Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Máquina de sexo do Second Life causa processo

Kevin Alderman não trouxe o sexo para o Second Life. Ele simplesmente fez melhor. O empresário de 46 anos percebeu há quatro anos que as pessoas pagariam para fazer sexo em suas vidas online - que começou com a anatomia de bonecos da Barbie e do Ken - com genitálias realistas e flexibilidade para alguns movimentos sexuais.

Os negócios da Eros LLC se tornaram velozes. Uma de suas criações, o SexGen Platinum, ficou tão popular que Alderman agora teve que contratar advogados para localizar quem é a pessoa de carne e osso por trás da identidade virtual, ou avatar, que ilegamente foi copiada e vendida. Por US$ 45, o SexGen dá vida a apaixonados avatars em posições eróticas. É o código do software, escrito na linguagem do Second Life e colocado em móveis virtuais e outros objetos. Os avatars clicam em um objeto e fazem escolhas de acordo com um menu de atos sexuais animados. Alderman registrou um processo civil nos Estados Unidos, na corte do distrito de Tampa, na Flórida, no mês passado alegando que um avatar chamado "Volkov Catteneo" quebrou a cópia de proteção do programa e vendeu cópias não-autorizadas. Alderman, que gerencia seu negócio da sua casa em um subúrbio de Tampa, permite que os usuários transfiram seus produtos, mas proíbe cópias.

"Nós o questionamos sobre isso e a resposta básica dele foi: O que vocês vão fazer? Vão me processar?", disse Alderman. "Acho que essa mentalidade é porque quando se está em avatar você é intocável. A proposta desse processo não é somente proteger nosso rendimento ou nosso produto, mas também, mostrar que, sim, você pode ser processado e levado à justiça". Catherine Smith, diretora de marketing da Liden Lab, criadora do Second Life, disse que não sabia de nenhuma briga legal no mundo real entre dois usuários. Entretanto, a própria Linden Lab tem sido processada mais do que uma vez por usuários devido à captura de propriedade virtual. Em 2005, a mídia japonesa noticiou que um estudante de intercâmbio chinês foi preso por roubar itens virtuais de outros jogadores durante uma partida online do "Lineage II".

O Second Life não é um jogo. Não há dragões para destruir ou outros objetivos tradicionais dos jogos. A Linden Lab descreve isso como "um mundo online digital imaginado e que pertence a seus residentes". A Linden Lab proporciona um avatar básico gratuito, uma representação do usuário na forma masculina ou feminina. Qualquer coisa extra custa dinheiro real. Uma ilha virtual de 16 acres custa quase US$ 1,7 mil por mês, além de US$ 295 para manuntenção de honorários. O dinheiro virtual, chamado lindens, pode ser trocado por dólares reais em uma taxa de câmbio equivalente a 270 Lindens para US$ 1.


Avatar esbanjando senssualidade
Os avatars podem se equipar com roupas de surfistas e tatuagens bem-feitas e, usuários com habilidades em programação e Photoshop podem se redefinir como se fossem Greta Garbos virtuais ou qualquer outra forma imaginável. Com um pouco de dinheiro, os usuários também podem ter pessoas como Alderman transformando seus avatars para elas. Na loja de Alderman, no Second Life, os compradores podem experimentar uma cama de dragão movimentada por uma de suas máquinas SexGen. Junto com programadores e designers, ele dá emprego a uma equipe de vendas que se empenha na loja como vendedores reais para conseguir os brinquedinhos sexuais perfeitos. Ele está investindo US$ 25 mil em um processo de captação cinematográfica, uma versão de última geração, daquelas usadas para criar os caracteres dos filmes, em busca da criação de movimentos sexuais mais realistas para os usuários do Second Life. Como os consumidores no Second Life exigem mais do que na vida real, essas criações virtuais podem se deparar com a realidade.

"Virtualmente, cada aspecto da vida real está se duplicando e, todas as leis que se aplicam ao mundo real estão sendo aplicadas no Second Life", declarou Jorge Contreas Jr., um advogado especialista em propriedade intelectual, em Washington. No ano passado, o Second Life foi atingido por um escândalo com usuários que modificavam seus avatars para parecerem crianças e simular pedofilia. No mês passado, a Linden Lab fechou os jogos de sorte no Second Life por constatar que os jogos virtuais poderiam violar as leis norte-americanas para jogos quando os membros trocassem os Lindens por dinheiro real. Agora surge o processo da SexGen de Alderman, que foi registrado no dia 3 de julho e tenta danos que não são específicos. Ele acusa o desconhecido proprietário do avatar Catteneo de violar os direitos autorais e a proteção da marca registrada ao copiar, distribuir e vender o software de Aldeman.

O advogado de Alderman, Francis X. Taney Jr., da Filadélfia, disse que o processo tem ganhado muita atenção porque envolve sexo, mas é fundamentalmente estabelecido em uma lei muito antiga. "É um pedaço de software e software é propriedade intelectual", afirmou Taney. "Ele também é expresso em gráficos, sendo assim, envolve direitos autorais. Existem alguns ruídos. As pessoas gostam de dizer que isso está muito longe de ser verdade, mas ao final eu equiparo isso aos princípios básicos de propriedade intelectual." 

Diferente de muitos mundos virtuais populares, tais como o "World of Warcraft", a Linden Lab concede a seus usuários amplos direitos de criar e vender conteúdo com poucas restrições. Os usuários podem instalar proteção para cópias e exigir o direito autoral norte-americano e as proteções para marcas registradas, assim como Alderman fez com o software SexGen. "Sempre que você cria uma situação em que as pessoas estão comprando e vendendo coisas e potencialmente estão se apropriando dos direitos legais dos proprietários, é somente questão de tempo antes que o sistema legal seja chamado", disse Fred von Lohmann, um advogado sênior da Fundação Electronic Frontier, em São Francisco. "Isso se parece com um caso relativamente justo. Existe uma questão real de direito autoral." 

Taney acredita que sabe quem Catteneo é na vida real, mas está confirmando isso por meio de intimações de quebra de sigilo do pagamento de serviços da companhia eBay Paypal, bem como as anotações de conversas e o histórico de vendas no Second Life. Ele disse que a Linden Lab e a Paypal se recusaram a mostrar seus registros e ele está preparando uma nova seqüência de intimações. "Nós estamos procedendo cuidadosamente", declarou Taney. "Esse homem (o avatar Catteneo) já alegou que a informação que ele deu à Linden foi fictícia. Nós estamos procurando meios de cruzar a informação e corroborar as informações." Catteneo, que não respondeu às diversas entrevistas enviadas pelo sistema de mensagens do Second Life, provavelmente terá dificuldades para se esconder. 

"Existe uma perda de anonimato menor do que as pessoas pensam", disse von Lohmann. "Há mais de 20 mil pessoas que já foram processadas por download de músicas. Eles podiam se sentir anônimos, mas não estavam." Enquanto os designers do Second Life tentarem proteger suas criações da mesma forma que os estilistas como, por exemplo, Gucci, tentarem eliminar cópia realistas, Alderman está longe de ser o último a levar um usuário ao tribunal. Em reconhecimento ao crescimento dos assuntos legais que o Second Life tem gerado, Portugal recentemente fundou um centro de julgamentos no mundo virtual, mesmo que ele não tenha poder para tomar decisões. As questões legais podem ser similares offline e online, mas von Lohmann disse que as tentativas podem ser muito mais interessantes. 

"No mundo virtual, você tem a possibilidade de reunir evidências que você não teria na vida real", ele disse. "Tudo que acontece no Second Life está refletido no servidor do computador. Dependendo da duração que as gravações sejam mantidas, você pode até mesmo repetir o evento da forma em que ele aconteceu". 

Reportagem por
Redação Terra





0 comentários:

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲