Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Como os muçulmanos devem tratar os cristãos segundo o islamismo

Especialista em mundo islâmico e autor da série 
“Um olhar por trás do véu”,

Por Salim Almahdy



Queridos irmãos e irmãs, neste artigo estou lhes trazendo palavras do Alcorão, do Hadith e de alguns eruditos muçulmanos sobre como os cristãos devem ser tratados numa sociedade islâmica. Na medida em que forem lendo essas palavras, lembrem-se de orar por seus irmãos e se regozijem por saberem que a nossa cidadania está nos céus com o nosso Pai eterno.
Alá ordena que os muçulmanos aterrorizem os não muçulmanos em seu nome.


O que diz o Alcorão 
“Eu instilarei terror nos corações dos infiéis, golpeai-os acima dos seus pescoços e arrancai todas as pontas dos seus dedos. Não fostes vós quem os matastes; foi Deus” (Sura 8:13-17).
“Imprimi terror [nos corações dos] inimigos de Deus e vossos inimigos” (Sura 8:60).
“Combatei-os [os não muçulmanos] e Deus os punirá através das vossas mão, cobri-os de vergonha” (Sura 9:14)

O que diz o Hadith – Ensinamentos de Maomé
Maomé também exige que os muçulmanos pratiquem a jihad, a guerra santa, que consiste em lutar contra os infiéis em nome de Alá. Infiel é qualquer pessoa que não confessa os dois credos do Islã: 1.) Não há outro Deus além de Alá; 2.) Maomé é o mensageiro de Alá. 
Certa vez perguntaram a Maomé: “Qual a melhor coisa que um muçulmano pode fazer além de crer em Alá e no seu apóstolo?” Sua resposta foi: “Participar a jihad pela causa de Alá”. 
Maomé também teria dito: “Eu recebi a ordem de lutar com as pessoas até que digam que ninguém tem o direito de ser adorado a não ser Alá e Maomé é o seu mensageiro, e que eles estabeleceram a oração e o pagamento do zakat (esmola obrigatória). Se elas fizerem isto, seu sangue e suas propriedades estão salvas de mim”. 
As palavras “lutar” e “matar” aparecem no Alcorão com mais frequência que as palavras “oração” e “amor”.

O que dizem os historiadoresOs mais poderosos califas (seguidores de Maomé), que governaram a nação islâmica depois da morte de Maomé, foram Abu Bakr e Umar Ibn Khattab (conhecido como o Califa Justo). Os dois eram sogros de Maomé. Maomé costumava dizer: “Sigam o exemplo daqueles que vêm após mim, Abu Bakr e Umar”.
O Califa Justo defendia o seguinte, com a bênção de Maomé: “Um muçulmano não pode ser condenado à morte por tirar a vida de uma pessoa da aliança (cristão ou judeu), de um homem livre (que não é muçulmano), ou de um escravo.”
Ibn Timiyya escreveu: “Nada na lei de Maomé diz que o sangue do infiel é igual ao sangue do muçulmano, porque a fé é necessária para haver igualdade. As pessoas da aliança não creem em Maomé e no Islã, portanto, o seu sangue e o sangue do muçulmano não podem ser iguais (…) mas, um muçulmano livre deve morrer por tirar a vida de outro muçulmano livre, independentemente da raça”. 
Não é permitido construir nem reformar igrejas, nem reconstruí-las se forem destruídas. Conforme citado por Ibn Hazm e Ibn Timiyya, e confirmado por todos os historiadores, quando Uma Ibn Al Khattab assinou o “tratado de paz” com os cristãos da Síria, ele ditou algumas condições que deveriam ser cumpridas pelos governadores muçulmanos de todos os países cristãos conquistados. Uma dessas condições era que os cristãos estavam proibidos de construir mosteiros e de reconstruir os que fossem destruídos, mesmo que fosse a cela de um monge.

• O “tratado de paz” também exigia que os cristãos dessem o seu assento a um muçulmano que quisesse sentar-se, e os proibia do seguinte:

• Impedir qualquer muçulmano de ficar nas suas igrejas por três dias, durante os quais eles deveriam oferecer comida e servir os muçulmanos;

• Imitar os muçulmanos em qualquer coisa, como as suas roupas, tiaras, turbantes ou o penteado dos seus cabelos;

• Montar um burro usando sela (cavalgar um burro usando sela é mais confortável, o que lembra certo tipo de riqueza e dignidade no Oriente Médio);

• Enterrar os seus mortos próximo de um muçulmano;

• Ler em voz alta nas igrejas;

• Prantear ruidosamente os seus mortos;

Assumir qualquer posição em que tenham qualquer autoridade sobre um muçulmano.
Após ter apresentado estas condições aos cristãos, disse-lhes enfaticamente: “Se qualquer cristão violar qualquer um destes termos, será permitido matá-lo”.

Exemplos de perseguição
Ibn Timiyya, um xeque muçulmano e mufti (juiz) dos muçulmanos, foi certa vez abordado com um pergunta. Um pastor cristão mora numa casa perto de um terreno onde existe uma igreja em ruínas e sem telhado. O pastor comprou o terreno e reformou a igreja para poder reunir o seu povo para orar. Ele pode fazer isto?
Ibn Timiyya respondeu que ele não tem o direito de fazer isto, porque os muçulmanos conquistaram esses lugares à força e as igrejas lhes pertencem, e de acordo com os eruditos muçulmanos elas podem ser destruídas.

Portanto, todos os que ajudaram o pastor devem ser punidos, e o seu sangue deve ser derramado e as suas propriedades confiscadas porque violaram os termos impostos aos cristãos.

No Egito, para construir uma igreja, os cristãos precisam de uma ordem assinada pelo Presidente do país. Se os cristãos precisarem renovar ou reformar uma igreja, precisam ter uma permissão assinada por um oficial da polícia secreta.

Em minha última viagem ao Egito, visitei uma igreja numa aldeia muito pobre, onde um oficial da polícia tinha dado ordens aos seus comandados para passar com um trator por cima dos dois únicos banheiros da igreja.

O pastor tinha reformado um dos banheiros sem a sua permissão, pois sabia que tal permissão jamais seria concedida.  O Pastor “Samir”, do Egito, ficou preso por dois meses, porque um muçulmano informou que ele estava reformando a sua igreja, quando na verdade Samir estava reformando a sua casa.

A seguir, estão alguns exemplos de outros tipos de proibições para os não muçulmanos que vivem em países muçulmanos:

Os não muçulmanos não podem testemunhar sobre nenhum assunto nos tribunais;
O Ímã Al-Shaffi, em seu livro As ordenanças do Alcorão, diz: “Não é permitido o testemunho de uma pessoa da aliança (judeus e cristãos). A testemunha tem de ser alguém que pertença à nossa religião e precisa ser um homem livre, não um escravo. O testemunho é aceitável somente do nosso homem livre se ele pertencer à nossa religião”.

Todos os eruditos confirmam que porque Maomé disse não acreditar no povo do Livro , há certos empregos que os não muçulmanos não podem ter.

Ibn Timiyya narra o seguinte evento: “Khalid Ibn Al Walid (o famoso comandante militante que conquistou muitos países para os muçulmanos) escreveu a Umar Ibn Al Khattab dizendo: 
- Temos, na Síria, um secretário cristão que está encarregado do recebimento dos impostos. 
Umar respondeu-lhe:  - Não o use. Khalid replicou: - Ele é indispensável e se nós não o usarmos como encarregado, o tesouro estará perdido.
Umar respondeu mais uma vez: - Não o use.

O cirurgião egípcio, Dr. Magdi Yacoub, declarou num programa de rádio que tinha de sair do Egito, pois, como cristão, ele não tinha permissão para estudar ginecologia nas universidades egípcias. 
Os muçulmanos não permitem que os ginecologistas cristãos tratem das suas esposas.
Se um muçulmano abraçar o cristianismo, ele tem trinta dias para mudar de ideia e voltar ao islamismo; caso contrário, ele poderá ser morto por qualquer muçulmano, sem que este venha a ser considerado criminoso.

Na Arábia Saudita, nenhum cristão pode viajar próximo ou através de Meca, a cidade sagrada dos muçulmanos, para não “macular” a cidade.

O milagre em meio à perseguição Apesar de tudo isso que os cristãos enfrentam nos países islâmicos, queridos irmãos e irmãs, a eles se aplica algo que as Escrituras disseram sobre os cativos hebreus no Egito Antigo: “Mas, quanto mais os afligiam, tanto mais se multiplicavam e tanto mais se espalhavam” (Êx 1.12). A cada ano, milhares vêm a Cristo nas nações islâmicas. Alegremo-nos com o novo nascimento em Cristo desses nossos irmãos!

Al Bukhari, Vol. 1, p.25.
Al Bukhari, Vol. 1, p.13.
Ibn Timiyya, Vol. 28, p.651.
Ibn Timiyya, Vol 14, p.85.
Ibn Hazm, Vol. 4, Parte 7, p.346.
Ibn Timiyya, Vol. 28, p. 654.
Ibn Timiyya, Vol. 28, p. 648.
Al-Shaffi. As ordenanças do Alcorão. Parte 2, p.142.
Sahih Al Bukhari, Parte 3, p.237.
Ibn Timiyya. Vol. 28, p. 644.

14 comentários:

Bp. Jéferson Fabiano Candido disse...

Os Muçulmanos podem queimar os cristãos, mas os cristãos não podem queimar o alcorão. Onde está o fanatismo? Não duvido que o anticristo está entre os muçulmanos.

Pastor Anderson Andujar disse...

É triste ver a situação que os nossos irmãos enfrentam nesses países para poder servir ao Senhor, mas por outro lado toda essa perseguição tem as suas vantagens - olhando com olhos espirituais - duvido que por lá existam os tais profetas da "prosperidade" e me forço a acreditar que o evangelho é bem mais puro do que por aqui por essas bandas.

Será que um pouquinho de perseguição aqui faria bem???

A paz pr. Anselmo...

Anselmo disse...

Pr Anderson.
Da um friozinho na barriga pensar nessa possibilidade.
Mas acredito assim como você que é exatamente o que precisamos pelas bandas de cá.
Paz!

Anselmo disse...

Bp.Jéferson.
E nós é que somos taxados de fanáticos.
Que Deus tenha misericórdia de nossos irmão que vivem onde esses absurdos predominam.
Paz!

GERALDO CARDOSO DE ALMEIDA FILHO disse...

Pastor Anselmo:
Agora entendo o motivo de tanto sucesso do blog do senhor.O motivo é simples, é que o senhor sabe lidar de maneira equilibrada, com aqueles que tem um posicionamento diferente do senhor.E nesse equilíbrio ate quem discorda do senhor consegue ter uma certa simpatia pelo senhor.Com certeza eu continuarei participando de seu blog, sou polêmico mas, não sou fanático.

GERALDO CARDOSO DE ALMEIDA FILHO disse...

Muito obrigado pelo convite para participar da promoção, o presenteado vai se dar bem.Pois os prêmios são valiosos.Vou ficar na expectativa.

GERALDO CARDOSO DE ALMEIDA FILHO disse...

Quanto a postagem em pauta, me faz lembra de alguns livros que li:
o sofrimento dos cristãos no coliseu de roma,a inquisição, o sofrimento dos mártires protestantes.
Eles nos deixaram um legado, sê fiel ate a morte.

disse...

Ainda tem gente que nos chamam de intolerantes e fanáticos, queria ver esta militância gay dizendo que iria banir o Islamismo de lá, como ousam falar que irão fazer com o cristianismo aqui. Eles vem e plantam suas Mesquitas e tem total liberdade de ganhar pessoas para sua religião e nós que somos intolerantes, homofóbicos matamos quem não aceita nossa crença , só a graça. Aqui é a casa da mãe Joana, fazem o que querem. Paz Anselmo!

Anselmo disse...

Rô,
somos na verdade um povo pacífico e que ama a Deus e zela pelos princípios Cristãos.Exatamente por isso querem ganhar tudo no grito.Lá eles seriam incendiados em praça pública.Logo apareceria um louco gritando:"Ala mandou trucidar os homossexuais"!Pronto, a carnificina começaria imediatamente.
Que tal sugerirmos a estes ativistas que fossem lá falar de direitos dos homossexuais?
Paz Rô.

Anselmo disse...

Querido irmão Geraldo Cardoso.
Nem sempre fui assim, é um exercício diário conseguir lidar com os diferentes sem perder a paciência e o foco.Na verdade tenho orado e pedido a Deus que me capacite a fim de poder me manter em um estado de equilíbrio mesmo em meio as divergências.Tenho convicção que esse é um estado de maturidade aprovado por Deus.Quando nos posicionamos de maneira tão radical a ponto de por fim ao diálogo nada pode ser construído.
Gosto de temas polêmicos e por vezes também sou chamado de fanático e intolerante,talvez por minha maneira ainda pouco polida de "bater", mas,tenho me esforçado e estou convencido de que esse é o melhor caminho.
Fique na paz de Cristo meu irmão.

Emerson Cavalcanti disse...

Será que se essas coisas fosem aqui no Brasil que é um país livre, os Cristão continuariam e não negariam a Cristo Jesus a ponto de morrer por Cristo? Devemos está disposto a não somente a ser presos e sim também de sermos até mortos por causa de Jesus, então permanecemos firmes e continuamos apregar o evangélho verdadeiro, não aceitando falsas doutrinas. Oremos por esses missionários e ajudarmos no que pudermos. gr aça e paz.

CLEUSA KLEIN disse...

Dor muito grande me vai à alma. Ao mesmo tempo tenho sinto orgulho e gozo por saber que ainda existem pessoas dispostas a viver e morrer pelo evangelho de Jesus. Sinto vergonha por ver que enquanto muitos estão morrendo, aqui no Brasil, muitos estão se vendendo pelo dinheiro e pelo fama. Supostos pastores se tornam empresários gospels, mercantilizando a igreja. A minha esperança e certeza é que um dia esse joio vai ser arrancado!
A violência no Islã seja na forma de terrorismo ou na perseguição aos Cristãos e outras minorias no mundo Muçulmano, ou a pena de morte para um indivíduo que se afasta do Islã, não são simplesmente incidentes isolados ou aberrações. Essas violências são, de fato, a raiz do Islã, tal como encontrado no Alcorão.
O mundo precisa levar o desafio do Islã mais a sério do que qualquer outro momento no passado. A politica religiosa deles fala mais alto do que a própria fé que possa agir em seus corações. São mentes cauterizadas pelo diabo para destruir cristãos comprometidos som o evangelho de Cristo.
Deus sempre lutará por seu povo, por sua igreja. Mas se for necessário o sacrifício, que venha, porque Deus permitiu e chegou a hora. O que não podemos e nos dobrar a nenhum mortal herege.
Deus nos ajude até o fim chegar.
Missionária Cleusa Klein

LIDIA S.F disse...

salam'aleikum. Vocês estão fazendo inerpretações totalmente erradas do nosso Sagrado Alcorão e perguntem me a que se refere esses Aos "Cristaos não é verdade, interpretam descaradamente os versiculos a qual se referem da Hijah, não para matar Cristãos ou quaisquer outras religiao mas sim para combater os Incredulos que Blasfemam e não se curvam a Deus, não importando sua religião. Não seja ignorante pastor que isso é feio para ti. Não profane nosso Sagrado Alcorão dizendo mentiras. O Alcorão convoca os mulçumanos a espalhar as palavras do profeta Maomé pelo mundo afora e não a matar os que não são mulçumanos.
Você está tirando um universo que contém mais de 1 bilhão de pessoas pelas atitudes de um grupo pequeno, porém viral e nocivo. Lembre-se que na idade média os cristãos costumavam queimar quem fosse contra as suas crenças. Só por causa disso você andou queimando gente por aí?
Wasalaama.

LIDIA S.F disse...

Em nome de Deus, O Clemente, O Misericordioso

salam'aleikum.


8ª SURATA
OS ESPÓLIOS

Isso, porque contrariaram Deus e o Seu Mensageiro; saiba, quem contrariar Deus e o Seu Mensageiro, que Deus é Severíssimo no castigo.
Tal é (o castigo pelo desafio); provai-o, pois! E sabei que os incrédulos sofrerão o tormento infernal.
Ó fiéis, quando enfrentardes (em batalha)(545) os incrédulos, não lhes volteis as costas.
Aquele que, nesse dia, lhes voltar as costas – a menos que seja por estratégia ou para reunir-se com outro grupo – incorrerá na abominação de Deus, e sua morada será o inferno. Que funesto destino!
Vós que não os aniquilastes, (ó muçulmanos)! Foi Deus quem os aniquilou; e apesar de seres tu (ó Mensageiro) quem lançou (areia), o efeito foi causado por Deus.(546) Ele fez para Se provar indulgente(547) aos fiéis, porque é Oniouvinte, Sapientíssimo.
Fê-lo para que saibais que Deus desbarata as conspirações dos incrédulos.

Olha só, são regras de guerra→Jihad islâmico de Defesa. Leia. Vejam que esses versiculos se referem a Hihad, não distorsam nem façam falsas interpretações assim do nosso Sagrado Alcorão. Esses versiculos se tratam de TODOS OS INCREDULOS QUE BLASFEMAM E PROFANAM O QUE É SAGRADO EM NOME DE DEUS, NÃO IMPORTANDO A RELIGIÃO, ONDE ESTA ESCRITO QUE DEVEM MATAR OS CRISTÃOS??? VÃO LER A BIBLIA DE VOCÊS E CADA UM ACREDITA EM SEU SAGRADO LIVRO, RESPEITANDO O PRÓXIMO. Eu queria mesmo era que você me mostrasse algo no Alcorão falando dessa matança de fiéis e isso você não vai conseguir achar. Se assim fosse o islã não seria hoje a segunda religião mais praticada no mundo e com uma diversidade étnica tão grande. O Alcorão convoca os mulçumanos a espalhar as palavras do profeta Maomé pelo mundo afora e não a matar os que não são mulçumanos.
Você está tirando um universo que contém mais de 1 bilhão de pessoas pelas atitudes de um grupo pequeno, porém viral e nocivo. Lembre-se que na idade média os cristãos costumavam queimar quem fosse contra as suas crenças. Só por causa disso você andou queimando gente por aí?

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲