Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Ciranda amorosa

“João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém...” Nesses versos do poema “Quadrilha”, de Carlos Drummond de Andrade, podemos perceber a complexidade dos relacionamentos. Nessa história ninguém ficou com ninguém. Quem amava não foi correspondido, não teve reciprocidade.

Se levarmos em conta a fugacidade dos relacionamentos no dia de hoje, na vida real não tem sido diferente. O que se vê é que namoros, noivados ou casamentos se iniciam e terminam na mesma velocidade da internet e da tecnologia. E com um detalhe: com ar de modernidade.
 É comum ver em capas de revistas, artistas fazendo juras de amor eterno ao parceiro, porém, passados alguns meses ou até dias esses mesmos artistas retornam anunciando o término do relacionamento. Recentemente a separação de três uniões estáveis no meio artístico entre Ana Maria Braga (apresentadora do programa Mais Você, da Rede Globo) e o empresário Carlos Madrulha, a atriz Nívea Maria e o diretor Herval Rossano (união de 27 anos) e o ator Eduardo Moscovis e Roberta Richard, reacendeu a discussão sobre por quê os artistas se separam com tanta freqüência. Um dos motivos seria o fato de que “os artistas têm uma oferta abundante do fator alternativa. Têm oportunidade de conhecer muita gente, viajam muito e, com uma vida independente, acabam ficando muito tempo longe do parceiro”, explicou o psicólogo Ailton Amélio da Silva, em reportagem à revista IstoÉ Gente (Edição 174, de 4 de dezembro de 2002). Na mesma reportagem o psicanalista Luís Alberto Py, especialista em relacionamentos familiares, esclareceu que outro motivo que ameaça a união seria o nascimento dos filhos. “É comum que, depois de amamentar, a mãe libere o hormônio prolactina, diminuindo sua libido, e se afaste do marido”.

Contudo, o curioso, é que isso não acontece somente com ricos e famosos, mas também com os anônimos. Pessoas comuns que convivem com a gente, passa por nós e que têm a mesma história. A instabilidade nos relacionamentos, especialmente nos casamentos, pode ser percebida em todas as camadas sociais. E um agravante a mais: as pessoas parecem estar perdendo a noção de moral e conduta, em nome do prazer e da felicidade imediata.

Eis a questão

Uma pergunta que todo mundo quer saber a resposta: Por que tantas pessoas estão se separando? O que estaria acontecendo? Respondendo a IstoÉ Gente o psicólogo Ailton Amélio, disse ser “cinco os fatores que levam alguém a manter ou não um relacionamento: a relação custo e benefício da relação, que gera o grau de satisfação; as alternativas disponíveis, que incluem outras pessoas além do cônjuge; o investimento que terá de fazer para ficar com o parceiro; as barreiras externas e a seleção do companheiro.”

O que espanta, porém, é que os motivos que fazem com que muitos deixem o parceiro em troca de outro, muitas vezes, são os mais fúteis possíveis, como por exemplo, “não gosto da comida que ela faz” ou “ele não se veste bem”. Por trás desses motivos também estão a paixão passageira, a vingança e a “busca por novas aventuras”. Não será nenhum exagero dizer que muitas pessoas fazem de seus relacionamentos uma verdadeira ciranda amorosa.

Uma paráfrase

João amava Maria, que não o amava, mas amava outro. Este outro não a quis, e voltou então para João. O tempo passou. A paixão esfriou, João a abandonou e com outra se casou. Maria, por sua vez, que nunca amara João, se casou com Joaquim que também não a amava.

Parece brincadeira, uma ficção, mas não é. Parafraseando o texto de Drummond, esta é a realidade que encontramos em nossos dias. Uma verdadeira ciranda amorosa, onde no final ninguém se dá bem. Esse é o preço que se paga pela instabilidade.

Ana Paula Costa
redacao@lagoinha.com

0 comentários:

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲