Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Milagre Card" - Já pediu o seu?

"Pastor" da Assembléia de Deus Cria o ‘Milagre Card’ que Promete um Milagre em Troca de um Depósito Bancário.

O ‘Milagre Card’ é uma idéia inovadora criada por um pastor da igreja Assembleia de Deus que propõe o alcance de um milagre em troca de um depósito bancário.
Segundo o PbAgora, o Milagre Card, um cartão de visitas na qual o pastor disponibiliza duas contas correntes para o depósito, foi criada pelo Pastor Missionário Clóvis Lopes do Ministério Assembleia de Deus Pentecostal Pai Nosso.

No cartão, Lopes promete a “cura e libertação” e oferece mensagens de motivação como: “Agindo Deus, quem impedirá”.
Através do cartão o fiel pode fazer um depósito nas contas bancárias indicadas do Banco Real e outra do Banco do Brasil, pertencentes a ele e à Missionária Maria Lenice Moisés de Oliveira, sem valor estipulado.
O cartão é mais uma das ferramentas para otimizar o recebimento de dízimos, doações e apoio à igreja evangélica.
Críticos, entretanto, comparam tais igrejas, especialmente às neopentecostais, com grandes empreendimentos de geração de capital, que buscam arrecadar dinheiro de inúmeras formas possíveis.
Apologistas acreditam que existe uma crise de ética nessas igrejas e superficialidade na fé relacionada com falta de hermenêutica sadia.
Citando a ausência de ética cristã em algumas igrejas neopentecostais, o apologista Johnny T. Bernardo explica que “A ética cristã pressupõe defesa dos bons costumes, da moral e de uma vida pautada nas Escrituras Sagradas...”.
A quantia de dinheiro requerida vinda dos fiéis para alguns empreendimentos muitas vezes surpreende. Um exemplo disso é a construção do templo de Salomão pela Igreja Universal do Reino de Deus que possui um custo estimado em torno de R$ 200 milhões.
Pastores justificam a quantidade e forma de arrecadação pela necessidade de manutenção dos templos e de outros programas como de televisão e rádio.
A verdade é que não existem mais limites para o descaramento desses mercadores da fé. 

8 comentários:

Cesar M. R. disse...

É a Idade Média revivida nas igrejas do Brasil!

Temerário!!

Abraço aos que resistem.

Anselmo disse...

A coisa ta feia mano Cesar.Abração.
Paz!!!

Casal 20 disse...

Olá, Pastor! Quero agradecer a visita lá em casa. Ana Lissa ficou muito feliz com os comentários carinhosos.

Quanto ao milagre card, é descaramento puro!

E, aí, como foi o debate lá na emissora? Não tem como postar o vt no seu blog?

Abraços sempre afetuosos.

Fábio e Lu.

Anselmo disse...

Olá Fábio,olá Lu.
Foi um prazer dar uma força para a meninona.Pelo tempo que me conhecem daqui sabem que meu estilo não é de fazer média com ninguém.Quando gosto digo que gosto,quando não,digo que não.Ela leva mesmo jeito para "coisa"
O debate infelizmente não foi dos melhores,me arrumaram três desorientados.Um deles dava para conversar, aí tinha um travesti de 19 anos e um que não sei definir o que era com 17 anos.
O debate que deveria ser sobre "homofobia" acabou descambando um pouco.
Mas, fica o testemunho,algumas pessoas me param e dizem que gostaram, isso é importante.
Eles normalmente depois postam no youtube as matérias, assim que isso acontecer publico aqui no blog.
Um grande abraço meus irmãos,e,mais uma vez,obrigado pelo carinho de vocês.
Paz!

Bella Dourado disse...

Em resumo:
Para continuar a vergonha nada de novo no quesito "tomar posse do $ alheio".

Certo ou errado já não importa , mas se a pessoa tem dificuldade não é mais "elegante" fazer um cartão seu com o número da conta, sem envolver "venda" "ímpossível de benção porque Ele é o dono da benção" para quem assim desejar contribuir com o ministério??

Paz! Deus abençõe Pastor Anselmo.

Guiomar Barba disse...

Retira-te de nós satanás. Os comerciantes da fé, já profetizados na palavra.

Anselmo disse...

Amém Guiomar.
Que Deus nos livre dessa praga.
Paz!

Anselmo disse...

Minha irmã Bella Dourado.essa gente não tem qualquer escrúpulo.Agem como se fossem os detentores das bençãos de Deus.
Paz!

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲