Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

França diz não ao casamento gay

PARIS, França, 14 de junho de 2011 (Notícias Pró-Família) — Legisladores da França rejeitaram um projeto de lei para legalizar o “casamento homossexual” hoje numa votação decisiva na Assembleia Nacional, a Câmara dos Deputados da França.
Os deputados da Assembleia votaram contra o projeto de lei, proposto pelos socialistas, por uma maioria de 293 a 222. A votação ocorreu depois de uma decisão em janeiro dada pelo mais elevado tribunal da nação, o Conselho Constitucional, declarando que o “casamento” homossexual não é um direito constitucional.
Embora uma recente pesquisa de opinião pública, que vem sendo muito citada, tivesse revelado que a maioria dos eleitores franceses, 58 por cento, favorece a criação do “casamento” homossexual, Michel Difenbacher do Partido da União por um Movimento Popular (UMP), que é o principal partido, disse que não acha necessário “ir com a maré nem ceder a um modismo” com relação à questão.
“Somos contra a homofobia, mas não queremos alterar a imagem e função do casamento” dentro da sociedade, disse Difenbacher.
Christian Vanneste e Brigette Bareges, também do UMP, foram mais duros em sua avaliação negativa do projeto de lei. Vanneste chamou tais uniões de “aberrações antropológicas”, enquanto Bareges perguntou: “Por que não também casamento com animais, ou poligamia?”
O fato de que a Assembleia Nacional rejeitou o projeto de lei representa uma ambivalência para com o movimento ideológico homossexual na sociedade francesa. Embora tivesse sido o primeiro país a criar uniões civis para homossexuais, uma medida aprovada em 1999, a França vem de modo firme resistindo à redefinição do casamento.
Nicolas Sarkozy, presidente da França, que se descreve como campeão dos valores cristãos tradicionais, vem exigindo a legalização mundial da sodomia. Contudo, Sarkozy também se opôs ao projeto de lei de “casamento homossexual”, provocando acusações de mudança súbita de direção pelos legisladores socialistas, que dizem que ele havia prometido aprovar tal projeto em 2007.
Via aquiJulio Severo

9 comentários:

disse...

Que bom né?? ainda bem que este Nicolas Sarkozy, presidente da França, que se descreve como campeão dos valores cristãos tradicionais também se opôs né??

Menos mal, graças a Deus.
120 rsss

Anselmo Melo disse...

O povo vai acabar desistindo do prêmio...Paz!

Anderson Rogerio Andujar disse...

Desisto não Pr Anselmo, o prêmio é para aqueles que perseverarem até o fim, rsrs.

"Tô" no calcanhar da irmã Rô que nem Jacó no de Esaú, rsrs...

Abraços, que bom que na França, e acredito em todo lugar, ainda existam pessoas de bom senso e a favor da família.

Anderson Andujar

disse...

kkkk Vai não,não postarei mais pra dá chance a eles ok. Bjs e Paz.

121

Anselmo Melo disse...

É Rô, pelo jeito o Anderson não ta a fim de entregar mole para você o prêmio.Paz!

Anselmo Melo disse...

O espírito é esse Anderson:Não desistir jamais.Valeu pela força.Paz!

disse...

O Andersn pode vir em segundo lugar,e meu coração continua aberto para ele. kkkkkk
Mais o primeiro lugar é meu. kkkk
To me divertindo tanto aqui. Que bom. Paz

Cesar M. R. disse...

Ah, Rô... dá um prazo pra gente, vai?
hehehe... tô chegando!

robsonandreotti disse...

pastor! o sr deveria também mostrar as dezenas de países que é permitida a união. inclusive aqui. no nosso brasil varonil.

Real Time Web Analytics
Template personalizado por Elaine Gaspareto

TOPO ▲