta e nem metendo-se a montar estruturas piegas, mas atuando na sua atividade profissional. Estou convicto de que se o mundo tiver mais cristãos ou gente comprometida com sua fé será um lugar melhor.
ÉPOCA - O senhor publicou um artigo no jornal O Estado de S.Paulo criticando o Código da Vinci, um livro de ficção que mostra o Opus Dei como uma seita capaz de assassinar para alcançar seus objetivos. O senhor assina como jornalista e professor de ética. O senhor não acha que deveria ter informado ao leitor que é um numerário?
Di Franco -
 Não, porque não acrescenta nada. Na mídia todo mundo sabe.
ÉPOCA - O senhor acredita que todos os leitores do jornal sabem?
Di Franco -
 Todos os leitores não, mas eu não sei o que ser membro do Opus Dei acrescenta ao meu currículo. O que eu fiz foi uma análise do Dan Brown mostrando a sua desonestidade intelectual que qualquer jornalista poderia fazer, budista ou ateu.
ÉPOCA - Poderia. Mas o senhor não acha que a informação de que quem criticava um livro contra o Opus Dei era alguém do Opus Dei teria sido relevante para o leitor?
Di Franco -
 Eu fiz uma crítica técnica e não movida por razões religiosas.
ÉPOCA - Como começaram as 'palestras do Morumbi', que acontecem na última quarta-feira do mês, no Palácio, com o governador Geraldo Alckmin e um grupo de empresários e profissionais do Direito?
Di Franco -
 Não é uma reunião regular, depende das agendas. O governador é cristão, muito católico. Nesta reunião tratamos temas relacionados a práticas ou virtudes cristãs.


ÉPOCA - De quem partiu essa idéia?
Di Franco -
 Nasceu de uma conversa do governador com um sacerdote da Obra com quem ele tem direção espiritual periódica.
ÉPOCA - O Padre (José) Teixeira, confessor do governador?
Di Franco -
 Isso, o Padre Teixeira. Aí eu e o governador conversamos sobre a melhor maneira de fazer e sobre quem participaria. O grupo é formado por amigos comuns, todos católicos. Eu sou o palestrante. Uma coisa rápida, meia-hora, um cafezinho. A última foi em agosto ou setembro. Depois teríamos outra, mas eu não pude. Agora ele entrou em campanha. Acredito que no final de janeiro combinaremos a próxima.
ÉPOCA - Essas palestras são pagas?
Di Franco -
 Não é um trabalho profissional, é uma atividade de formação cristã.
'Qualquer pessoa que pense dois minutos percebe que os meios de comunicação são um poderoso facho para o bem e para o mal'
ÉPOCA - O senhor não acha que a proibição de ir ao cinema, teatro ou estádio de futebol conflitua com seu trabalho de jornalista?
Di Franco -
 Para mim nunca foi problema. Não é que não pode, a expressão está mal colocada. Não vai ao cinema porque não quer ir ao cinema. Os numerários vivem, voluntariamente, uma série de abstenções em função de sua entrega como numerários.
ÉPOCA - Como o senhor faz com o cilício?
Di Franco -
 O cilício é uma mortificação corporal ultratradicional na Igreja. Se você falar com qualquer pessoa que viva o cristianismo é a coisa mais corriqueira e comum.
ÉPOCA - O senhor usa, duas horas por dia?
Di Franco -
 Sim, como qualquer numerário.
ÉPOCA - Quando o senhor está com o cilício se concentra no sofrimento de Cristo?
Di Franco -
 Essa pequena mortificação você oferece por várias intenções. A partir de hoje vou oferecer para você.
ÉPOCA - Não é necessário.
Di Franco -
 Como colega. O incômodo se oferece.
ÉPOCA - É muito difícil o celibato?
Di Franco -
 Qualquer pessoa tem desejo, é normal. Eu sinto atração pelas mulheres, claro que sinto, sobretudo pelas bonitas.
ÉPOCA - O senhor é virgem?
Di Franco -
 Você está entrando em território perigoso. Mas sou, se quer saber sou.

#Q:Categorias dos membros no Opus Dei:#
A ESTRUTURA DA OBRA
A maioria dos membros são leigos. Eles se dividem nas seguintes categorias
 Numerários: Membros celibatários que vivem em centros da Obra e cumprem um rígido programa diário de rezas e rituais. Comprometem-se com a probreza pessoal e a obediência irrestrita aos superiores. Os ganhos auferidos na atuação profissional são administrados pela instituição, assim como o patrimônio. Mulheres e homens vivem separados
 Supernumerários: Podem casar e constituir família. Espera-se que tenham muitos filhos e os orientem para servir à Obra. Sua contribuição financeira deve ser equivalente aos gastos com mais um filho
 Adscritos: Assumem as mesmas obrigações que um numerário, mas não vivem nos centros
 Adjuntos: Numerários que ainda não vivem em casas da Obra, em geral com menos de 18 anos
 Auxiliares: Numerárias que realizam as tarefas domésticas do centro. A maioria é recrutada na zona rural
 Sacerdotes numerários: Aqueles que são ordenados padres
 Cooperadores: Não são membros da Obra, mas colaboram financeiramente com ela. Podem ser não-cristãos e inclusive ateus
Fonte:Época

2 comentários:

Ana Clara disse...

A nefasta Opus Dei eh caso de policia,destroi coracoes e mentes,eh o cancro do planeta.

Anônimo disse...

Que autor retardado. Cheio de problemas emocionais e psicológicos. Fez tudo isso para ganhar dinheiro mesmo. O opus dei é maravilhoso, edifica e converte muita gente. Fazem muito trabalho nas periferias e tem a doutrina completamente em acordo com a Igreja Católica. O que esse apóstata (pessoa que nega a fé católica) é apenas se voltar contra a doutrina de Cristo e abraçar suas paixões desenfreadas. Ou seja, ceder ao pecado. Pois tudo o que ele fala sobre o que o Opus Dei fala sobre sexo é o que a Igreja Católica fala no Catecismo, nos Documentos, nas Encíclicas Papais! Deus tenha piedade dele. Que ele se arrependa e se retrate.

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲